sexta-feira, 8 de abril de 2016

Deputado Federal, Juscelino emprega a sogra na secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura de são Luís

Depois de garantir o apoio do seu Partido, o DEM, à reeleição do prefeito Edivaldo Holanda Jr, o deputado federal Juscelino Filho acaba de empregar a sogra, Maluda Fialho, como secretária de Meio Ambiente de São Luís.
juscelino
FAMÍLIA REUNIDA, JAMAIS SERÁ VENCIDA Hoje, Fernando Fialho e Maluda estão no completo ostracismo, e o que Juscelino faz hoje, é apenas uma retribuição ao seu sogro, que, como todos sabem, foi o “grande responsável” pela sua vitória para deputado federal em 2014, quando era titular da Sedes

A advogada Maria de Lourdes Maluda Cavalcanti Fialho assume a titularidade da pasta em substituição a Marco Aurélio Diniz.
A posse da nova secretária está prevista para a próxima semana.
AS INFORMAÇÕES SÃO DO BLOG DO ANTÔNIO
EDIÇÃO DA AGÊNCIA BALUARTE
Ex-presidente do PSB de São Luís, Mauricio é pré-candidato a Prefeito da cidade abandonada.

POR FERNANDO ATALLAIA
DIRETO DA REDAÇÃO

O cenário politico extremista, desgastado e pulverizado da cidade de Raposa parece, a partir de agora, ganhar novo fôlego com a pré-candidatura do advogado Mauricio Almeida ao Executivo. Mauricio foi presidente do PSB de São Luís em 2011 e tem forte atuação no campo jurídico do estado.

Enfrentando uma das piores administrações já vistas na história de Raposa, a população local se via sem alternativas para este pleito. Tanto o atual prefeito Clodomir Oliveira quanto sua principal adversária Talita Laci, do PCdoB, são alvo de denúncias de corrupção em solo raposense. Recentemente, um blogueiro do município atribuiu ao grupo de Talita chantagens e ameaças por matérias publicadas.

O clima em Raposa, rechaçado por reações de truculência como esta, indicavam um ambiente áspero, antidemocrático e violento, onde de um lado, Clodomir tenta manter-se no poder às expensas da máquina pública e do outro Laci acredita, à base da imposição, ser a ‘herdeira natural’ da cadeira do prefeito. Duas realidades que haviam deixado os munícipes sem nenhuma opção. É justamente nesse contexto que a figura de Maurício Almeida, um jovem advogado de 37 anos, surge como contraponto à conjuntura cerrada.

O advogado e ex-deputado federal Mauricio Almeida é pré-candidato a Prefeito de Raposa: terceira via para uma população até então sem opções 
Em contato com a reportagem da Agência Baluarte, Mauricio falou em primeira mão ao nosso Blog oficial o que o levou a pôr o nome à disposição da população de Raposa para as eleições de 2016. Ele, que também já foi deputado federal, não se fez de rogado. ''Quero fazer o melhor para a população. Dar às pessoas o mesmo nível de qualidade de vida que quero que meus filhos tenham. Uma cidade boa de se viver, sem violência e com justiça social, produtiva e autossuficiente. É desta forma que eu penso Raposa'', afirmou.

Com o advento de uma nova corrente político-partidária na cidade, preconizada por valores, de fato,  humanos, a pré-candidatura de Mauricio Almeida já segue dando vazão a princípios até então ausentes no município e vem ganhando corpo entre os setores progressistas de Raposa. Ele comemora. ''Estamos levando à população de Raposa um novo conceito de atuação político-partidária, onde a pessoa humana é respeitada em todas as suas potencialidades, não importando categoria, classe social ou segmentos. Todos devem ser contemplados, sem exceção, por uma  boa e correta administração pública. Estamos levando à Raposa ações de enfrentamento contra essa velha forma de se fazer politica calcada na politicalha, nos interesses particulares, familiares e caseiros que por aqui imperam.  Precisamos pôr Raposa em seu lugar de destaque não só no Maranhão, mas neste País'', finalizou Mauricio Almeida. 
PGR defende anulação de ato de nomeação de Lula como ministro da Casa Civil

O procurador-geral da República Rodrigo Janot encaminhou nesta quinta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) parecer em que defende que seja anulado o ato de nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro da Casa Civil. O chefe do Ministério Público se valeu, entre outros argumentos, dos grampos telefônicos em que Lula mostra preocupação com a tramitação do processo penal contra ele na 13ª Vara Federal de Curitiba, sob responsabilidade do juiz Sergio Moro, e em que avalia estar "assustado" com a "República de Curitiba", em referência aos procuradores da Operação Lava Jato. O grampo mais revelador, porém, é aquele em que o petista e a presidente Dilma Rousseff discutem a assinatura do termo de posse "em caso de necessidade". Depois da manifestação do de Janot, o ministro Gilmar Mendes, que é relator do caso, já liberou o processo para ser pautado no plenário do STF.

