quinta-feira, 10 de dezembro de 2015
Padre é flagrado com prostituta - Arthut M. Coyle assumiu ter pago

A Arquidiocese de Boston – já calejada por inúmeras acusações de religiosos envolvidos com escândalos sexuais – se viu abalada por mais um caso de má conduta. O vigário e monsenhor Arthur M. Coyle foi pego pela polícia local atrás de um cemitério com uma prostituta, que teria ganho US$ 40 para fazer sexo oral no religioso.

De acordo com autoridades, Coyle foi preso em flagrante com a mulher dentro de seu carro. No entanto, na segunda-feira (5), ele foi liberado após o pagamento de uma fiança de US$ 500. O religioso negou as acusações. Porém, a prostituta afirmou que não é a primeira vez que presta serviços a ele.

De acordo com autoridades, Coyle foi preso em flagrante com a mulher dentro de seu carro
Coyle é o Vigário Episcopal da região de Merrimack desde 2008, o que significa que ele supervisiona uma série de paróquias. Segundo a Arquidiocese, Coyle aceitou voluntariamente se afastar do cargo e está proibido de ministrar em público. Em nota, a instituição disse:

“Enquanto estiver sob afastamento administrativo, está proibido de ministrar em público. Essas restrições vão continuar até o final do caso. As medidas tomadas não representam uma determinação de que o monsenhor Coyle é culpado ou inocente das acusações. A Arquidiocese pede orações por todo o impacto desse caso”.

Em 2011, a Igreja Católica de Bostou revelou uma lista com 248 padres e dois diáconos acusados de casos de abusos sexuais desde 1950. Na época, o cardeal americano Sean O’Malley disse que o esforço em compilar a lista de clérigos é mais um passo adiante na iniciativa de tomar a responsabilidade pelos abusos e evitar que eles voltem a ocorrer.

Supremo Tribunal Federal condena ex-senador Luiz Estevão a 26 anos de prisão

A defesa de Luiz Estevão apresentou 21 recursos e 11 habeas corpus

O Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a condenação o ex-senador Luiz Estevão a 26 anos de prisão, nesta quarta-feira. O empresário é acusado de desviar R$ 2 bilhões de recursos da obra do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo. Apesar dos percalços judiciais e do abandono forçado da vida pública, o bilionário conseguiu postergar a prisão por mais de uma década.
Luiz Estevão de 'mãos limpas': 26 anos de prisão
Segundo o Ministério Público Federal, desde o início do processo, a defesa de Luiz Estevão apresentou 21 recursos e 11 habeas corpus. A estratégia para atrasar o desfecho do caso foi eficiente: a pena de 31 anos de cadeia foi reduzida para 26 anos em 2014, já que a demora levou à prescrição das penas relativas aos crimes de formação de quadrilha e de uso de documento falso. Mas, a condenação por corrupção ativa, peculato e estelionato está mantida. Os ministros não analisaram pedido do MP para cumprimento imediato da pena. A defesa ainda pode recorrer da decisão. Agora, será publicado um acórdão e, segundo o ministro Marco Aurélio Melo, ainda cabem embargos declaratórios. O prazo regimental para a publicação do acórdão é de 60 dias.
Luiz Estevão cumpre hoje pena em prisão domiciliar, depois do trânsito em julgado de outro processo, em que ele foi condenado a 3 anos e 6 meses em regime semiaberto por falsificar documento público.

AS INFORMAÇÕES SÃO DO CORREIO BRAZILIENSE
EDIÇÃO DA AGÊNCIA BALUARTE

Nº de visitas

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 8767-7101

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores

Parceiros ANB