domingo, 1 de janeiro de 2017


Raimundo Pires é o novo comandante da Guarda Civil Municipal de São José de Ribamar
Quatro novas viaturas reforçarão o trabalho da corporação.
  
O comando da Guarda Civil Municipal (GCM) de São José de Ribamar passa a ser exercido pelo servidor de carreira, Raimundo Pires, a partir do dia 1º de Janeiro de 2017.

Pires foi convocado para a Guarda há 10 anos. Nos últimos anos, ele vinha sendo o presidente da Associação dos Guardas Ribamarenses. 

A imagem pode conter: 1 pessoa
Raimundo Pires é o novo comandante da Guarda Civil Municipal de São José de Ribamar
O novo comandante classificou como 'honra' a nomeação pelo prefeito municipal. Ele será , ao lado do  secretário de Segurança Municipal, Coronel Araújo, um dos responsáveis diretos pelas medidas de segurança a serem implementadas na cidade.

''Melhor ainda com o aval do prefeito Luis Fernando, e fazer parte também da sua admiração nos dará uma segurança maior à frente da corporação'', disse Raimundo Pires.

AS INFORMAÇÕES SÃO DO FOLHA RIBAMAR
REVISÃO E EDIÇÃO DA AGÊNCIA BALUARTE

Denúncia contra professora da UFABC faz lembrar tempos de caça às bruxas nos EUA

Macartismo sai do sarcófago para assombrar a UFABC. Denúncia contra professora universitária, acusada de ter “ideias de esquerda”, traz à lembrança os tempos sombrios da “caça às bruxas” nos Estados Unidos.


Por Igor Fuser


Na contramão de todas as evidências, ainda existe muita gente que, honestamente, considera um exagero denunciar a existência de uma escalada autoritária ou fascista no Brasil do pós-golpe.


A nota aqui reproduzida é apenas um exemplo – um, entre centenas de casos, muitos deles bem mais graves – do ambiente repressivo que, pouco a pouco, sorrateiramente, vai se instalando em todas as esferas da vida brasileira.

macartismo direita ufabc professora

Trata-se da manifestação da corregedoria da Universidade Federal do ABC, com data de 31/10/2016, rejeitando (felizmente!) uma delação anônima contra uma professora do curso de Filosofia, denunciada por ministrar um curso intitulado “Pensamento marxista e seus desdobramentos contemporâneos”.


É inacreditável! Se Karl Marx é considerado, por absoluto consenso entre os estudiosos desse campo do conhecimento, um dos filósofos mais importantes de todos os tempos, como é que alguém pode se formar em Filosofia sem conhecer o marxismo?


A denúncia contra essa docente, acusada de ter ideias de esquerda (como se isso fosse uma “acusação” a ser levada a sério!), traz à lembrança os tempos sombrios da “caça às bruxas” nos Estados Unidos do macartismo – o fascismo à moda gringa, que entrou para a história como símbolo da intolerância, do preconceito e da (pura e simples) burrice.


O macartismo (em inglês, McCarthysm) foi uma patologia política típica da Guerra Fria. Seu auge ocorreu no período de 1950 a 1957. De acordo com a wikipedia, esse “é um termo que se refere à prática de acusar alguém de subversão ou traição sem respeito pelas evidências”. Origina-se da campanha anticomunista promovida pelo senador Joseph McCarthy, do Partido Republicano, quando milhares de cidadãos dos EUA foram acusados, sem mais nem menos, de serem comunistas ou até mesmo espiões a serviço da União Soviética.


Por conta do macartismo, muitas pessoas, conforme relata o Wikipedia, perderam seus empregos ou tiveram suas carreiras destruídas, e muitas foram presas. A maioria das punições foram baseadas em julgamentos que, mais tarde, foram anulados – como certamente serão anuladas, no futuro, todas ou quase todas as sentenças arbitrárias do “juiz” Sérgio Moro na Operação Lava-Jato.


O senador McCarthy e seus capitães-do-mato, assim como o verdadeiro circo que caracterizava as audiências da “caça às bruxas”, se tornaram objeto de um ridículo que se reproduz pelas gerações. Mas o sofrimento das vítimas do macartismo foi concreto, assim como os efeitos nefastos para a prática da democracia.


Não podemos deixar que, seis décadas depois, essa página infeliz da história da humanidade se repita aqui no Brasil.



Igor Fuser é professor de Relações Internacionais da UFABC
Luis Fernando destacou 10 medidas para o início da reconstrução de São José Ribamar
O prefeito eleito de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva (PSDB), anunciou hoje (1º), ao tomar posse, um pacote de dez medidas iniciais que objetivam a recolocação da cidade no trilho do desenvolvimento social e econômico.

O prefeito eleito de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva (PSDB), anunciou hoje (1º), ao tomar posse, um pacote de dez medidas iniciais que objetivam a recolocação da cidade no trilho do desenvolvimento social e econômico.
Entre as dez medidas, Luis Fernando destacou a imediata “retomada dos serviços de limpeza e iluminação pública e tapa buracos, no primeiro dia da administração, e procedimentos para reinício das obras de escolas e unidades de educação que estão paralisadas, inclusive do Liceu Ribamarense III”. (Confira demais medidas no infográfico em anexo).

“Às oito horas da manhã deste domingo estaremos na Praia de Banho iniciando o mutirão de limpeza e iluminação pública que será estendido para todas as regiões do município e fiscalizando os serviços de recuperação das principais avenidas em diversos bairros das regiões administrativas, serviços estes que contemplam desde revestimento primário a tapa buraco com pavimentação asfáltica”, anunciou.

Ainda na manhã de ontem (31), Luis Fernando, Eudes Sampaio, alguns vereadores, entre eles, Lázaro (PV), Valdo Coelho (PHS) e Negão (PDT) participaram de um culto ecumênico realizado na quadra da escola Patronato.

10 medidas para o início da reconstrução de São José Ribamar
Luis Fernando foi o primeiro prefeito eleito do Maranhão a ser empossado no Estado. Eleito com 96,17% votos, o tucano tomou posse na quadra da escola Patronato, na sede da cidade, em solenidade realizada pela Câmara Municipal.

Na concorrida solenidade iniciada nos primeiros minutos de 2017, tomaram posse ainda o vice-prefeito, Eudes Sampaio (PTB), e os vereadores, também eleitos em outubro. O vereador Beto das Vilas (PV) foi reconduzido para presidência da Câmara.

No seu discurso de posse, Luis Fernando anunciou uma série de medidas visando à reconstrução do município, que sofreu flagrante retrocesso nos últimos seis anos.
Ele fez um breve relato da situação atual, ressaltando a triste realidade das vias públicas ribamarenses, totalmente destruídas, além de outros serviços públicos.

Propaganda do MEC esconde erros e omissões da reforma do ensino médio

Governo Temer usa pesquisa equivocada para mascarar lacunas da mudança imposta por Medida Provisória

Uma nova propaganda do Ministério da Educação, veiculada em canais de rádio e televisão, apresenta a reforma do ensino médio como uma proposta aprovada pelos jovens secundaristas, quando conhecem as mudanças e, ainda, por 72% dos brasileiros, segundo pesquisa do Ibope, encomendada pelo governo.

O levantamento foi feito em resposta às críticas feitas à Medida Provisória 746, que impõe as alterações, como admitiu o próprio MEC, em nota divulgada pela assessoria de imprensa. O Ibope entrevistou 1200 brasileiros em todo o território nacional, entre 30 de outubro e 6 de novembro.
A pergunta feita aos participantes da amostragem foi: "O senhor é a favor ou contra a reformulação do ensino médio que, em linhas gerais, propõe ampliação do número de escolas de ensino médio em tempo integral, permite que o aluno escolha entre o ensino regular e o profissionalizante, define as matérias que são obrigatórias, entre outras ações?".

A formulação desta pergunta esconde uma discussão muito mais complexa e que preocupa especialistas que atuam diretamente na discussão de políticas públicas para o setor, um deles é o professor Cesar Callegari, Diretor da Faculdade Sesi de Educação, e membro do Conselho Nacional de Educação.

"É fantasioso imaginar que todas as escolas de ensino médio serão também escolas de formação profissional", diz educador
A primeira questão levantada pelo sociólogo, que também é Presidente da Comissão de Elaboração da Base Nacional Curricular Comum (BNCC) e Relator da Comissão de Formação de Professores, dentro do Conselho Nacional de Educação, é que pontos considerados até que positivos na reforma, como a flexibilização do currículo, não precisariam de uma Medida Provisória e nem de alguma lei para serem implantadas, pois a legislação vigente já permitiria.

O governo argumenta, entretanto, que a legislação foi feita por MP para induzir as mudanças nos sistemas de ensino estaduais. "A única coisa, talvez, que precisaria de Medida Provisória, para dar base a recursos orçamentários, é a questão do tempo integral. A Medida Provisória poderia ser só isso, como vários governos nos últimos anos já se utilizaram, para dar suporte a programas como o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa", pontua Callegari.

Acompanhe a seguir, como o educador avalia os principais pontos da MP:

Ensino profissionalizante

Com a MP, a partir da última metade do ensino médio o estudante vai poder escolher se aprofundar entre quatro áreas de conhecimento: linguagens, matemática, ciências da natureza e ciências humanas, ou ainda, optar por fazer ensino técnico profissionalizante.

"Eu defendo uma aproximação da escola com o mundo do trabalho, não digo do mercado. Mas é fantasioso imaginar que todas as escolas de ensino médio no Brasil serão também escolas de formação profissional. O que essas escolas podem fazer é uma articulação curricular com instituições públicas, ou não públicas, que atuam na atividade de educação profissional. Quem entende a questão da educação profissional, sabe que uma improvisação, feita de qualquer maneira dentro de uma escola pública do ensino médio, não dará certo, lembrando que boa parte delas nem se sustentam hoje sobre suas próprias pernas, diante da enorme carência de recursos, sejam humanos, técnicos ou financeiros".

Escola em tempo integral

"A grande questão que sempre está posta é que a educação em tempo integral seja feita com uma educação de boa qualidade, que tenha significado para os estudantes, que as escolas não sejam transformadas em uma espécie de colégio interno. Toda a educação de má qualidade favorece a evasão e, portanto, se a educação em tempo integral for de boa qualidade, vai favorecer a fixação do aluno".

Ensino noturno

"A MP não traz nada a respeito do ensino noturno, que é mais precário do que o ensino diurno hoje. Ele não deveria existir, mas é necessário porque em muitas redes não há vaga para todo mundo durante o dia, não é só porque o aluno trabalha. É evidente que, ao tratar apenas do tempo integral, a MP está deixando de lado o ensino noturno que continuará sendo uma espécie de patinho feio da educação média brasileira (em termos de qualidade)".

Flexibilização do currículo

No modelo atual, se o estudante quiser cursar formação técnica de nível médio, precisa cursar 2400 horas do ensino médio regular, e mais 1200 do técnico. O governo alterar essa proposta e, a partir da metade do ensino médio, o estudante poderá optar por um curso profissionalizante.

"A flexibilização, de maneira geral, é positiva, mas não precisaria de uma Medida Provisória. Já existem leis que permitem que os sistemas de ensino possam organizar currículos de maneira inovadora e flexível. O que é gravíssimo é reduzir (o programa curricular que será aplicado aos alunos) às quatro paredes de um microfundio de 1200 horas. Na prática, os direitos de aprendizagem do aluno brasileiro médio estão reduzidos àquilo que couber nas 1200 horas, portanto metade do tempo do Ensino Médio (2400). O que considero como um erro gravíssimo que nós vamos precisar corrigir. Se isso não for mudado pelo Congresso, vamos ter de fato um problema de amesquinhamento dos direitos de aprendizagem dos jovens. Estamos (governo) fazendo essa redução, talvez, para atender às necessidades dos secretários estaduais de educação, que estão às voltas com às muitas dificuldades financeiras de não poder atender em número de professores, laboratórios, com muitas escolas caindo aos pedaços".

Definição de currículo por MP

"Quem deve definir currículo é o Conselho Nacional de Educação, e conselhos nacionais, articulados com os sistemas educacionais, com secretários de educação. Acho que não é adequado que a organização curricular seja fixada por lei, engessa e tira a autonomia do sistema de ensino, e o que nós precisamos ter, a exemplo da Base Nacional Curricular Comum, é um conjunto de referências e outras coisas mais gerais que precisam existir, como é o caso da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), que dispõe sobre o conjunto da educação brasileira, mas não de maneira curricular".

Base Nacional Curricular

"O governo está cometendo uma confusão muito grande no texto da Medida Provisória, entendendo Base Nacional Curricular Comum (BNCC) com o currículo. Uma coisa difere da outra. O currículo leva em consideração tempo, professor, estratégia de localização, tipo de material didático, perfil do aluno. É uma arquitetura e engenharia que você formula em uma certa escola para dar consecução a um certo projeto educacional. Agora, Base Nacional Curricular Comum é um conjunto de referências no que diz respeito aos direitos de aprendizagem, que é fixado numa norma nacional e tem que ser levada em consideração pelas escolas, redes e sistemas de ensino. Não é ela que estabelece o currículo a ponto de dizer: olha, no ano 1, será ensinada tal matéria, da página dois etc. Ela não é prescritiva nesses detalhes, é apenas um conjunto de referências muito importantes. E o próprio governo está fazendo essa confusão ao estabelecer essa métrica taylorista".

Matérias optativas

Logo quando lançou a MP, o governo estabeleceu que as matérias artes, educação física sociologia e filosofia passariam a ser optativas. Pouco tempo depois, ainda em setembro, o governo voltou atrás, afirmando que o conselho que discute a BNCC é que irá decidir. Callegari é o autor da Lei nº 11.684/2008, que tornou filosofia e sociologia disciplinas obrigatórias no ensino médio.
"Naquela época (quando a lei foi aprovada) as pessoas que tinham visão mais à direita no Brasil chegaram a dizer que com isso nós íamos ‘colocar muita minhoca na cabeça dos estudantes do ensino médio’ e que isso era coisa de esquerdista. Filosofia e sociologia admitem inúmeras abordagens, mas são, antes de mais nada, um avanço no sentido de uma educação mais humanista e democrática. Essas matérias sempre foram vistas como um risco para a ideologia mais à direita no Brasil, portanto elas têm sido – e já foram no passado – vítimas preferenciais desses movimentos. Além disso, o problema da educação no Brasil não está no número de disciplinas, mas na falta de articulação entre elas, por exemplo, matemática não dialoga com física ou química, e assim por diante".

As informações são da repórter Lilian Milena, do GGN
Edição da Agência Baluarte

Prefeito pôs equipes nas ruas da cidade nas primeiras horas da manhã deste domingo para recuperar vias destruídas.


POR FERNANDO ATALLAIA

DIRETO DA REDAÇÃO


O novo prefeito de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva (PSDB), cumpriu promessa feita por ocasião de sua diplomação e hoje, logo cedo, pôs equipes nas ruas da cidade para recuperar as vias destruídas do município. Luis Fernando também visitou o hospital municipal e postos de saúde para verificar in loco a situação dos centros. 

Resultado de imagem para luis fernando silva
O novo prefeito de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva: equipes nas ruas no primeiro dia de governo.
Na cidade balneária a iniciativa do prefeito foi festejada pelos munícipes. Os ribamarenses creem que as áreas da gestão serão contempladas pelo gestor à altura das reivindicações feitas à época da campanha. As equipes estiveram em plena atividade neste domingo na avenida Mascarenhas  de Morais, a ‘estrada da mata’, e centro de Ribamar. 


O trabalho começou.

Nº de visitas

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 8767-7101

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores

Parceiros ANB