Ao analisar o caso, Janot afirma que, a despeito do discurso de governistas de que a nomeação de Lula poderia fortalecer a articulação política do governo e alçá-lo à condição de negociador político, "os predicados do nomeado, todavia, não justificam as circunstâncias anormais da antecipação da posse e da entrega de um termo para que fosse assinado, caso não pudesse comparecer à cerimônia". "Se havia óbice à posse, por qualquer motivo, naturalmente existiria também à entrada dele em exercício, o que afastaria a urgência da remessa do termo à pessoa do nomeado, já que ele estaria impossibilitado de colaborar na qualidade de ministro", afirma Janot.

Para o procurador-geral, existem indícios claros, com base na análise dos acontecimentos que envolvem o petista, de que sua nomeação seria uma fraude à Justiça por garantir foro privilegiado ao ex-presidente unicamente para que ele não fosse julgado por Sergio Moro
Para o procurador-geral, existem indícios claros, com base na análise dos acontecimentos que envolvem o petista, de que sua nomeação seria uma fraude à Justiça por garantir foro privilegiado ao ex-presidente unicamente para que ele não fosse julgado por Sergio Moro. Rodrigo Janot cita, em sua argumentação, a dança de cadeiras promovida no Palácio do Planalto para abrir uma vaga a Lula na Casa Civil. "A sofreguidão para inserir o ex-Presidente no cargo de Ministro de Estado Chefe da Casa Civil levou o Governo Federal a designar seu anterior ocupante, o Senhor Jaques Wagner, para o cargo de Chefe do Gabinete Pessoal da Presidente da República, que até então possuía natureza especial e foi apressadamente transformado em cargo de ministro pela Medida Provisória 717", relata o MP.
"O momento da nomeação, a inesperada antecipação da posse e a circunstância muito incomum de remessa de um termo de posse não havida à sua residência reforçam a percepção de desvio de finalidade", completa. Segundo Janot, aceleraram as articulações do governo para nomear Lula como ministro situações como a delação premiada do ex-líder do governo no Senado Delcídio do Amaral, e a denúncia e o pedido de prisão feitos pelo Ministério Público de São Paulo. "Nesse cenário, a nomeação e a posse do ex-Presidente foram mais uma dessas iniciativas, praticadas com a intenção, sem prejuízo de outras potencialmente legítimas, de afetar a competência do juízo de primeiro grau e tumultuar o andamento das investigações criminais no caso Lava Jato", critica Rodrigo Janot.

"A transgressão ao componente ético e jurídico dos princípios constitucionais da legalidade, da impessoalidade e da moralidade administrativa por ato do poder público impõe declaração de nulidade, ainda que concorram para sua motivação finalidades legítimas", conclui o procurador-geral.
Em uma primeira manifestação, o chefe do MP havia alegado que Lula poderia ser ministro, mas defendido que o processo que tramita contra ele permanecesse nas mãos do juiz Sergio Moro.

Desvio de finalidade - No último dia 18, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu liminar em ação impetrada pelos partidos PPS e PSDB para impedir a nomeação do ex-presidente Lula como ministro. Como justificativa para a decisão, o magistrado traçou um paralelo com a decisão do STF sobre o ex-deputado Natan Donadon, que renunciou ao seu assento na Câmara para impedir o julgamento iminente de uma ação contra ele no STF, fazendo com que o caso reiniciasse na primeira instância. Segundo o ministro, a situação de Lula é inversa - sua nomeação como ministro levaria seu caso para a corte superior - mas a finalidade de driblar a Justiça seria idêntica. A decisão cita estudo do jurista Vladimir Passos de Freitas, cuja conclusão é a de que nomear pessoa para lhe atribuir foro privilegiado é ato nulo.


Segundo Mendes, a nomeação de Lula teria sido feita com "desvio de finalidade": apesar de estar em aparente conformidade com as prerrogativas que a presidente tem para escolher ministros, ela conduziria a "resultados absolutamente incompatíveis" com a finalidade constitucional dessa prerrogativa e por isso seria um ato ilícito.

Nº de visitas

Confira a Hora Certa!

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 8767-7101

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores