terça-feira, 29 de novembro de 2016

Imagens de radar mostram o avião da Chapecoense voando em círculos antes da queda

 

O avião voando em círculos antes da queda
O avião voando em círculo
As autoridades de aviação civil da Colômbia acreditam que as investigações sobre as causas da queda do voo da Lamia LMI2933 que levava a equipe da Chapecoense para Medellín vai demorar algumas semanas. O piloto declarou situação de emergência minutos antes da queda devido a problemas elétricos, de acordo com autoridades do aeroporto de Medellín, onde pousaria.

As imagens de radares divulgadas na internet mostram o avião voando em círculos antes de cair na região central da Colômbia, o que poderia indicar que o piloto estava tentando desabastecer a aeronave. Segundo a Cruz Vermelha Colombiana, não havia combustível no local do acidente.

O local da queda do acidente
O local da queda do acidente
Segundo a agência de notícias “Reuters”, a aeronave, um BAe 146 que realizava um voo fretado, se partiu em dois, e apenas o bico e as asas estavam reconhecíveis, enquanto a cauda ficou completamente destruída pelo acidente, segundo um fotógrafo que visitou o local.

O avião levava o time da Chapecoense à Colômbia para a disputa da final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional, e caiu em La Unión, perto de Medellín, na Colômbia, onde a Chapecoense disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional. A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) suspendeu a partida.

AS INFORMAÇÕES SÃO DO EXTRA RIO
EDIÇÃO DA AGÊNCIA BALUARTE 

Simpatia e Gentileza não combinam com a difícil missão de julgar

Resultado de imagem para jose luiz almeida desembargador
Por José Luiz Oliveira de Almeida
Tenho medo que as novas gerações, diante de tanta impunidade, de tanta lassidão, de tanta omissão, de tanta discriminação, cheguem à conclusão que não vale à pena agir com retidão. No exercício da difícil missão de julgar, nós, magistrados, não precisamos ser simpáticos. Simpatia e gentileza não combinam com a difícil, quase impossível arte de julgar; o magistrado, desde meu olhar, só precisa mesmo é ser justo, firme e decidido.
 
Nada me agasta mais, ou melhor, poucas coisas me causam mais aborrecimento – até revolta, às vezes – que a falta de consciência de quem exerce uma função pública.

O execício da função pública não é para deleite pessoal, para desfilar vaidades, para regozijos ou patuscadas. É para servir mesmo! É assim que compreendo as coisas e é por isso que, às vezes, sou compelido a desabafar; desabafo que, não raro, é confundido com arrogância pelos que não têm a exata dimensão do que é a coisa pública.

Desde sempre tenho sido assim. Só ainda se surpreende com as minhas posições quem teima em não dar importância – ou não conhece – as minhas convicções pessoais.

Quem me conhece sabe que nunca fui de evasivas, rodeios ou subterfúgios. Nunca fui de procurar atalho, o caminho mais fácil. Não sei, definitivamente, ser sinuoso. O meu caminho é reto, frontal, proeminente.

Sou de encarar as coisas de frente. Não sou do tipo que joga pedra e esconde a mão. Isso não fica bem para um magistrado.

No exercício das minhas funções, pouco importa os que me compreendam mal, os que me julgam em face da falta que a simpatia me faz. Não sou mesmo palatável aos que não têm a exata dimensão do múnus. A minha obsinação em torno dessas questões me fazem mesmo indigerível.

No exercício da difícil missão de julgar, nós, magistrados, não precisamos ser simpáticos. Simpatia e gentileza não combinam com a difícil, quase impossível arte de julgar; o magistrado, desde meu olhar, só precisa mesmo é ser justo, firme e decidido.

Tenho entendido – e, por isso, não raro, fico indignado – que nada pode ser mais deletério para o conjunto da sociedade que a impunidade ou sensação dela, máxime se decorrentes da lassidão, da pachorra, da falta de espírito público de determinados agentes do Estado.



José Luiz Oliveira de Almeida é desembargador do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão. Foi Juiz de Direito da 7ª Vara Criminal e Promotor de Justiça. Também lecionou na Universidade Federal do Maranhão e na Escola da Magistratura do mesmo estado, tendo optado, há alguns anos, pela dedicação exclusiva ao Poder Judiciário.
 
Hildo Rocha cobrou eficácia de programas sociais e reivindicou ampliação de benefícios para a população
 
De acordo com levantamento realizado pelo deputado federal Hildo Rocha (PMDB/MA) os principais programas sociais financiados pelo governo federal, operacionalizados em parceria com o governo do Maranhão, apresentam desempenho abaixo da expectativa. O tema foi debatido durante audiência do parlamentar com o Ministro do Desenvolvimento do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra. “Por falta de interesse do governo Flávio Dino, milhares de pessoas que poderiam estar sendo beneficiadas pelos programas do Leite e o Água Para Todos deixam de atender milhares de pessoas que poderiam estar sendo beneficiadas por essas ações”, destacou.

Resultado de imagem para deputado hildo rocha
Hildo Rocha cobrou eficácia de programas sociais e reivindicou ampliação de benefícios para a população.
Programa Primeira Infância
Rocha pediu a inclusão de municípios maranhenses no programa do governo federal destinado à primeira infância. “Apesar das dificuldades, muitos prefeitos maranhenses tem realizado bom trabalho no campo da assistência social. A implantação do Programa Primeira Infância, nos municípios onde os prefeitos tem alcançado bom desempenho, na operacionalização dos programas sociais, é uma garantia de que os objetivos serão alcançados”, destacou o parlamentar.
O Programa Primeira Infância prevê que gestantes e crianças até 3 anos sejam acompanhadas por visitadores capacitados, periodicamente. O objetivo das visitas é identificar, avaliar e resolver questões relacionadas à depressão materna, violência doméstica, e higiene, entre outros fatores.

Centros de Convivência para Idosos
Rocha reivindicou ainda a implantação de Centros de Convivência de Idosos. O parlamentar ressaltou que os recursos estão assegurados por meio de emenda parlamentar de sua autoria. “Incluí, no orçamento da União, emenda específica para essa finalidade e apresentei ao ministro pedido para que os municípios maranhenses sejam incluídos entre os beneficiários desse programa”, destacou.
 
Bolsa família
O deputado alertou para a existência de problemas na operacionalização do Programa Bolsa Família. “Existem muitos problemas. Solicitei ao ministro que tome providências, pois a população não pode ser penalizada por pessoas inescrupulosas que fazem mau uso dessas importantes iniciativas. Temos que corrigir as distorções e zelar pela legalidade e pela eficácia dessa importante iniciativa do governo federal que busca atender essencialmente famílias de baixa renda”, declarou Rocha.

MATÉRIA ENVIADA PELA ASSESSORIA DE IMPRENSA DO DEPUTADO

Maranhense é uma das vítimas do acidente com avião do Chapecoense

O atacante Ananias, de São Luís estava no Chapecoense há dois anos.

Família de Ananias soube de acidente através da televisão. 


Um maranhense foi uma das vítimas do acidente com o avião do Chapecoense ocorrido na madrugada desta terça-feira (29). O atacante Ananias, de São Luís estava no Chapecoense há dois anos.

O atacante Ananias, de São Luís estava no Chapecoense há dois anos. Foto: Reprodução
Ele já havia atuado em times como Bahia, Portuguesa, Cruzeiro, Palmeiras e Sport.
Ele já havia atuado em times como Bahia, Portuguesa, Cruzeiro, Palmeiras e Sport.

Neste ano, ele já tinha somado seis gols e 41 jogos.


AS INFORMAÇÕES SÃO DO JP
EDIÇÃO DA AGÊNCIA BALUARTE 

Nº de visitas

Confira a hora certa!

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 8767-7101

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores