quinta-feira, 4 de agosto de 2016
Avançar é reduzir a jornada de trabalho para 40 horas 
A história mostra que as lutas dos trabalhadores são longas e difíceis. Na Alemanha, a jornada já chegou a ser de 75 horas semanais. Na Inglaterra, de 18 horas por dia para as mulheres. Na Suécia, podia-se empregar meninos a partir de cinco anos. Foi somente no início do século 20 que a jornada de 48 por semana começou a ser instituída onde, hoje, os países são desenvolvidos

 Por Clemente Ganz Lúcio

A história mostra que as lutas dos trabalhadores são longas e difíceis. O processo civilizatório que eleva o padrão de vida da sociedade como um todo conta com a participação determinante dos trabalhadores. Eles inovaram, por meio dos sindicatos, em bandeiras de interesse geral, como a democracia, a liberdade, a igualdade, os direitos sociais em geral, criaram partidos e contribuíram para a construção do Estado moderno. Fizeram muito.

Para os trabalhadores, lutar é a condição para viver. Por isso, criam os sindicatos, um solidário instrumento de luta. Reduzir a jornada de trabalho é uma dessas lutas que nos acompanha desde a origem do sindicalismo. Exemplos não faltam. Entre 1850 e 1870, a jornada média na Alemanha era de 75 horas (se uma pessoa trabalha 60 e outra, 90 horas, a média dá 75). A média encobre muitas desigualdades! Na Inglaterra, foi o Factory Act que, em 1844, reduziu a jornada feminina de mais de 18 para 12 horas diárias.

jornada de trabalho trabalhadores
Famosa foto de trabalhadores em construção de arranha-céu em Manhattan, Nova York (EUA)
Um anúncio publicado em 1813 por um fabricante de algodão nos Estados Unidos dizia: “Cotton Factory procura algumas famílias sóbrias e industriosas, que tenham pelo menos cinco filhos maiores de oito anos”. Estima-se que, em 1900, havia 1,7 milhão de crianças com menos de 16 anos trabalhando nos Estados Unidos, mais do que a totalidade dos membros da AFL (American Federation of Labour), o maior sindicato do país.

Na Suécia, podia-se empregar meninos a partir de cinco anos, procedimento generalizado nos países da Europa no século XIX. Os exemplos e fatos se multiplicam e estão documentados por inúmeros cientistas sociais, economistas e historiadores.

A luta é longa! Foi somente no início do século XX que a jornada de 8 horas diárias ou 48 horas por semana começou a ser instituída onde, hoje, os países são desenvolvidos.
Educação, qualificação e tecnologia, reunidas nas indústrias nas cidades nascentes, fizeram a produtividade do trabalho crescer espetacularmente. No último século, a produtividade cresceu, enquanto a jornada de trabalho era reduzida!

Mas as máquinas passaram a queimar os postos de trabalho e a luta para que todos tenham emprego ganhou vigor, renovando ainda mais as ações pela redução da jornada de trabalho. Trabalhar menos para que todos tenham empregos. Trabalhar menos para ganhar qualidade de vida, para conviver com a família e os amigos, estudar, praticar esportes, ver um filme, ir ao teatro, cantar, dançar, brincar ou, simplesmente, não fazer nada, ganhou centralidade na vida sindical e na luta dos trabalhadores.

O recente ato falho do presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), propondo jornada de 80 horas semanais, em uma reunião que tratava de inovação, atropela a história e achincalha a utopia de uma sociedade justa. Mas, de maneira dialética, nos faz relembrar nossa história e nos provoca e convoca a protagonizar novos avanços.

Inovar hoje é promover um tipo de dinâmica econômica na qual todos tenham empregos de qualidade e bons salários, para produzir o que a sociedade precisa para ter bem-estar e qualidade de vida.
Inovar hoje é distribuir o produto social, promovendo igualdade de oportunidades e condições.
Inovar hoje é reduzir a jornada de trabalho para 40 horas.

Os trabalhadores veem longe e lutam sempre. Está na hora de tentar novamente!

Clemente Ganz Lúcio é Sociólogo, diretor técnico do DIEESE, membro do CDES – Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social
Professor Josemar é ovacionado por multidão na largada pela reeleição em Paço do Lumiar 
Professor Josemar foi recebido com festa por uma multidão na noite da última quarta-feira (3), na Convenção Municipal do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que oficializou sua candidatura à reeleição em Paço do Lumiar.

Clique para obter Opções
Professor Josemar foi recebido com festa por uma multidão na noite da última quarta-feira (3), na Convenção Municipal do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que oficializou sua candidatura à reeleição em Paço do Lumiar.
Participaram do grande ato, que lotou as dependências da quadra do Colégio Cefran, no bairro do Maiobão, diversas lideranças políticas do Estado, entre elas, o suplente de senador, Pinto da Itamaraty e o deputado federal João Castelo, ambos do PSDB; o atual vice-prefeito do município, Marcone Lopes (PDT); a primeira-dama, Ivone Oliveira, mais de 70 candidatos a vereadores, correligionários e caravanas de diversas comunidades de Paço do Lumiar. A aliança que está com Josemar na corrida pela renovação do mandato é formada também pelo PPS, PHS, PT do B, PR, PDT, PSD, PSB e PSL.
Clique para obter Opções
Com um discurso empolgado, Josemar reafirmou seu compromisso de manter o município livre da corrupção e agradeceu aos milhares de moradores que compareceram à festa.
Essa linda festa democrática do professor Josemar mostra a vontade do povo de que o trabalho continue. Aos que diziam que Josemar não seria candidato, se enganaram. Ele é da gente e morador do Maiobao há mais de 30 anos com sua família. Josemar já mostrou que sabe fazer e vai continuar, agora, junto com a professora Ana Paula, que traz a sensibilidade de esposa, de mãe, de educadora. O 45 é o partido da luta. Vamos à vitória”, enfatizou Pinto da Itamaraty, que também é coordenador na articulação do PSDB nos municípios metropolitanos.


Com um discurso empolgado, Josemar reafirmou seu compromisso de manter o município livre da corrupção e agradeceu aos milhares de moradores que compareceram à festa. “Paço do Lumiar jamais será o mesmo. Demos fim a décadas de corrupção que assolou o município e que impediu de avançarmos mais. Estou aqui, pronto para este novo desafio, pela vontade do povo. Temos um trabalho sério e uma folha de serviço que nos credencia para lutarmos pela renovação do mandato. Faremos uma campanha limpa e séria nestes 45 dias, ao lado da professora Ana Paula. Vamos vencer os adversários nas urnas”, disse ele, que se emocionou por várias vezes durante a convenção.

Clique para obter Opções
Participaram do grande ato, que lotou as dependências da quadra do Colégio Cefran, no bairro do Maiobão, diversas lideranças políticas do Estado, entre elas, o suplente de senador, Pinto da Itamaraty e o deputado federal João Castelo, ambos do PSDB.
O deputado federal João Castelo também deixou sua mensagem: “É uma satisfação muito grande em estar aqui e ver a vibração desse povo para eleger novamente o prefeito Josemar. Estamos juntos e vamos fazer muito mais por Paço do Lumiar”.

Nº de visitas

Confira a hora certa!

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 8767-7101

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores