sexta-feira, 30 de julho de 2021

Níveis críticos dos principais reservatórios ameaçam a capacidade energética do País a partir de novembro, mas o governo Bolsonaro insiste em negar a gravidade da situação. Crise vai provocar aumento da inflação e frear a retomada econômica

Enquanto o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) estima que o Brasil não terá reservas de energia a partir de novembro, alguns dos principais especialistas do setor são contundentes: o País pode conviver com apagões já em setembro — por causa da falta de planejamento e do negacionismo do governo de Jair Bolsonaro diante da crise hídrica mais grave em quase um século. “É provável que daqui a dois meses o sistema energético não dê conta da alta da demanda e comece a colapsar. Esse segundo semestre será difícil”, diz Adriano Pires, sócio-fundador do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE) e ex-diretor da Agência Nacional de Petróleo (ANP). É uma análise corroborada por Mauricio Tolmasquim, ex-presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). “Nós vamos chegar lá sem nenhuma margem. Qualquer necessidade adicional de energia não terá como ser suprida”, afirma. “A probabilidade de apagões, neste caso, é alta”, completa.

 

SEM ELETRICIDADE  Moradores recorrem às escadas em Brasília. 

Negacionismo

Havia, no entanto, medidas que poderiam evitar a situação dramática atual. Uma delas seria adiantar o chamado “racionamento econômico”, isto é, um aumento gradual nas tarifas de energia elétrica para controlar o consumo. Quando o governo decidiu ajustar o valor da conta de luz, em março, os reservatórios de hidrelétricas do Sudeste e do Centro-Oeste — responsáveis por 70% da distribuição brasileira — já estavam operando com apenas 30% da sua capacidade total. Hoje, esse número é de 26%, e a previsão do ONS é que eles cheguem a 10% em novembro, o que seria o pior nível da história do sistema. “Foi uma decisão tardia, porque só foi tomada quando a crise estava enorme”, afirma Pires. Uma segunda atitude que o governo poderia ter tomado seria realocar boa parte da produção energética do País para usinas térmicas que, apesar de mais custosas e poluentes — já que são movidas a combustíveis fósseis —, evitariam o esvaziamento acelerado das reservas hídricas. Isso poderia ser feito já no começo do ano, quando dados do ONS mostravam que o volume de chuvas sobre elas era o pior em 90 anos. A previsão foi confirmada em um relatório do órgão publicado neste mês, quando, enfim, se abriu uma chamada emergencial para contratar as térmicas. “Se isso tivesse sido planejado melhor, estaríamos em uma situação mais confortável agora. Teria sido mais caro, mas não chegaríamos a um ponto irreversível de não ter água para dar conta da demanda de energia”, explica Tolmasquim.

Para além dos erros técnicos, há ainda a postura negacionista ante a iminência de o País ficar parcialmente às escuras. Enquanto os especialistas alertam que a situação é crítica, o governo insiste em afastar o risco de apagão ou de rodízio do consumo de energia elétrica. No fim de junho, por exemplo, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, apareceu em rede nacional negando qualquer possibilidade de racionamento em 2021. “Quem está dentro do setor sabe que não é assim. A população não está sendo informada como deveria”, opina Tolmasquim. “O governo demorou a avisar as pessoas. Um tom alarmista não é necessário, mas também falta uma comunicação mais clara do momento dramático que poderemos viver em breve”, completa Adriano Pires. O negacionismo de Bolsonaro e seus ministros se explica não apenas pelo temor de que a crise energética prejudique a retomada econômica, sua aposta para alavancar a popularidade, mas principalmente pelo fantasma da crise de 2001. Naquele ano, às vésperas da eleição presidencial, o governo Fernando Henrique Cardoso precisou impor um racionamento de energia que durou sete meses, e que não foi suficiente para impedir interrupções no fornecimento por todo o País até fevereiro de 2002. “Uma crise hídrica depende sempre de uma gestão federal. 

Na época do FHC, essa questão não era tão conflituosa como é agora. Ou seja: dessa vez não há como culpar administrações de outras instâncias. É responsabilidade do presidente”, analisa a cientista política Graziella Testa, da Fundação Getúlio Vargas (FGV-DF).

As projeções pessimistas de colapso energético neste segundo semestre também se amparam na necessidade de uma retomada econômica ainda em 2021. Para que ela aconteça, porém, grandes consumidores de eletricidade, como o setor industrial, vão demandar mais do sistema, que não terá como atendê-los. A estimativa do ONS é que esse aumento seja de 4,6% neste ano. Para os especialistas, a crise energética atual vai frear essa recuperação. “As previsões de crescimento de até 5% do PIB feitas pelos bancos não vão se concretizar. Não teremos energia para sustentar esse crescimento”, diz Adriano Pires. “As falhas de distribuição devem acontecer justamente quando essa demanda aumentar, em consonância com os picos de consumo das residências”, concorda Tolmasquim. A luz mais cara ainda pressiona a inflação, que não deve ficar abaixo dos 7%, segundo a consultoria LCA. O governo esconde a gravidade da situação para não se prejudicar no próximo pleito, mas pode estar criando um desastre eleitoral para ele mesmo em 2022.


VINÍCIUS MENDES

EDIÇAO DE ANB

Um comentário:

  1. Quer dizer que a culpa é do Bolsonaro... Eu poderia jurar que o planejamento da matriz energética de um país fosse feito com anos de antecedência e não em dois anos e meio, especialmente se nesses 2,5 anos de governo um ano e meio tiver sido dedicado a administração de uma pandemia sem precedentes no país e a recuperação econômica de um país que já tinha uns 14 milhões de desempregados. Lula, no lugar de construir hidreléricas na Nicarágua, poderia tê-las feito no Brasil. Não teria sido ótimo ?

    ResponderExcluir

Postagens mais visitadas

Pesquisar em ANB

Nº de visitas

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações: agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com

Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores

Parceiros ANB