quinta-feira, 21 de junho de 2018
Poesia Sempre!
Leia na íntegra o poema ‘Poema da Noite Rasa’ da obra inédita Azul Suave Ensandecido, de autoria do poeta e jornalista maranhense Fernando Atallaia

Poema da Noite Rasa

Lá se foi na lareira o imenso vernal
E caiu no subúrbio como tocha
Cimalhas de metal – casa inconclusa ,  nas rochas o corpo devolvido à loucura do Corpo
Com seus olhos unhas e dentes

Resultado de imagem para FREIRA GOSTOSA

Banhando nu frente a frente com as árvores da noite
E a noite rasa acaba
Acaba com o pouco de eterno na raiva dos sóis  –repulsa amarga
Tediosos raios de luz e a noite como cruz em sua boca rosnando mais e mais Putas loucas
Na indecisão do caminho partido ao meio

Operários, estudantes , diaristas ensacoladas vão
Se vão   no batente das horas escassas e voltam sempre às 18h
E por lá a noite é apenas retalho de dia para o dia passado
Noite rasa ,   sem atalho investe contra a dureza do tempo
Tiro de misericórdia na carne da vida sufocada 
Resultado de imagem para PROSTITUTA LINDA NA NOITE]

Tiro de misericórdia 


São José de Ribamar, abril de 1997

Um comentário:

  1. Lindo como tudo que você faz
    Sou sua eterna fã

    Kátia(Cohaserma)

    ResponderExcluir

Postagens mais visitadas

Pesquisar em ANB

Nº de visitas

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 9164 10 67

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores

Parceiros ANB