segunda-feira, 1 de maio de 2017
Projetos de reforma propostos pelos proprietários não saem das mesas dos técnicos do Instituto.
Consequências tem  sido devastadoras.

POR FERNANDO ATALLAIA
DIRETO DA REDAÇÃO 

Uma grave denúncia chegada à redação da Agência de Noticias Baluarte esta semana dando conta de que os projetos de restauro propostos pelos proprietários de prédios tombados no Centro Histórico de São Luís, amargam morosidade no andamento de autorizações para reforma dos casarões históricos repercute no segmento cultural do Maranhão e põe, por mais uma vez, em xeque a gestão do Instituto Histórico e Artístico Nacional-IPHAN à frente do problema.  


O fato se deve à lógica adotada pelo Instituto que ao longo dos últimos 12 anos vêm apenas cumprindo a praxe administrativa de escritório, voltada para a execução de procedimentos burocráticos  de repartição. Mas nem isso: os casarões e demais imóveis pertencentes ao Patrimônio Histórico do qual o IPHAN é responsável, estão em visível processo de deterioração e no período chuvoso atual tendem a ruir completamente. Donos de imóveis localizados no Centro Histórico afirmam que a responsabilidade pela decrepitude instalada no Centro é consequência da não atuação dos técnicos do Instituto que não emitem parecer sobre as solicitações enviadas. 
Resultado de imagem para centro historico de sao luis abandonado
O fato se deve à lógica adotada pelo Instituto que ao longo dos últimos 12 anos vêm apenas cumprindo a praxe administrativa de escritório, voltada para a execução de procedimentos burocráticos  de repartição. Mas nem isso: os casarões e demais imóveis pertencentes ao Patrimônio Histórico.
Nas últimas semanas, polêmicas envolvendo o modelo administrativo adotado pelo IPHAN no Maranhão nos últimos 12 anos revelou a insatisfação de grande parte da população maranhense que aponta como retrógrada, politiqueira, descompromissada e ausente as gestões do órgão no estado. Artistas, historiadores, produtores culturais e pesquisadores da área também cobram a entrega de obras em atraso. O Instituto não se pronuncia. 


Maior conjunto arquitetônico colonial do mundo, mas abandonado e em estágio avançado de destruição, os casarões do Centro Histórico de São Luís são os únicos entre as cidades históricas tombadas no País em situação de extremo abandono, e requerem cuidados emergenciais. Segundo especialistas da área, o diálogo pelo enfrentamento da total dizimação do            Centro na capital maranhense vem enfrentando obstáculos devido às nomeações políticas grosseiras indicadas ao IPHAN. Em mais de  uma década nada de estrutural foi feito que combatesse tais práticas.  


As consequências tem sido devastadoras.

3 comentários:

  1. IPHAN, órgão criado exclusivamente para preservar, fiscalizar e coibir ações depredatórias, hoje está entre os que mais contribuem com a devastação do Sítio Arquitetônico. É omisso em tudo a que a ideia inicial do Instituto se propõe. Estando localizado dentro da área de 98% dos monumentos tombados, passa invisível por duas décadas tamanha a sua infrutuosidade, muitas pessoas que trabalham no Centro Histórico, não sabem o que é IPHAN, para que serve ou mesmo onde "funciona". É hora de acontecer uma transmutação geral dentro do órgão, que requer técnicos comprometidos com o restauro desse patrimônio que transformou São Luis em 'Cidade do Mundo'.

    ResponderExcluir
  2. Não conheço o assunto com profundidade, mas é voz corrente que o IPHAM não ajuda em nada, mas atrapalha bastante. Você pode deixar um casarão sob a sua responsabilidade cair de frente para a calçada antes que eles tomem alguma providência ou mesmo queiram conversar sobre o problema. Mas se você tiver um escritório na Rua da Paz, tente construir um banheiro no fundo do quintal ou mudar uma porta do corredor de lugar! Os fiscais aparecem na hora com multas e embargos, em nome da preservação do patrimônio histórico. Gostaria de saber quem faz parte da estrutura do IPHAM e quanto eles ganham por mês para serem inúteis e omissos nos cuidados que a cidade requer.

    ResponderExcluir
  3. Esse sr mauricio itapary é indicação de Hildo Rocha e KATIA a dondoquinha de sarney, os casarões estao aos pedações. Parabéns pela matéria, querido!
    Silvia-CCH/UFMA

    ResponderExcluir

IPVA 2017

Pesquisar em ANB

Nº de visitas

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 9164 10 67

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores

Parceiros ANB