domingo, 10 de janeiro de 2016

Ruy Castro: "Fomos reduzidos a porcarias como axé, sertanejos e padres cantores"
Escritor lançou recentemente "A Noite do Meu Bem", livro que narra a história do samba-canção 
Ruy Castro: "Fomos reduzidos a porcarias como axé, sertanejos e padres cantores" Chico Cerchiaro/Divulgação
O   escritor Ruy Castro: "Fomos reduzidos a porcarias como axé, sertanejos e padres cantores"
Autor de Carmen: uma Biografia, sobre Carmen Miranda, e Chega de Saudade, no qual conta a história da bossa nova, Ruy Castro é uma dos principais vozes a resgatar o passado cultural brasileiro. Nesta entrevista, concedida por e-mail, o autor fala sobre seu novo livro, A Noite do Meu Bem, que narra a história do gênero samba-canção, e compartilha sua insatisfação com o cenário atual da música do país.
Qual o contexto que permitiu o crescimento do samba-canção, no Rio dos anos 1940? 
O samba-canção já existia desde que se inventou o samba, em fins dos anos 1920. Só que, até 1946, ele não tinha um habitat ideal para se desenvolver. Os cassinos eram muito grandes e barulhentos, as pessoas não iam lá exatamente para ouvir música. Quando fecharam, surgiram as boates, intimistas, escurinhas, sofisticadas. Ali, sim, sentadas a uma mesa com a mulher ou namorada ao lado e um copo de uísque à frente, as pessoas se deram conta do que se tocava. Ali se intensificou uma fabulosa produção musical e surgiram incontáveis grandes compositores e cantores. Gente de classe internacional, eu diria.
O senhor refuta a hipótese de que o samba-canção seria o ¿bolero brasileiro¿. Quais foram as principais características e influências do gênero investigado pelo livro?
Não há a menor identidade rítmica entre o bolero e o samba-canção. O samba-canção é o samba. Ah, mas o samba-canção e o bolero falam de amores fracassados. É verdade – mas toda música romântica fala de amores fracassados, inclusive a americana. E há muitos sambas-canção para cima, otimistas – é só ver o repertório do Dick Farney, da Doris Monteiro, da Elizeth Cardoso. Além disso, quando o bolero penetrou no Brasil, no começo dos anos 1940, Ary Barroso e Noel Rosa já tinham criado seus grandes sambas-canção.
Como o samba-canção foi capaz de desbancar gêneros musicais de fora do país, uma vez que a música francesa e a americana exerciam grande protagonismo nas rádios brasileiras? 
No passado, a música americana já contava com os discos, filmes, revistas, jornais e até com os álbuns de figurinhas para se impor em todos os países. E, como em toda parte, a presença dela no Brasil era enorme. Só que, na época, fazíamos música brasileira, e muita gente a preferia à música americana. O samba-canção atendia a todas as solicitações: era melodicamente sofisticado, harmonicamente complexo, ritmicamente delicioso, bom de dançar com rosto colado, e as letras eram bem escritas e diziam coisas. Não havia cantor estrangeiro que vendesse mais que a Angela Maria ou o Nelson Gonçalves. A partir de 1983 é que a música brasileira passou a macaquear a que se fazia em toda parte e, aí, a música americana tomou conta.
Qual foi a importância de Lupicínio Rodrigues para o samba-canção?
Total. Lupicínio, assim como Custodio Mesquita, Herivelto Martins, José Maria de Abreu e Dorival Caymmi, foi dos primeiros a perceber a riqueza e a potencialidade do samba-canção. Não por acaso produziu a maioria dos seus primeiros clássicos. 
Há histórias de traição e violência no livro. A votação do STF em 2015, que tirou a obrigatoriedade da aprovação prévia de trabalhos biográficos, facilitou a edição do livro? 
Para mim, não alterou nada – nunca pedi autorização para escrever sobre ninguém. A Noite do Meu Bem sairia do mesmo jeito, com ou sem a votação – e, se alguém quisesse processar, que processasse. Cenas como a relação entre o poder e o prazer nos anos 1950 fazem parte agora da história do Brasil. Mas foi fabulosa aquela batalha pelas biografias. Serviu para que descobríssemos o lado B, egoísta e chegado à censura, de pessoas como Chico Buarque, Gilberto Gil e outras... 
Entre os personagens investigados, qual foi o mais intrigante? 
Gostei muito de levantar as histórias da Nora Ney, da Doris Monteiro e do Ibrahim Sued, as relações entre o Catete e o Vogue, e, principalmente, de estabelecer aquela ¿cançãografia¿ do samba-canção, com mais de 500 títulos de canções. Que patrimônio musical do Brasil, não? Vamos ver se, agora, os nossos cantores, músicos e radialistas descobrem aquelas obras-primas.
Seu livro foi festejado por preencher uma lacuna pouco pesquisada da música brasileira. O senhor arrisca algum motivo para que o samba-canção não seja mais conhecido hoje? 
O brasileiro é assim mesmo quando se trata do seu próprio passado. Quando lancei Chega de Saudade, em 1990, ninguém na época queria saber de bossa nova – estava morta e sepultada havia mais de 20 anos. Com o livro, ela foi redescoberta e, à sua maneira, discreta e elegante, está no ar até hoje. Vamos ver se acontece o mesmo com o samba-canção. Não há quem ouça obras-primas como Chuvas de Verão, Risque, Dó-ré-mi, Ouça, Não Tem Solução e todas do Lupicínio sem se arrepiar. O samba-canção está esquecido, mas é formidável, é nosso e cabe a nós ressuscitá-lo. 
 Qual é o legado do samba-canção no atual cenário musical brasileiro? 
Cenário atual? Legado? Nenhum. Nem do samba-canção, nem do samba propriamente dito, nem da bossa nova, e nem de qualquer ritmo brasileiro. Fomos reduzidos a porcarias como axé, sertanejos e padres cantores. A boa música brasileira hoje não pode contar com as gravadoras, nem com o rádio, nem com a televisão, nem com as casas de shows e nem com ninguém. Os últimos grandes cantores se quiserem se apresentar, têm de pagar para cantar. Há muita gente fazendo coisa boa, mas escondido, sem a menor chance de penetrar no mercado.

Por Alexandre Lucchese, do ZH Entretenimento

Criança morre atingida por tiros na porta de casa
A criança chegou a ser socorrida e levada à unidade mista do São Bernardo, mas chegou sem vida
Uma criança de oito anos de idade foi morta na porta de casa na madrugada deste sábado. O crime aconteceu na Primeira Travessa São Francisco, situada no bairro São Bernardo, em São Luís.
De acordo com informações dos moradores da região, a criança estava brincando na porta de casa, quando cinco homens, ainda não identificada, apareceram atirando na rua.
Ainda segundo moradores, a criança chegou a ser socorrida e levada à unidade mista do São Bernardo, mas chegou sem vida.

Nº de visitas

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 9164 10 67

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores

Parceiros ANB