domingo, 24 de junho de 2018

Morre aos 54 anos Vinnie Paul, baterista e fundador da banda Pantera


Morreu aos 54 anos “Vincent Paul Abbott, mais conhecido como Vinnie Paul, baterista e um dos fundadores da banda Pantera. A causa da morte não foi divulgada. Paul é conhecido por seu trabalho como baterista das bandas Pantera e Hellyeah. Não há mais detalhes disponíveis no momento. A família pede que respeitem sua privacidade durante este momento”, diz a nota divulgada pela banda nas redes sociais neste sábado.

Resultado de imagem para VINNIE PAUL
Mais conhecido como...
A morte de Vinnie Paul foi lamentada por astros do heavy metal nas redes sociais. “Muito triste com a notícia. Vinnie foi uma figura amada nas comunidades do rock e do metal. Vamos sentir falta de vê-lo na estrada. Seu impacto na música foi imensurável. Descanse em paz”, escreveu nas redes sociais Alice Cooper. “Ele era uma das pessoas mais calorosas que eu conheci. Um bom amigo, divertido e verdadeiro”, publicou Slash em sua homenagem ao músico.

O Pantera marcou época nos anos 1990, quando abandonou o glam metal para apostar em um estilo mais pesado. Foi nesta época que lançaram faixas como Cowboys from Hell e Vulgar Display of Power. A banda chegou ao fim em 2003, entre rumores de desentendimento. Na época, Vinnie e o irmão Dimebag fundaram outro grupo, o Damageplan, que foi encerrada por uma tragédia: Dimebag foi assassinado durante um show, quando um ex-integrante da Marinha invadiu o palco e atirou contra ele.

AS INFORMAÇÕES SÃO DA REPÓRTER RAQUEL CARNEIRO
EDIÇÃO DE FERNANDO ATALLAIA
sábado, 23 de junho de 2018
Motivados e transbordando alegria, os mais de 400 estudantes maranhenses que participam do “Emaranhando Sonhos: I Encontro de Grêmios Estudantis” tiveram, na quinta-feira, uma conversa com o governador

Motivados e transbordando alegria, os mais de 400 estudantes maranhenses que participam do “Emaranhando Sonhos: I Encontro de Grêmios Estudantis” tiveram, na quinta-feira (21), uma conversa com o governador Flávio Dino. Durante o ato a “A Juventude como protagonista do Maranhão de todos nós”, os gremistas falaram de sonhos, consciência política e do direito à educação, além de uma entrega simbólica do que almejam para o futuro de suas escolas e suas vidas.
“O Maranhão está tirando o atraso de mais de 50 anos e eu sou uma beneficiada diretamente com todas as ações”, disse a estudante Amanda Costa Barros, de 17 anos, ao destacar os investimentos do Governo do Maranhão no programa Escola Digna e na promoção da formação de grêmios. Amanda é presidente do grêmio estudantil do Centro de Ensino Dr. Paulo Ramos, da Unidade Regional de Educação (URE) de Chapadinha.

Mais de 400 estudantes maranhenses
Vinda de mais longe, da URE de Imperatriz, Emília Machado Dias também declarou ter se beneficiado com o Escola Digna. Aluna do C.E. Parsondas de Carvalho, no município de Sítio Novo, a estudante contou também o que levará do encontro.

“Depois de 50 anos, o Governo conseguiu fazer uma reforma digna na minha escola e eu agradeço muito por isso. Daqui estou levando vários sonhos, que serão renovados a cada dia, quero principalmente representar minha escola e lutar por mais educação”, disse a estudante.

Emaranhando

Promovido pelo Governo do Maranhão por meio da Secretaria de Educação (Seduc), o “Emaranhando Sonhos: I Encontro de Grêmios Estudantis” é a culminância de um processo de revitalização de grêmios que mobilizou mais de 5.472 estudantes da rede pública estadual de ensino nas 19 URES. É o primeiro encontro estadual desse tipo no Maranhão.

Durante o ato, os estudantes fizeram uma entrega simbólica dos sonhos para a educação e a juventude sobre os quais refletiram durante o encontro.
''Sei o quanto é decisivo para a formação da consciência, da decisão, das ideias; e com isso eles estão mais preparados, não só tecnicamente, mas também no que se refere a conduta, princípios, valores, para assumir aquilo que de fato lhes cabe, que é o comando da sociedade, seja no setor privado, na vida profissional, no setor público”, declarou o governador Flávio Dino ao comentar a importância do evento.

Durante o ato, os estudantes fizeram uma entrega simbólica dos sonhos para a educação e a juventude. 
Destinado a desenvolver o protagonismo estudantil, o evento também abre novas portas para a melhoria do sistema de educação do Estado. “São estudantes, lideranças, protagonistas de um processo de cobrança, de construção de novas políticas, de aperfeiçoamento do ensino, e de ânimo para a juventude, que serve de estímulo para o melhor desempenho escolar de um modo geral”, completou Flávio.

O Encontro de Grêmios Estudantis teve duração de três dias e, durante esse período, os 420 participantes – jovens eleitos como delegados – representaram 501 Centros de Ensino, de 207 cidades dos 217 municípios e participaram de debates, painéis, apresentações culturais e momentos de trocas de experiências.
sexta-feira, 22 de junho de 2018
JORNALISTAS SÃO INTIMADAS A DEPOR À POLÍCIA DE MG APÓS REPORTAGENS SOBRE PIMENTEL

A Polícia Civil de Minas Gerais intimou duas repórteres do jornal "O Tempo", de Belo Horizonte, supostamente para chegar à identidade de funcionários da estatal Codemig (Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais) que teriam sido fontes de reportagem

A Polícia Civil de Minas Gerais intimou duas repórteres do jornal "O Tempo", de Belo Horizonte, supostamente para chegar à identidade de funcionários da estatal Codemig (Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais) que teriam sido fontes de reportagens com denúncias contra o governo de Fernando Pimentel (PT).

O inquérito foi requerido pela Codemig na última segunda-feira (11) e instaurado já na terça-feira (12), cerca de 24 horas depois da solicitação da estatal.

A intimação foi entregue às jornalistas Angélica Diniz e Ludmila Pizarro na redação do jornal, nessa quinta (14), com a determinação de que elas se apresentassem no Departamento de Investigações contra o Patrimônio da Polícia Civil no dia seguinte. Nessa sexta-feira (15), as duas jornalistas atenderam à intimação, prestaram depoimento à polícia e se recusaram a revelar as fontes das matérias.

Segundo o advogado de "O Tempo", Fábio Antônio Tavares, a Constituição Federal, no inciso 14 do artigo 5º, assegura aos jornalistas o direito de sigilo da fonte quando necessário ao exercício profissional.

"Elas foram intimadas para fornecer os nomes das fontes ou dizer se conheciam o nome de um servidor que teria sido demitido da empresa após ser acusado pela própria Codemig de ter sido o responsável pelo vazamento das informações", afirmou Tavares.

Resultado de imagem para fernando pimentel
Fernando Pimentel, do PT: logística da Civil para perseguir jornalistas?

Desde o início de fevereiro, Diniz e Pizzarro têm feito reportagens investigativas relativas à estratégia de Pimentel em obter dinheiro para sanar dívidas do Estado.

De acordo com reportagens assinadas pelas duas repórteres, Pimentel tentou vender ações de nióbio em poder da Codemig, por meio do desmembramento da estatal, e buscou contratar empréstimo bilionário com juros acima dos praticados pelo mercado, também por meio da Codemig. Nos dois casos, as tentativas do petista foram barradas pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado) de Minas Gerais.

O líder do Governo na Assembleia Legislativa de Minas, deputado Durval Ângelo (PT), disse que o governo iria tomar as medidas necessárias para reverter a decisão do TCE em barrar os empréstimos. Ele acusa as gestões tucanas anteriores à de Pimentel de serem as responsáveis pelos problemas econômicos que dificultaram a administração do Estado e resultaram na atual situação de calamidade financeira.

O secretário de Governo Odair Cunha, por sua vez, disse que operação da Codemig é financeira e não de crédito. "Estamos dispondo de ativos que o estado tem. Não se trata de antecipação de receita. Essa operação vai garantir que o estado consiga equilibrar suas contas".

A assessoria de Pimentel informou neste sábado (16) que não comentaria o caso. Procurada pela reportagem do UOL, a assessoria da Polícia Civil não se manifestou sobre o assunto até esta publicação. A assessoria da Codemig não foi localizada. Nenhum representante do sindicato dos jornalistas de Minas Gerais foi localizado também para comentar a intimação das duas repórteres.


AS INFORMAÇÕES SÃO DO UOL
EDIÇÃO DA AGÊNCIA BALUARTE
quinta-feira, 21 de junho de 2018

Pelo terceiro mês seguido


Pelo terceiro mês seguido, o Maranhão teve crescimento no número de empregos com carteira assinada. Além disso, o Estado registrou o quinto maior aumento de novos postos, segundo dados do Cadastro de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho.

O Maranhão gerou 2.075 empregos formais em maio. É o melhor desempenho para o mês desde 2007, há onze anos. Em relação a maio do ano passado, o aumento foi de 165%.

O Estado só ficou atrás de São Paulo, Minas Gerais Bahia e Espírito Santo. Proporcionalmente, o crescimento dos empregos formais no Maranhão (0,45%) ficou bem acima da média do Nordeste (0,17%) e do Brasil (0,09%). E também foi o maior do Nordeste.

Esse cenário tem muito a ver com os investimentos e incentivos feitos pelo Governo do Maranhão. O Estado foi o quarto que mais ampliou investimentos em 2017 em todo o país, com alta de 25,64%. O total foi de R$ 1,176 bilhão, mesmo em meio à grave crise fiscal.
O setor que mais criou empregos no Maranhão em maio foram os Serviços, os Serviços Industriais de Utilidade Pública e a Agropecuária.

Investimentos

Esse cenário tem muito a ver com os investimentos e incentivos feitos pelo Governo do Maranhão. O Estado foi o quarto que mais ampliou investimentos em 2017 em todo o país, com alta de 25,64%. O total foi de R$ 1,176 bilhão, mesmo em meio à grave crise fiscal.

São centenas de obras e empreendimento em execução, o que estimula o mercado de trabalho. Na Indústria e no setor de Serviços, por exemplo, um dos exemplos mais recentes para atrair negócios é o novo Parque Empresarial de São Luís.

O local já despertou o interesse de dezenas de empresas, e um dos empreendimentos já está aberto, o que gerou 500 empregos imediatamente e vai chegar a 2 mil.
Poesia Sempre!
Leia na íntegra o poema ‘Poema da Noite Rasa’ da obra inédita Azul Suave Ensandecido, de autoria do poeta e jornalista maranhense Fernando Atallaia

Poema da Noite Rasa

Lá se foi na lareira o imenso vernal
E caiu no subúrbio como tocha
Cimalhas de metal – casa inconclusa ,  nas rochas o corpo devolvido à loucura do Corpo
Com seus olhos unhas e dentes

Resultado de imagem para FREIRA GOSTOSA

Banhando nu frente a frente com as árvores da noite
E a noite rasa acaba
Acaba com o pouco de eterno na raiva dos sóis  –repulsa amarga
Tediosos raios de luz e a noite como cruz em sua boca rosnando mais e mais Putas loucas
Na indecisão do caminho partido ao meio

Operários, estudantes , diaristas ensacoladas vão
Se vão   no batente das horas escassas e voltam sempre às 18h
E por lá a noite é apenas retalho de dia para o dia passado
Noite rasa ,   sem atalho investe contra a dureza do tempo
Tiro de misericórdia na carne da vida sufocada 
Resultado de imagem para PROSTITUTA LINDA NA NOITE]

Tiro de misericórdia 


São José de Ribamar, abril de 1997

Passeata dos Cem Mil


“Deixou de ser uma manifestação estudantil, virou uma insurreição popular”. Assim Jean Marc von der Weid define a Sexta-feira Sangrenta, como ficou conhecida a matança ocorrida há 50 anos, no dia 21 de junho de 1968, que deixou no Centro da cidade um débito do Brasil com sua história de 28 mortos — 27 civis e um policial, morto por um balde de cimento lançado do alto de um prédio. Weid, então com 22 anos, presidia o diretório de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e fora detido quatro dias antes, ao fim de uma passeata estudantil.

“Fiquei preso até 24 de julho no quartel da Infantaria Blindada, em São Cristóvão. Passava o dia encostado e era atualizado do que acontecia pelos soldados. Naquele dia, eles disseram: ‘O povo está botando para quebrar no Centro, o Exército vai intervir com o pelotão de Choque de vários batalhões’. De noite, me levaram para o comando do batalhão, de onde assisti ao que acontecia pela televisão. Jogavam cadeiras, lixo, vinha de tudo do alto dos prédios, a população se rebelou. A guerra civil só cessou com a chegada do Exército já de noite, quando as pessoas começaram a se dispersar”, relata o ex-líder estudantil, engenheiro químico e economista agrícola, que presidiu a UNE de 1969 a 1971 e se especializou em planejamento participativo e desenvolvimento sustentável. 

E fora detido quatro dias antes, ao fim de uma passeata estudantil.
Sua prisão aconteceu em 18 de junho de 1968. No dia seguinte, um novo ato foi reprimido com violência pelos policiais. Em 20 de junho, centenas de universitários se concentraram no Teatro de Arena da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRJ e reivindicaram um debate sobre o ensino superior com o reitor e o Conselho Universitário. Ao sair de lá, sofreram violenta repressão a golpes de cassetete e tiros. Houve mais de 300 prisões, e os estudantes foram levados ao campo do Botafogo, na Rua Genera Severiano, próximo ao campusa da Praia Vermelha, da UFRJ, onde foram humilhados e espancados.

Na manhã da sexta-feira 21, uma nova passeata de estudantes protestou contra a repressão no Centro do Rio. Em reação às investidas policiais, tal qual Davi e Golias, os jovens enfrentaram a cavalaria com rolhas e bolas de gude, que fizeram tombar os cavalos. Nisso, a população tomou o partido dos estudantes e se uniu a eles nos ataques à pedra contra a polícia. Objetos eram arremessados do alto dos prédios sobre os soldados, que reagiam a tiros. Bombas de gás lacrimogêneo foram lançadas de helicópteros. Entre o fim da manhã e a tarde, o conflito se espalhou feito rastilho de pólvora por uma extensa área do Centro. A batalha prosseguiu até o início da noite e, além dForam mais de mil presos e 15 viaturas incendiadas naquele dia.os 28 mortos, deixou centenas de pessoas feridas.

http://www.jb.com.br/media/fotos/2018/06/21/627w/estudantes-enfrentam-pelotao-da-policia-armados-com-paus-e-pedras-ao-lad.jpg
Foram mais de mil presos e 15 viaturas incendiadas naquele dia.
O produtor Luís Carlos Barreto, hoje com 90 anos, acompanhou de perto os acontecimentos. “A morte do estudante Edson Luís, três meses antes, já havia deflagrado uma revolta muito grande na população, sobretudo no meio estudantil, e acarretou uma série de focos de agitação. Na noite da Sexta-Feira Sangrenta, eu estava com Glauber Rocha e outros intelectuais num restaurante da Cinelândia, quando chegaram policiais lançando gás lacrimogêneo, e o lugar virou uma verdadeira praça de guerra. Percebemos que tínhamos de fazer alguma coisa contra aquela repressão descabida”, lembra.

No dia seguinte, Barreto, Glauber, Sinval Palmeira, sogro de Zelito Vianna e membro do PCB, além de outros participantes do circuito do Cinema Novo, foram à igreja do Leme onde o Frei Secondi se reunia com lideranças estudantis. “Percebemos que era necessário juntar os grupos, que agiam isoladamente. Dessa reunião, surgiu a organização da Passeata dos 100 Mil”, recorda Barreto. O vínculo entre a Difilm, distribuidora dos filmes de vários diretores do Cinema Novo, com o movimento estudantil era Ana Maria Franco Ribas, então casada com Vladimir Palmeira.
No dia seguinte, Barreto, Glauber, Sinval Palmeira, sogro de Zelito Vianna e...
Prisões e arbitrariedade eram as marcas da ação do governo militar em relação às crescentes manifestações de protesto dos estudantes contra a ditadura. Em 28 de  março de 1968, o aluno secundarista Edson Luís de Lima Souto foi assassinado, aos 18 anos, com um tiro a queima-roupa no peito, desferido pelo aspirante Aloísio Raposo, comandante da tropa da PM que havia invadido o restaurante universitário Calabouço, onde os estudantes protestavam contra o aumento do preço das refeições. 

Para von der Weid, uma coisa é certa: não fosse a Sexta-Feira Sangrenta, não haveria a Passeata dos Cem Mil, a histórica manifestação popular contra a ditadura militar no Rio, cinco dias depois.

AS INFORMAÇÕES SÃO DA REPÓRTER CELINA CÔRTES
EDIÇÃO DA AGÊNCIA BALUARTE 

A segunda-feira foi de entregas e inaugurações para moradores de quatro municípios da Região Tocantina do Maranhão

A segunda-feira (18) foi de entregas e inaugurações para moradores de quatro municípios da Região Tocantina do Maranhão. O governador Flávio Dino percorreu as cidades de Lajeado Novo, São João do Paraíso, Campestre do Maranhão e Ribamar Fiquene e realizou a inauguração de obras emblemáticas para os municípios, como a Escola Digna que substituiu o antigo “Morcegão”, as vias asfaltadas, incentivos à produção, além das assinaturas de ordens de serviço para mercados, praças e outros investimentos.

Durante muito tempo abandonada pelo poder público, a escola conhecida como “Morcegão” não tinha piso, portas e carteiras adequadas. Com a reforma, ganhou nova estrutura.
De acordo com o governador, o objetivo das entregas é favorecer as populações dos municípios: “Nós estamos ajudando os municípios e com isso, conseguimos fazer entregas expressivas em todas as cidades e regiões”.
Lajeado Novo

A agenda de entregas começou por Lajeado Novo, onde, além dos mais de 700 fardamentos escolares dados aos estudantes da rede estadual, da assinatura de convênio para construção de construção de praça pública com internet gratuita para a população e das vias asfaltadas pelo programa Mais Asfalto, foi inaugurada a agora Escola Digna Centro de Ensino Prof. Carlos Alberto Monteiro Macedo.

Máquinas entregues em São João do Paraíso.
Durante muito tempo abandonada pelo poder público, a escola conhecida como “Morcegão” não tinha piso, portas e carteiras adequadas. Com a reforma, ganhou nova estrutura e móveis, que está beneficiando diretamente 378 estudantes do município.

“Com a Escola Digna, o aluno tem vontade de vir estudar. Antigamente, não tinha biblioteca, nem laboratório. Agora vamos desfrutar desse novo recurso”, contou a aluna Carla Beatriz, do terceiro ano e presidente do Grêmio Estudantil do Centro de Ensino.

Além das vias inauguradas que receberam as melhorias trazidas pelo Mais Asfalto em Lajeado Novo, a rua que fica em frente à escola em breve também será pavimentada.

São João do Paraíso

Para incentivo da agricultura no município de São João do Paraíso, foram entregues um caminhão aberto para produtores de banana da região e uma patrulha agrícola. Além disso, houve entrega de fardamentos escolares, assinatura de ordem de serviço para reforma e adequação do Centro de Ensino Delfino Aguiar de Azevedo e a inauguração de vias contempladas com o Programa Mais Asfalto.

“Para nosso setor foi vida nova, a poeira aqui dominava. Graças a Deus, o governador implantou esse asfalto na nossa avenida e melhorou bastante”, contou o comerciante Rivaldo Borges Marinho sobre as mudanças trazidas pelo Mais Asfalto.

Campestre do Maranhão

Além da entrega das obras de pavimentação asfáltica pelo Mais Asfalto, no município de Campestre do Maranhão, o governador Flávio Dino também assinou convênio para iluminação da Avenida Palmeirinha, entregou fardamentos escolares e fez vistoria às obras do Centro de Ensino Valentin da Silva Aguiar, escola que há mais de 30 anos aguardava uma reforma.

Além da entrega das obras de pavimentação asfáltica pelo Mais Asfalto, no município de Campestre do Maranhão, o governador também assinou convênio para iluminação da Avenida Palmeirinha, entregou fardamentos escolares e...
“Era uma obra muito desejada, a escola está há 30 anos sem reforma, foi construída em 1988 e de lá pra cá nunca teve uma reforma”, contou a gestora da escola, Lucileia Barros.

Ribamar Fiquene

Na quarta visita a municípios desta segunda-feira, o governador Flávio Dino esteve em Ribamar Fiquene, onde visitou o Hospital Municipal de Ribamar Fiquene, recém-reformado com o apoio do Governo do Estado. Ele também vistoriou a obra de reforma do Centro de Ensino de Ribamar Fiquene, prédio de seis salas de aula, sala de professores, laboratório, banheiros, entre outros.
Na sede do município ele também assinou convênio para a construção do Mercado Municipal e da Praça do Mercado; entregou kits de irrigação e equipamentos para o trabalho agrícola e fardamentos escolares.
Importantes lideranças da cidade vêm declarando apoio a Jota

Presidente do PEN concorre à vaga na Assembleia em outubro

POR FERNANDO ATALLAIA
EDITOR DE ELEIÇÕES DA AGÊNCIA BALUARTE 
atallaia.baluarte@hotmail.com

O ex-secretário de Articulação Política de São Luís, presidente estadual do PEN e pré-candidato a deputado estadual Jota Pinto vem recebendo importantes declarações de apoio em São José de Ribamar. 

Depois do vereador Serra Alta, Jota recebeu aproximadamente 17 adesões de grandes lideranças  em confirmação ao projeto político que segue na terceira maior cidade do estado , ovacionado.

Resultado de imagem para jota pinto
Projeto político de Jota Pinto segue a todo vapor em São José de Ribamar: adesões não param.
Em eleições passadas,  ele foi um postulantes mais bem votados de todo o município, batendo, inclusive, o candidato do prefeito Fernando Moura à época. 

Ex-pré-candidato a prefeito da cidade, Jota Pinto, quando deputado, elaborou importantes projetos para a Balneária, considerada por ele, sua ‘segunda casa’.

Em São José de Ribamar, a pré-candidatura do também ex-deputado confirma a preferência do eleitorado local que vê nele um dos principais nomes do pleito. 

Possivelmente, Pinto será um dos deputados mais bem votados da recente história eleitoral ribamarense para a Alema. 
sexta-feira, 15 de junho de 2018
Por meio da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP) 

O Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP), está inaugurando Galpões Multiuso no interior do estado. As Unidades Prisionais de Ressocialização (UPR’s) de Viana e Bacabal receberam, nesta quarta-feira (13), os novos espaços que beneficiarão, de início, 183 detentos.

Os Galpões Multiuso são locais equipados para oferecer serviços de assistência social aos detentos, principalmente ações voltadas à educação e qualificação profissional.

Os Galpões Multiuso são locais equipados para oferecer serviços, principalmente ações voltadas à educação e qualificação profissional.
Representando o secretário de Estado de Administração Penitenciária, Murilo Andrade de Oliveira, o subsecretário Rafael Velasco disse que os novos espaços proporcionam beneficiarão os internos com elevação da escolaridade e profissionalização. “O foco é garantir, de forma efetiva, a reintegração social das pessoas presas”, afirmou.

Viana

O Galpão Multiuso da UPR de Viana oferece atividades a 90 internos. No local está funcionando uma fábrica de vassouras, com 12 internos trabalhando na produção das peças. Por meio do Programa Rumo Certo, seis internos estão matriculados nos cursos de Ensino a Distância (EAD) e 20 na turma do programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA). Na oficina de artesanato são 38 detentos e no Projeto Nova Vida são mais 14.

Bacabal

Em Bacabal, 93 internos estão participando de várias atividades. Entre as ações está o trabalho em uma fábrica de chinelos que envolve quatro detentos, curso de EAD de Tecnologia da Informação para seis internos e aulas do programa EJA para mais 33. Nos cursos presenciais estão matriculados 25 internos. Os cursos presenciais são oferecidos por meio de parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Outros 25 internos participam de ações na área de produção de artesanato.

“Ainda neste mês, vamos inaugurar Galpões Multiuso em mais quatro Unidades Prisionais, no interior. São elas as UPR’s de Caixas, Pedreiras, Açailândia e Davinópolis. É algo inédito no Maranhão e demonstra o compromisso do governador Flávio Dino com a recuperação daqueles que precisam retornar aptos ao convívio social”, destaca o secretário Murilo Andrade de Oliveira.
Além de participarem da entrega simbólica dos termos de posse, Vinicius Jerônimo Oliveira, Francismar Mappes e Fernando Guilherme Moura tiveram sua primeira experiência na prestação de assistência jurídica à...
 
“Com a presença da Defensoria aqui em meu bairro, depois de muito tempo convivendo com um esgoto estourado na porta de casa, tenho a esperança de que terei essa situação finalmente resolvida”. A afirmação é do autônomo Fernando Campos, 30 anos, um dos beneficiados pela ação social realizada pela Defensoria Pública do Estado (DPE/MA), com o apoio do ônibus-escritório da instituição. O atendimento em todas as áreas aconteceu no bairro da Liberdade, na manhã desta sexta-feira (15) e fez parte da programação da posse popular dos defensores públicos recém-ingressos na carreira. Além de participarem da entrega simbólica dos termos de posse, Vinicius Jerônimo Oliveira, Francismar Mappes e Fernando Guilherme Moura tiveram sua primeira experiência na prestação de assistência jurídica à comunidade. 

Ainda durante o evento, em reconhecimento ao trabalho da Defensoria como instituição de poder popular e pela atuação incansável na garantia de direitos dos mais carentes, foram certificados o defensor-geral do Estado, Alberto Pessoa Bastos, o subdefensor-geral Gabriel Furtado Soares, e a diretora da Escola Superior da Defensoria, Isabella Miranda da Silva, primeira mulher a ocupar o cargo na instituição. A iniciativa da certificação partiu da Comunidade Quilombo Urbano.

slide 1
A necessidade de fortalecer a presença da instituição nos espaços sociais e o intercâmbio de conhecimento e saberes entre a Defensoria e a comunidade também foi destacada.
Para o defensor-geral, a homenagem reforça o compromisso da nova gestão com os assistidos, ao garantir ações de fomento à aproximação e à parceria com os cidadãos, os movimentos sociais e as organizações da sociedade civil. “Não mediremos esforços para deixar a Defensoria cada vez mais perto na comunidade”, destacou o gestor, ressaltando que o evento desta sexta-feira contribuiu com o processo de institucionalização da iniciativa.  

A necessidade de fortalecer a presença da instituição nos espaços sociais e o intercâmbio de conhecimento e saberes entre a Defensoria e a comunidade também foi destacada pela diretora da Esdep, Isabella Miranda, e pela ouvidora-geral da Defensoria, Rosicléia Costa, que estiveram à frente da organização da posse popular e da ação social.


Reiterando a disponibilidade da nova gestão de trabalhar pelas populações vulneráveis, o subdefensor-geral falou da importância de beneficiar os moradores da Liberdade, situada na região considerada como o maior quilombo urbano do país. “Precisamos ter um olhar diferenciado para essas comunidades. Promovendo o acesso aos seus diretos, conseguimos ajudar na redução das desigualdades”, afirmou.  

 
Representando os moradores da Liberdade, o babalorixá Vodunon Airton Gouveia resumiu sua fala em agradecimentos. “A Defensoria está de parabéns pelo empenho em lutar pela transformação da realidade do nosso povo”, ressaltou.

A posse popular e a ação social também contaram com o apoio da equipe da Superintendência de Primeiro Atendimento, do Núcleo Psicossocial e do Núcleo de Defesa do Consumidor, todos da DPE. Ainda conforme a programação, a representante das Mulheres de Matriz Africana, Ana Rosa Silva, leu o texto “Então, você quer ser um defensor público?”, de Carol Brook, defensor público federal do Estado Illinois, nos Estados Unidos. Quem foi à ação social, além de orientações jurídicas, buscou soluções para conflitos em diferentes áreas, como relações de consumo e questões cíveis.          
   

MATÉRIA ENVIADA PELA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA DPE/MA
Ronald Abreu integra o diretório municipal do partido
Grupo coordenado por ele em Paço se prepara para lançar candidatura ao Governo municipal

POR FERNANDO ATALLAIA
EDITOR DE ELEIÇÕES DA AGÊNCIA BALUARTE 
atallaia.baluarte@hotmail.com

O diretório do PDT luminense se organiza, atualmente, para lançar candidatura ao Governo municipal em 2020. 

Segundo informa o coordenador do projeto, filiado e membro do diretório da legenda, Ronald Abreu, a sigla tem o aval do diretório estadual para costurar alianças em torno da empreitada. 

Abreu adianta que – representando a terceira via em Paço do Lumiar-  o grupo liderado por ele já detém ampla representatividade pelos bairros locais.

''Hoje o nosso grupo, que é independente, caminha fortalecido e consolidado em Paço. Nossa meta é anunciar, daqui a 15 meses, pré-candidatura própria à prefeitura de Paço. Temos  um nome e no momento certo os luminenses saberão quem é’’, afirma Ronald. 

2020 O coordenador do Grupo Independente de Paço do Lumiar, Ronald Abreu: ''Nem Gilberto, nem Bia. Estamos num caminho novo para Paço. Paço do Lumiar precisa se livrar de porras-loucas. Em 2020, com o aval do nosso partido, estaremos levando ao nosso povo, pela primeira vez na história do município, uma agenda social , de fato, séria e responsável. Paço sai da UTI a partir da próxima gestão''. 
Paço do Lumiar, que além dos grupos Aroso( liderados pelos ex-prefeitos Bia e Gilberto), teve , em passado recente, a  presença do grupo do também ex-prefeito Josemar Sobreiro no debate público local, flutua na insanidade governativa na atual gestão. Ronald Abreu aponta norte ao momento politico crítico vivenciado pela cidade. 


''Nem Gilberto, nem Bia. Estamos num caminho novo para Paço. Paço do Lumiar precisa se livrar de porras-loucas. Em 2020, com o aval do nosso partido, estaremos levando ao nosso povo, pela primeira vez na história do município, uma agenda social , de fato, séria e responsável. Paço sai da UTI a partir da próxima gestão'', apregoa o dirigente.

Argentina quer derrubar muralha islandesa em estreia na Copa


A Argentina estreia na Copa do Mundo da Rússia neste sábado (10h de Brasília), contra a Islândia, com a pressão de ser a favorita e a necessidade de derrubar a muralha defensiva que o pequeno país europeu erguerá para segurar Lionel Messi.

O astro do Barcelona será o ponto central de uma seleção argentina que dará início à campanha na Copa contra um adversário teoricamente mais fraco, uma faca de dois gumes que o técnico Jorge Sampaoli quer evitar a qualquer custo.

Não em vão, o técnico trabalha contra o relógio com a equipe para aperfeiçoar seu jogo.
Não em vão, o técnico trabalha contra o relógio com a equipe para aperfeiçoar seu jogo de posse de bola, superar as linhas de pressão do adversário e limitar as ações de bola parada, principal arma da Islândia.

"Trabalhamos muito pensando nesse adversário, como atacar e como defender. Com certeza teremos um jogo muito duro, eles se defendem muito bem, de maneira muito compacta", declarou Willy Caballero, que luta pela vaga de goleiro titular da Argentina.

"Precisamos ter paciência. Fazer a bola girar pelos lados para tentar encontrar espaço, para tentar aprofundar com velocidade. Acredito que vai ser um jogo muito travado, no qual vamos ter que controlar a ansiedade também", valorizou por sua vez o também goleiro Nahuel Guzmán.

jb
Edição ANB 
João José é herdeiro da tradição iniciada por seu pai, João Pimenta, falecido há 9 anos

Lançando uma toada para homenagear e preservar as tradições folclóricas do sotaque costa de mão, o bumba meu boi Amigo do Povo da Vila Conceição, do povoado de Tagipuru, na zona rural de São Luís, trará no retorno de suas apresentações uma letra cheia de recados à sociedade em defesa da permanência do ritmo na cultura maranhense.

A edição oficial do São João de Todos 2018 começa nesta sexta-feira (15), e um dos cantadores do boi Amigo do Povo da Vila Conceição, João José Alves Santos, de 50 anos, antecipa o que mostrará nos arraiais: “Vou mandar meu boi rolar com todo meu batalhão, é melhor você vir ver o sotaque costa de mão. Ele já chegou para mostrar o seu valor. Ano passado esse boi não brincou, mas esse ano o Governo nos chamou”, enfatiza parte da letra composta por ele.

João José é herdeiro da tradição iniciada por seu pai, João Pimenta, falecido há 9 anos. Quem passou a ficar à frente do bumba meu boi foi Nilzete Alves Santos, de 69 anos, viúva do João Pimenta e mãe de João José.

João José conta que teme o desaparecimento da tradição que o encanta desde os três anos de idade, quando já acompanhava o seu pai nas apresentações de rua.
Ela é que vem dando as coordenadas e mantendo o ânimo dos brincantes para encarar mais um ano de apresentação, evitando a extinção deste sotaque. “A brincadeira é algo muito importante que herdamos do meu marido. Sempre trabalhamos unidos para que a nossa tradição não fosse deixada de lado. Aqui, além da minha família, amigos e conterrâneos de Cururupu participam da festa”, comenta.

A luta travada por Nilzete e João José é somada às batalhas de outros donos de grupos de bumba meu boi que trazem o ritmo peculiar da região do Litoral Oriental maranhense. Para fortalecer a luta, o Governo do Maranhão, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e os próprios representantes da cultura no estado vêm realizando ações em prol da preservação da identidade do grupo folclórico.

João José conta que teme o desaparecimento da tradição que o encanta desde os três anos de idade, quando já acompanhava o seu pai nas apresentações de rua. Para ele, levar o nome do boi e do sotaque costa de mão aos arraiais e terreiros do Maranhão é mais que uma honra. É sentir a presença do pai nos festejos: “Eu tenho a imagem bem clara do meu pai brincando e de toda uma geração que valorizava o costa de mão e o período de São João”.

O Iphan reconheceu em 2011 o bumba meu boi como patrimônio cultural e imaterial brasileiro nos cinco sotaques (costa de mão, matraca, zabumba, orquestra e Pindaré). Uma das medidas adotada pelo Governo do Maranhão foi tirar o sotaque costa de mão do processo seletivo e colocá-lo diretamente no quadro de apresentações em todos os arraiais oficiais, onde estes grupos abrirão todas as noites a programação.

Renda extra

Além de bordar, montar e personalizar os próprios instrumentos do seu bumba boi, João José e sua mãe, Nilzete, confeccionam artefatos para atrair novos integrantes na atração e manter a cultura viva.

Postagens mais visitadas

Pesquisar em ANB

Nº de visitas

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 9164 10 67

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores

Parceiros ANB