quarta-feira, 27 de julho de 2016
Tribunal de Justiça do Maranhão mantém indisponibilidade de bens do prefeito de Itapecuru Mirim
A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) manteve decisão da 1ª Vara da Comarca de Itapecuru Mirim, que recebeu ação de improbidade administrativa e, liminarmente, determinou a indisponibilidade de bens do prefeito do município, Magno Rogério Siqueira Amorim, do tesoureiro e de duas secretárias municipais, até a quantia de R$ 35.415,00. O dinheiro corresponde a valor de possível ressarcimento ao erário, por suposto desvio de recursos repassados pelo Ministério da Saúde.

O Ministério Público do Maranhão (MPMA) ingressou com a ação civil pública, com base na constatação de auditoria realizada na Secretaria de Saúde de Itapecuru Mirim, pelo Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus). De acordo com o órgão, ficou demonstrada a ocorrência de lesão ao patrimônio público do Município.

Resultado de imagem para Magno Rogério Siqueira Amorim
A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) manteve decisão da 1ª Vara da Comarca de Itapecuru Mirim, que recebeu ação de improbidade administrativa e, liminarmente, determinou a indisponibilidade de bens do prefeito do município, Magno Rogério Siqueira Amorim(foto).
Segundo a ação do MPMA, a constatação refere-se à realização de pagamentos para locação de veículos à empresa R. Medeiros de Carvalho – Maranata Serviços, para as secretarias de Finanças, Assistência Social e Administração do Município, no período de fevereiro a dezembro de 2013, com recursos desviados da Secretaria Municipal de Saúde, que eram destinados à atenção básica, média e de alta complexidade e contrapartida municipal, no valor de R$ 15.740,00.

No intuito de conseguir o efeito suspensivo da liminar, o prefeito recorreu ao TJMA, em agravo de instrumento, que teve como litisconsortes os outros três agentes públicos citados: Alexandre Félix Freire Martins, Flávia Cristina Carvalho Beserra Costa e Miriam de Jesus Siqueira Amorim.

O gestor alegou que não há, nos autos, prova da necessidade de imposição de medida tão drástica. Afirmou que, para a caracterização de ato de improbidade, seria necessário demonstrar o prejuízo, além do locupletamento indevido (apropriar-se de dinheiro ilícito) por parte da pessoa acusada da prática de ato ímprobo.

Resultado de imagem para junior marreca
De olho na prefeitura de Itapecuru, Júnior Marreca comemorou em Brasília.
O desembargador Marcelino Everton (relator) entendeu não ter razão o agravante. Disse que, nos autos, não se mostra inexistente ato de improbidade ou improcedência da ação ou, ainda, inadequação da via eleita – situações que seriam capazes de justificar a rejeição da ação de improbidade.

O relator acrescentou que as provas apontam para a ocorrência de indícios de irregularidades quanto à utilização dos recursos. Citou, ainda, posicionamento do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em situações análogas.

O desembargador Paulo Velten e o desembargador eleito e juiz substituto de 2º Grau, José Jorge Figueiredo, também negaram provimento ao recurso do prefeito.
Partido desfez Comissão Provisória e anunciou em primeira mão a Agência Baluarte que não participará das eleições de 2016 na cidade.

O PSOL está fora das eleições de 2016 em São José de Ribamar. Foi o que afirmou ontem(27) com exclusividade o presidente estadual da legenda, Antônio Pedrosa a Agência Baluarte. 
 
Em tom de anúncio, Pedrosa justificou a saída do partido do processo eleitoral como coerente com as diretrizes partidárias da sigla.

Resultado de imagem para ANTONIO PEDROSA
O presidente estadual do PSOL, Antônio Pedrosa: partido está fora das eleições de 2016 em São José de Ribamar. 
''Não se tem uma tradição de Esquerda em São José de Ribamar e as pré-candidaturas a prefeito até aqui apresentadas não tem nenhuma ligação conceitual com a nossa orientação partidária, ficou inviável'', disse ele. 


Sob a perspectiva jurídica, o PSOL não teria como participar das eleições, uma vez que a Comissão Provisória foi desfeita pela Executiva estadual. Antônio Pedrosa explicou o fato. 


''Tivemos que desfazer a Comissão em Ribamar até segunda ordem; vamos redesenhar nosso projeto na cidade que para nós é uma cidade de grande importância para o desenvolvimento do estado, mas nestas eleições o PSOL não participará, até porque não teria como, não há amparo jurídico sem comissão estabelecida'', frisou. 

POR FERNANDO ATALLAIA
DIRETO DA REDAÇÃO
Prefeito deixa o cargo em janeiro; apenas o pai e o irmão continuarão no Poder. 

POR FERNANDO ATALLAIA
DIRETO DA REDAÇÃO


A velha máxima de que as más companhias levam à perdição se aplica perfeitamente bem ao atual prefeito de São José de Ribamar, Gil Cutrim, do PDT. 


Gil, que vem sofrendo na pele as consequências de ter se juntado a pessoas que apenas o exploraram no município, além de virem mal orientando o prefeito às atitudes mais equivocadas, não esconde a ninguém no município o temor da perda do Poder. 

Resultado de imagem para GIL CUTRIM

TEMENDO A PERDA DO PODER O prefeito de São José de Ribamar, Gil Cutrim: más companhias e desprezo pelo próprio futuro político.
Acostumado à boa vida do ‘mandar e desmandar’ tanto na esfera pública como na privada, Gil não consegue exorcizar a ideia de que a partir de outubro não será mais prefeito. Na prática, ele se levantará definitivamente da cadeira do Executivo em janeiro. Da prole, ficam com, digamos ainda alguma influência o pai do prefeito Edmar Cutrim(protagonista de escândalos fantasmagóricos no TCE) e o irmão Glauber, atualmente deputado estadual.


Trazendo para si a revolta e a ojeriza dos ribamarenses por atacar de maneira infundada seu ex-padrinho politico Luis Fernando Silva que concorre ao cargo de prefeito daqui a dois meses, Gil parece não se importar com seu futuro politico. 


Como já havia assinalado ANB Online, até bem pouco tempo se ventilava nos bastidores da politica ribamarense a rara possibilidade do prefeito lançar-se deputado federal por São José de Ribamar. 


Com a indisposição que ele mesmo vem gerando junto à população, essa possibilidade sequer existe mais.
Bombeira que tirou fotos sensuais se diz assustada com polêmica do caso
Comando determinou prisão de soldado por oito dias depois de ensaio.
Caso ocorreu em Curitiba, em fevereiro, mas punição só saiu em julho.
A bombeira Lilian Vilas Boas, que teve a prisão determinada pelo 7º Grupamento do Corpo de Bombeiros do Paraná depois de participar de um ensaio fotográfico sensual, disse ao G1, nesta quarta-feira (27), que está assustada com a repercussão do assunto. A pena não foi cumprida porque ainda cabe recurso.

Resultado de imagem para Bombeira que tirou fotos sensuais se diz assustada com polêmica do caso
Lilian participou do ensaio fotográfico em fevereiro deste ano, para um projeto do fotógrafo Arnaldo Belotto. Nas fotos, ela aparecia com parte dos seios à mostra.
Lilian afirmou ainda que prefere não falar muito sobre o acontecido por enquanto, mas acredita que o caso se tornou polêmico por envolver igualdade de gêneros, um assunto que vem sendo debatido bastante ultimamente. A bombeira informou, por fim, que já procurou um advogado e que pretende recorrer da decisão.

Entenda o caso

Lilian participou do ensaio fotográfico em fevereiro deste ano, para um projeto do fotógrafo Arnaldo Belotto. Nas fotos, ela aparecia com parte dos seios à mostra.
Segundo Belotto, as fotos ficaram no site do projeto por menos de 24 horas. "Uma delegada civil do Rio de Janeiro acabou printando as fotos e enviando ao comandante aqui em Curitiba", conta. Desde então, Lilian começou a receber pressão dos comandantes para que as imagens fossem retiradas do ar.

A bombeira participou do ensaio porque algumas amigas dela também já tinham feito fotografias para o projeto de Belotto, que, de acordo com ele, tem o objetivo de exaltar o empoderamento feminino e a beleza das mulheres, sem o uso de técnicas de manipulação de imagem.

Mas a pressão sofrida por Lilian continuou, mesmo após a retirada das fotos do site. "Já fui prestar duas vezes depoimento no quartel", diz o fotógrafo.

Lilian ainda teve que responder pelo processo disciplinar. Segundo a nota de punição publicada em um boletim interno do 7º Grupamento, a punição foi por ela ter exposto "a intimidade e privacidade de seu corpo".

A falta foi considerada média pelos superiores, culminando na pena dos oito dias de prisão. O documento é assinado pela tenente Giselle Machado, que é comandante do grupamento.

Em nota, a Polícia Militar do Paraná informou que não pode se manifestar sobre o caso, pois a bombeira ainda poderá recorrer à corporação para mudar a sanção que recebeu.

Leia a nota da Polícia Militar na íntegra:

"O exercício do poder disciplinar da origem e da solução final do procedimento em relação à bombeira citada se deu no âmbito do 7º Grupamento do Bombeiro, por isso o Comando do Corpo de Bombeiros e o Comando Geral da Polícia Militar do Paraná, se instados em grau de recurso farão a reavaliação sob todas as óticas, seja dos fundamentos da punição ou em relação às suas circunstâncias e dosimetria da pena.
Tanto o Comando do Corpo de Bombeiros quanto o Comando Geral da Polícia Militar do Paraná não podem emitir juízo de valor prévio, pois em algum momento podem ser provocados em grau de recurso".


AS INFORMAÇÕES SÃO DO G1MA
EDIÇÃO DA AGÊNCIA BALUARTE

Ocorrências de assalto são cada vez mais frequentes
População denuncia abandono da cidade  pela Secretaria de Segurança, mas governo do Estado não se manifesta. 

POR FERNANDO ATALLAIA
DIRETO DA REDAÇÃO


A população de São José de Ribamar, a terceira maior cidade do Maranhão, não sabe mais a quem recorrer quando o assunto é a falta de segurança que vem deixando milhares de famílias locais apavoradas com as ações dos bandidos. 

Resultado de imagem para FLAVIO DINO

MANDANDO SÃO JOSÉ DE RIBAMAR ÀS PATAVINAS O governador Flávio Dino abandonou a terceira maior cidade do Maranhão, mas certamente ele aparecerá daqui a dois anos para pedir o voto dos ribamarenses.
Nas últimas duas semanas, várias tentativas de assalto foram registradas em solo ribamarense. Algumas das quais frustradas, mas não tão menos violentas. 


A cidade-que virou um território sem lei-, passa nos dias atuais pelo abandono total dos moradores na área da segurança  pública pelo governo do Estado. A SSP, cujo titular Jeferson Portela dá de ombros com o grave problema não se manifesta em relação à situação de risco à qual foram colocados os mais de 300 mil ribamarenses que hoje povoam São José de Ribamar. 


Reduto eleitoral das campanhas do hoje governador Flávio Dino, o município foi roteiro da vitória do então candidato ao Executivo estadual, Flávio na eleição passada. Hoje esquecida pelo Palácio dos Leões, a cidade sobrevive ao deus-dará. Bairros  como Turiuba, Residencial Nova Terra, Sede e toda Região das Vilas sofrem com a ausência de policiamento ostensivo e medidas de enfrentamento da violência e criminalidade que se instalaram nos perímetros. 

Resultado de imagem para JEFFERSON PORTELA

INSEGURANÇA TOTAL Jeferson Portela foi por duas ocasiões à cidade, levado por  alguns pré-candidatos; interesse era estritamente politicalho.
Alta Incidência de ações criminosas, os moradores das comunidades locais se veem perpassados por uma realidade que já ultrapassou todos os limites de aceitação. Homicídios, furtos, roubos, assaltos enquanto Jeferson Portela e Flávio Dino no ar fresco de seus gabinetes. 


Até a próxima eleição, é claro.

Nº de visitas

Confira a hora certa!

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 8767-7101

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores