quinta-feira, 5 de janeiro de 2017
Prefeito Domingos Dutra se reuniu com feirantes e garantiu melhorias na feira do Maiobão

O prefeito Domingos Dutra (PCdoB), se reuniu nesta quarta (4), com feirantes de Paço do Lumiar para ouvir suas reivindicações e garantir aos mesmos melhorias na feira do Maiobão.


O prefeito adiantou que o comércio ali praticado ganhará  maior organização objetivando atrair  mais clientes. As inadequações das barracas e a falta de organização do  trânsito no local também foram apontados como ‘dificuldade’ para quem quer ter acesso à feira, pelo prefeito. 

O prefeito Domingos Dutra (PCdoB), se reuniu nesta quarta (4), com feirantes de Paço do Lumiar para ouvir suas reivindicações e garantir aos mesmos melhorias na feira do Maiobão.
Dutra frisou ainda que estudos já estão sendo realizados para que medidas de acessibilidade sejam implementadas no perímetro, com o objetivo de garantir acesso livre para quem frequenta a feira, diariamente. 


Ele ainda destacou que o esforço de sua gestão será para até dezembro de 2017 entregar o Horto Mercado aos luminenses. A reunião contou com a presença de diversas lideranças ligadas ao comércio de Paço, além dos feirantes e donas de casa. 


COM INFORMAÇÕES DO BLOG DO RILTON


Cavalo comove família de vaqueiro morto ao 'se despedir' do dono na PB

Levado para velório, cavalo reclinou a cabeça no caixão, em Cajazeiras.
Irmão do vaqueiro morto disse que vai cuidar e manter o cavalo na família. 

Um cavalo comoveu a família e os amigos do vaqueiro paraibano Wagner Figueiredo de Lima, que morreu em um acidente de moto na madrugada do dia 1º de janeiro. O animal foi levado para se despedir do dono - e ao ser colocado próximo ao veículo onde estava o corpo, deitou a cabeça sobre o caixão, um momento que chamou a atenção de todos que foram ao velório de Wagner de Lima. O enterro do vaqueiro aconteceu na tarde desta terça-feira (3) na cidade de Cajazeiras, Sertão da Paraíba

Levado para o cortejo pelo irmão do vaqueiro, cavalo relinchava, batia as patas e deitou a cabeça sobre o caixão do dono (Foto: Kyioshi Abreu/ Arquivo Pessoal)
Com a morte do irmão, Wando disse que vai assumir a responsabilidade de manter e cuidar de "Sereno".
“Esse cavalo era tudo para ele [Wagner], era como se o cavalo soubesse o que estava acontecendo e quisesse se despedir. Durante todo o trajeto até o cemitério ele relinchava e batia com as patas no chão”, disse Wando de Lima, irmão de Wagner. Wando teve a ideia de levar o cavalo para o enterro do irmão e organizou as homenagens junto com outros vaqueiros e amigos de Wagner.

Com a morte do irmão, Wando disse que vai assumir a responsabilidade de manter e cuidar de "Sereno". 

Segundo ele, o cavalo, que já estava há oito anos com Wagner vai ficar "para sempre" com a família.

Wagner de Lima Figueiredo tinha 34 anos e além de vaqueiro era funcionário da Prefeitura de Cajazeiras, no sertão da Paraíba. Wagner morreu na madrugada do dia 1º em um acidente de moto no estado do Rio Grande do Norte. Ele estava sozinho na motocicleta no momento do acidente e chegou a ser socorrido para um hospital da cidade de Mossoró, onde passou por cirurgia, mas morreu.

AS INFORMAÇÕES SÃO DO G1PB

EDIÇÃO DA AGÊNCIA BALUARTE

Assaltante de banco se explode acidentalmente com banana de dinamite em Turilândia

Um assaltante se explodiu acidentalmente com uma banana de dinamite no povoado Vila da Paz na cidade de Turilândia.  O homem que carregava nas costas uma mochila com os explosivos ficou partido ao meio. 

band
PARTIDO AO MEIO Até o momento o nome e lugar de origem do homem ainda não foi descoberto.
De acordo com informações a Policia Militar da cidade de Santa Helena, o homem fazia parte de uma quadrilha de assaltantes de bancos, e os explosivos seriam usados no assalto de uma Agencia  Bancaria na cidade de Turiaçu.

Até o momento o nome e lugar de origem do homem ainda não foi descoberto. A imagem acima chocou os maranhenses. 

AS INFORMAÇÕES SÃO DO BLOG D VANDOVAL
EDIÇÃO DA AGÊNCIA BALUARTE 

Câmara aprovou  primeiras medidas da gestão Luís Fernando

A Câmara Municipal de São José de Ribamar aprovou, em sessão extraordinária na tarde desta terça-feira (03), matérias do Executivo Municipal. Nas duas sessões realizadas, segunda e terça-feira, atendendo à convocação feita pelo prefeito Luis Fernando Silva (PSDB), os vereadores ribamarenses aprovaram por unanimidade os cinco projetos encaminhados. 

foto1_luis-fernando-com-os-vereadores-encaminhado-os-projetos-para-a-camara
NO RUMO DO DESENVOLVIMENTO A Câmara Municipal de São José de Ribamar aprovou, em sessão extraordinária na tarde desta terça-feira (03), matérias do Executivo Municipal.
As matérias aprovadas pela Câmara são parte do conjunto de dez medidas anunciadas pelo prefeito no primeiro dia da sua gestão. As cinco mensagens dispõem respectivamente sobre a reinstituição do Projeto Meninos do Santuário, sobre a instituição do Projeto Voluntariado Municipal, dispõe sobre o Programa de Recuperação de Créditos Fiscais (PREFIS), fixa novo salário mínimo para os servidores públicos e reorganiza a estrutura da administração direta do Município.

Na nova gestão o Executivo funcionará com as seguintes pastas: Secretaria Municipal de Planejamento, Administração e Finanças (SEMPAF), Secretaria Municipal da Receita e Fiscalização Urbanística (SEMREC), Secretaria Municipal de Transporte Coletivo, Trânsito e Defesa Social (SEMTRANS), Secretaria Municipal de Educação (SEMED), Secretaria Municipal de Saúde (SEMUS), Secretaria Municipal de Assistência Social, Trabalho e Renda (SEMAS), Secretaria Municipal do Ambiente (SEMAM), Secretaria Municipal de Turismo, Cultura, Esporte e Lazer (SEMTUR), Secretaria Municipal da Juventude (SEMJUV), Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento (SEMAGRI), Secretaria Municipal de Regularização Fundiária e Cidadania (SEMREF), Secretaria Municipal de Obras, Habitação, Serviços Públicos e Urbanismo (SEMOSP), Secretaria Municipal de Recuperação e Manutenção da Malha Viária, Prédios e Logradouros Públicos (SEMMAV).

Resultado de imagem para beto das vilas
O presidente da Câmara, Beto das Vilas: ''A aprovação dessas medidas é essencial para que o prefeito possa iniciar imediatamente o trabalho no município. A população espera por melhorias em todas as áreas. A volta de projetos importantes como Meninos do Santuário e Voluntariado mostram o interesse da nova administração em colocar o município no rumo do desenvolvimento''.
Para o prefeito Luis Fernando, a aprovação dos projetos foi de suma importância para o funcionamento das políticas públicas na nova administração. “Além da reforma administrativa aprovada, imprescindível para o bom funcionamento da gestão, os projetos da área social (Voluntariado Municipal e Meninos do Santuário) influenciam diretamente no resgate da autoestima do ribamarense. São projetos que dignificam as pessoas e valorizam os esforços de reconstruirmos uma cidade melhor para todos”, disse.

Na mesma linha de raciocínio avaliou o presidente da Câmara, Beto das Vilas: “A aprovação dessas medidas é essencial para que o prefeito possa iniciar imediatamente o trabalho no município. A população espera por melhorias em todas as áreas. A volta de projetos importantes como Meninos do Santuário e Voluntariado mostram o interesse da nova administração em colocar o município no rumo do desenvolvimento”.

“Por outro lado, o projeto que fixa o novo salário mínimo e o que dispõe sobre PREFIS contribuem diretamente para a recuperação da nossa economia, ajudando no enfrentamento à crise econômica que o país vive atualmente”, complementou o prefeito Luis Fernando.

Uma longa lista de desejos

Resultado de imagem para alberto dines  jornalista
Por Alberto Dines
Vai ser difícil esquecer 2016 pelas péssimas memórias, a corrupção lavando à Jato, os populismos de esquerda ou de direita espalhados pelo mundo , Turquia, Polônia, Hungria de um lado, Venezuela, Cuba de outro — e passando por aqui.
Já que estamos em 2017, para o jornalismo temos muito a desejar. A lista é longa:


Que a cultura ocupe mais espaço na mídia que a economia.
 

Que a economia ganhe mais espaço que a política.
 

Que as manchetes de política não sejam sinônimo de corrupção.
 

Que a corrupção não conste de todas as matérias da rubrica política.
 

Que os jornais de TV e rádio se dissociem da cobertura policial ,sangue , assassinatos, estupros.
 
Que a cobertura do Rio de Janeiro fique distante da violência e que da paisagem da Cidade Maravilhosa não constem fuzis, barricadas, coletes anti-balas.

Resultado de imagem para imprensa

Que o pastor e prefeito eleito do Rio, Marcelo Crivella, troque os votos que fez em seu discurso de posse de, “em vez de qualquer acusação de jornal, uma oração em favor da vida humana…”, para “que continuem as acusações de jornal em favor da vida humana”.
 

Que a mídia nos presenteie com artigos, matérias e notícias que façam pensar, refletir, produzir, substituindo a atual obsessão por corrupção, violência , desemprego.
 

Que a sociedade brasileira refletida na mídia não nos deprima ou nos afaste tanto do comportamento das sociedades do Primeiro Mundo, e que não nos envergonhe com deslumbramentos, mesquinharias, ignorâncias.
 

Que os profissionais que cobrem cultura no rádio e TV aprendam a pronúncia francesa e não poluam nossos ouvidos pronunciando qualquer idioma com sotaque fajuta aprendido nos filmes americanos.
 

Que ao ler ou ouvir notícias, o brasileiro recupere o orgulho de ser cidadão.
 

Que possamos elogiar ao menos uma medida publicada entre as adotadas por um governante, seja ele quem for.
 

Que as redes sociais não confundam, chutem ou enrolem tanto.
 

Que a imprensa brasileira seja bem escrita e ilustrada, e dê prazer em ler e ver.
 

Que surjam mais Piauís ou que, pelo menos, a já existente não  desapareça.
 

Que as páginas de cultura tratem de cultura e não de blockbusters.
 

Que a educação seja prioridade dos governos para leitores, ouvintes. Que os inventivos criadores de blogs não assassinem a língua portuguesa solapada por asaps, memora, xos, spoilers; que desenvolvam capacidade crítica e não embarquem nos populismos de um lado ou do outro.
 

Que a imprensa de papel sobreviva junto com a virtual, assim como o papel e a caneta Bic.
 

Que o essencial seja o conteúdo e não o suporte.
 

Que o pensamento mágico não se destrua por falta de alimento da mídia.
 

Que assim seja 2017 no jornalismo.

Alberto Dines é jornalista, escritor e cofundador do Observatório da Imprensa

Tentativa de assalto termina com um morto e dois feridos em São José de Ribamar

Dois criminosos iriam tentar assaltar uma lanchonete no Rio São João.
Um homem reagiu e baleou suspeitos; na troca de tiros um cliente morreu. 

Uma pessoa morreu e outras duas ficaram feridas durante uma tentativa de assalto a uma lanchonete, no começo da noite desta quarta-feira (4), no Rio São João, em São José de Ribamar.

O comandante do 13º Batalhão da Polícia Militar (BPM), o coronel Alexandre Santos, afirmou que os criminosos chegaram em uma motocicleta e anunciaram o crime. Um homem teria reagido  e baleado os bandidos. Na troca de tiros, uma terceira pessoa acabou morrendo ao ser alvejada.


Resultado de imagem para Tentativa de assalto termina com um morto e dois feridos em São José de Ribamar

Uma pessoa morreu e outras duas ficaram feridas durante uma tentativa de assalto a uma lanchonete.

"Não sabemos quem foi o autor dos disparos, pois o mesmo se evadiu após o  incidente. Sabemos apenas que foi uma tentativa de assalto que terminou com um dos bandidos no hospital" afirmou o comandante.

Um dos criminosos, mesmo ferido conseguiu fugir do local. O outro foi detido pela Polícia Militar e encaminhado para o Hospital Municipal Clementino Moura (Socorrão 2), na Cidade Operária, em São Luís. A identidade do homem que morreu ainda não foi divulgada. Ele seria um morador do Píndai.


AS INFORMAÇÕES SÃO DO G1MA
EDIÇÃO DE ANB ONLINE

De mãos atadas, Temer debate estratégia para caos penitenciário

Presidente não comentou massacre em presídio de Manaus. Estados temem onda de rebeliões em cadeias.


Enterro de um dos 56 corpos de presos assassinados em Manaus.
O ministro da Defesa, Raul Jungmann, diz que o massacre de 56 presos em Manaus era um “desastre anunciado”. O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, por sua vez, afirma que o sistema prisional é um “barril de pólvora” que existe há décadas no Brasil. E o presidente Michel Temer nada fala sobre o assunto. Apesar dos diagnósticos apresentados por alguns de seus auxiliares, o chefe do Executivo até agora se calou publicamente diante da maior chacina brasileira desde o massacre do Carandiru, no ano de 1992. Os 111 assassinatos na penitenciária paulista naquele ano resultaram na criação da maior facção criminosa do país, o Primeiro Comando da Capital (PCC) – grupo esse que agora foi vítima da chacina amazonense.


Pressionado, só nesta quinta-feira, três dias após o massacre manauara, o presidente pretende reunir ministros do núcleo de segurança (Justiça, Defesa, Gabinete de Segurança Institucional, Advocacia-Geral da União e Transparência) para debater algumas soluções para o problema penitenciário brasileiro. Desde que assumiu a presidência, em maio passado, ele encomendou um Plano Nacional de Segurança, mas até agora ele não foi apresentado – a promessa é que esteja pronto até o fim deste mês. A estratégia de comunicação da gestão peemedebista até o momento era de não trazer para si uma responsabilidade que é dos Estados (a segurança penitenciária) e de minimizar a guerra entre facções como o motivo para as mortes _ por trás das mortes em Manaus está o fim do pacto de convivência entre o PCC e a maior facção criminosa do Rio, o Comando Vermelho. A razão para o silêncio presidencial, no entanto, não é só o temor de abraçar um problema alheio. Faltam recursos públicos para sanar o problema e estratégias unificadas para evitar novas rebeliões.


Um levantamento feito pelo jornal Folha de S. Paulo mostrou que nos últimos dois anos, o governo federal reduziu em 85% o valor que repassava para os Estados dentro do programa para construção de novos presídios. Na semana passada, antes das mortes no Amazonas, a gestão Temer anunciou que liberaria 1,2 bilhões para todos os Estados brasileiros construírem ao menos duas penitenciárias cada um. O objetivo dos novos empreendimentos é diminuir a superlotação carcerária, mas especialistas repetem que será  mais estratégia inócua enquanto não forem atacados os motivos de fundo das detenções em massa. O último censo penitenciário, de 2014, mostra que há 622.000 detentos nas cadeias brasileiras, onde deveriam estar no máximo 372.000.


Além do excesso de presos, as mortes ocorridas nos primeiros dois dias deste ano trouxeram uma grande preocupação para o Governo: a possibilidade de que uma onda de rebeliões ocorra em outros presídios pelo país e que o PCC retalie os ataques que sofreu da facção Família do Norte, tida como aliada do Comando Vermelho. Em regiões onde a FDN não atua, como o Centro-Oeste, Sul e Sudeste, há o temor de que o PCC queira apenas se reafirmar como o suposto “líder das prisões”.


Setores de inteligência do Ministério da Justiça se comunicaram com representantes das 27 unidades da federação para aumentar o monitoramento dos presídios e, se necessário, reforçar a segurança para evitar novos motins. Ainda assim, nesta quarta-feira um princípio de rebelião em uma penitenciária de Patos, no sertão da Paraíba, resultou na morte de dois detentos. As razões do motim ainda estão sendo apuradas.


O receio de um aumento na violência prisional atinge inclusive grupos de detentos. Em uma prisão de Dourados, no Mato Grosso do Sul, presos iniciaram uma rebelião porque disseram ter visto um drone sobrevoando o pátio do presídio e lançado um pacote. De acordo com agentes prisionais, a suspeita é que armas teriam sido deixadas para detentos e seus rivais denunciaram o delito. “Depois de Manaus, todo mundo está paranoico por aqui. É um inimigo denunciando o outro. Acham que a qualquer momento alguém pode começar uma carnificina”, afirmou um agente penitenciário de Dourados.


O caos penitenciário e o barril de pólvora, como disse Moraes, de fato não é novo. Ano após ano relatórios de instituições públicas e de organizações não governamentais e demonstraram uma série de riscos. A Humans Right Watch, por exemplo, reforçou nesta quarta-feira, algumas das preocupações que as ONGs do setor têm. Em um comunicado à imprensa, a instituição pediu que o Governo brasileiro retome o controle de seu sistema prisional. “O fracasso absoluto do Estado nesse sentido viola os direitos dos presos e é um presente nas mãos das facções criminosas, que usam as prisões para recrutar seus integrantes”, afirmou a diretora da HRW no Brasil, Maria Laura Canineu.


Especificamente no caso de Manaus, o ministro Moraes replicou na esfera federal uma estratégia que a gestão de São Paulo usa há anos, a de minimizar a ação das facções criminosas. Na administração paulista, onde o hoje ministro foi secretário de Segurança, é comum as autoridades evitarem atribuir um ato ou outro ao PCC. Desde que passou a falar sobre a questão amazonense, o ministro diz que apenas a guerra de facções não explica a tragédia da penitenciária, ainda que documento oficial de dezembro elaborado por um órgão agora vinculado ao Ministério da Justiça alertasse explicitamente para a tensão entre grupos criminosos no Estado e criticasse a atitude "omissa" da administração estadual.


Governo do Amazonas sob pressão


Como porta-voz do Governo, o ministro da Justiça aumentou nesta quarta-feira a pressão sobre o governador Governo José Melo (PROS). Afirmou que as autoridades do Amazonas já sabiam, antes do massacre, da possibilidade de uma fuga em massa dos presídios do Estado. A segurança foi reforçada, mas não foi capaz de evitar que quase duas centenas de pessoas fugissem. “Há relatos de que a secretaria de Segurança tinha informações de que poderia ocorrer uma fuga entre o Natal e o Ano Novo. Exatamente por isso, segundo as autoridades locais, foi reforçada a segurança local e eles passaram a monitorar o dia a dia”, disse Moraes.


Mesmo com esse risco de fuga, a festa de fim de ano da penitenciária não foi suspensa. Membros do Executivo local dizem que ela já era uma tradição e, por essa razão, não poderia deixar de ocorrer. Em entrevista à rádio CBN, José Melo disse que não havia "santos" entre os mortos. “Não tinha nenhum santo. Eram estupradores, matadores (...) e pessoas ligadas a outra facção, que e minoria aqui no Estado do Amazonas”, afirmou.


Não é a primeira vez que a administração de Melo se vê confrontada por suspeitas ligadas ao presídios do Estado. Em outubro de 2014, um diálogo gravado entre o então secretário de Justiça do Governo de Melo, major Carliomar Brandão, e um traficante tratava do apoio da facção Família do Norte à reeleição do governador. Os presos prometeram 100.000 votos para ele, caso ele não prejudicasse o grupo criminoso. Melo, que nega qualquer ligação com o grupo, foi reeleito _e a investigação da Polícia Federal não avançou. Em 2015, foi a Polícia Federal quem relatou encontro entre o então secretário de Administração Penitenciária do Estado, o coronel reformado Louisimar Bonates, com um grande chefe da FDN para negociar uma trégua. Os planos da Família do Norte foram frustrados, então, por uma operação da PF para atacar o esquema de tráfico internacional da facção. Bonates pediria demissão "por motivos pessoais" dias depois.



AS INFORMAÇÕES SÃO DO REPÓRTER AFONSO BENITES, DO EL PAÍS

EDIÇÃO DA AGÊNCIA BALUARTE



Nº de visitas

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 9164 10 67

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores

Parceiros ANB