sábado, 7 de novembro de 2015

População disputa peixe descartado na Feira do Portinho em São Luís

Em meio à sujeira, lixo e urubus várias pessoas disputam diariamente a sobra dos peixes que seriam descartados no lixo

Gladys Alves, de O Imparcial

Milhares de peixes são desperdiçados durante a semana na feira improvisada do Portinho ao lado Mercado do Peixe, próximo ao Terminal da Integração, no Aterro do Bacanga. Os peixes que não são comercializados durante a madrugada acabam sendo descartados pelos distribuidores e colocados no lixo diariamente. Sabendo do fato, várias pessoas estão indo ao local para garantir a alimentação e disputam os peixes de várias espécies que teriam como destino o lixo. 

 Honório Moreira/OIMP/D.A Press
Presença de urubus, que descansam nas caixas de isopor onde ficam os peixes, é constante na Feira do Portinho
Enquanto a movimentação no mercado ao lado acontece, as pessoas vão chegando com seus baldes e formando uma fila à espera da sobra dos peixes no Portinho. Vendedores e consumidores dividem espaço com o lixo, a lama e urubus que se alimentam dos restos de alimentos que são jogados no local. A sobra dos peixes fica acondicionada em caixas de isopor e de plástico que são colocadas no chão pelos distribuidores, o que causa uma grande disputa entre os carentes que lutam para conseguir o alimento.

Dona Maria da Silva, moradora do Anjo da Guarda, contou que antes não frequentava a feira com tanta assiduidade, porém, o pai morreu recentemente e a família está passando por uma situação muito difícil. E, por conta disso, atualmente, tem ido ao mercado praticamente todos os dias para garantir o pão de cada dia. Já Wellingtoin Almeida relatou à reportagem de O Imparcial que, todas as vezes que está desempregado, ele recorre à feira improvisada para sustentar a família, sempre às quinta-feira e aos sábados. Para garantir o sustento, ele chega bem cedo para ajudar a fazer alguns carregamentos, espécie de "bicos", e como recompensa, ganhar o peixe e mais um trocado para levar para casa. Ele descreveu que o peixe que iria ser descartado dá para ser consumido por mais dias. É todo escalado e salgado para preservar sua consistência. “Agradeço por eles nos darem os peixes que não servem mais para vender, pois já garante a alimentação da semana. A situação está difícil, o jeito é pedir pra sobreviver. Felizes de nós que temos um lugar aonde recorrer”, desabafou.

Para evitar desperdício

O presidente da Associação dos Distribuidores de Pescados e Mariscos de São Luís (ADPEMASL), Manoel Paixão, afirmou que, para evitar o grande desperdício do pescado, os distribuidores decidiram fazer uma triagem antes de colocar os peixes no lixo. Manoel Paixão destacou que, se não fosse essa medida, centenas de peixes seriam desperdiçados todas as manhãs, principalmente no período de safra. Aqueles que ainda podem ser aproveitados são doados para centenas de pessoas que passam por aqui. “Antes, os peixes eram colocados diretamente nos contêineres, e então era uma grande bagunça, havia pessoas que entravam dentro do depósito e reviravam o lixo para adquirir os peixes. Por essa razão, decidimos doar os que ainda estão em boas condições e colocar o resto no lixo. Mesmo assim, ainda há alguns que chafurdam o lixo”, disse o distribuidor.

Sem higienização, pescado é vendido na Praia Grande ao lado do Mercado do Peixe
“Antes, os peixes eram colocados diretamente nos contêineres, e então era uma grande bagunça, havia pessoas que entravam dentro do depósito e reviravam o lixo para adquirir os peixes. Por essa razão, decidimos doar os que ainda estão em boas condições e colocar o resto no lixo. Mesmo assim, ainda há alguns que chafurdam o lixo”
Movimentação

A feira do Portinho, como é conhecida popularmente, funciona de segunda-feira a segunda-feira, ou seja, todos os dias. Os distribuidores chegam ao local a partir das 23h, começam a descarregar os caminhões e montar suas bancas. Geralmente, são caixas de isopor vazias que são colocadas no chão com o fundo para cima e sobre elas uma lona de plástico preto, onde o pescado é colocado em exposição. A movimentação maior acontece de terça-feira a domingo. A segunda feira é considerada o dia que tem pouco movimento. De acordo com Manoel Paixão, os vendedores (peixeiros, como são popularmente chamados) começam a chegar à feira por volta de 1h. Já os consumidores começam a chegar às 3h e fluxo de pessoas duram até as 7h. Ele acrescentou que alguns peixes que são comercializados são de várias partes do Maranhão, outros do Pará, como do município de Santarém, ou de Manaus, além de outros estados. “São peixes da água doce e salgada. A maioria vem de açudes (viveiros). Os preços variam de acordo com a qualidade do peixe. Podemos encontrar peixes a partir de R$ 2,50 até R$ 12 o quilo”, explica Manoel Paixão.
Ambiente sujo e com mau cheiro
Tanto consumidores, quanto vendedores, reclamam da desorganização, do lixo e dos urubus que também fazem parte do cenário da feira. O local está em péssima condição de higiene, com muito lixo e água das caixas de peixe escorrendo pelo chão. Outra reclamação é mau cheiro que é forte e incomoda bastante quem vai até o local para comprar o pescado.
Sem higienização, pescado é vendido na Praia Grande ao lado do Mercado do Peixe
A dona de casa Vera Lins falou que uma vez por semana vai ao Portinho comprar peixe para a semana. Ela reclamou do local, disse que a cada dia só piora, mas os preços acabam falando mais alto
A dona de casa Vera Lins falou que uma vez por semana vai ao Portinho comprar peixe para a semana. Ela reclamou do local, disse que a cada dia só piora, mas os preços acabam falando mais alto. “A gente tem que andar por dentro da água suja de peixe, as pernas ficam sujas, ainda temos que dividir espaço com muita sujeira e com os urubus que ficam rodeando o local permanentemente”, disse.
O presidente da ADPEMASL afirmou que a vigilância sanitária faz vistoria e admite que há muita sujeira no local, e que eles tentam limpar o máximo possível todas as manhãs quando acaba a feira. Segundo ele, a prefeitura realiza uma lavagem uma vez por semana no local, que para ele não seria o suficiente. Manoel acrescentou que existe um projeto para o Portinho.
Órgãos envolvidos
De acordo com informações da Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa),  a Feira do Portinho não é gerida pela administração municipal. E que a sua manutenção é de responsabilidade dos próprios comerciantes.
Já a Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (Semosp) informou por meio de nota que realiza diariamente a remoção de resíduos na Feira do Portinho. Além disso, as equipes fazem o serviço de manutenção da limpeza, com varrição e catação de resíduos descartados irregularmente no mercado e em seu entorno. A Semosp comunicou ainda que a lavagem da feira é realizada regularmente, em dias alternados.
Segundo informações da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), a Vigilância Sanitária está elaborando um cronograma de fiscalizações, que inclui a área conhecida como Feira do Portinho. A Semus reforçou que a feira já recebeu fiscais do órgão que, na ocasião, verificaram as condições nas quais os produtos são repassados aos consumidores. A secretaria esclareceu ainda que o comerciante que for flagrado revendendo alimentos sem os cuidados necessários de manuseio poderá ter o produto apreendido.

Prorrogado o prazo de inscrição para o curso de Libras

Os servidores interessados em participar do curso da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), promovido pela Escola Superior da Magistratura do Maranhão (ESMAM) poderão se inscrever até o dia 13 de novembro.
Com a prorrogação do prazo de inscrição, período do curso, anteriormente agendado para 16 a 27 de novembro, passa a ser de 23 de novembro a 04 de dezembro, permanecendo o mesmo horário, das 14h às 17h, com a professora Georgiana Castro.
Resultado de imagem para LIBRAS

O objetivo é fazer com que os servidores conheçam ou se atualizem na Língua Brasileira de Sinais, a partir de vivência prática e vocabulário básico para comunicação com os surdos e, para isso, o curso traz um conteúdo bastante abrangente.
De acordo com o programa, o aluno estudará o alfabeto manual, parâmetros da LIBRAS, numerais, saudações, tempo cronológico, sinas relacionados ao contexto do trabalho, ao contexto da família, cultural e comunidade surda, vocabulário, pronomes, advérbios, entre outras categorias, além do que, vai contar com técnicas que visam aprimorar a expressão facial e corporal na comunicação com os surdos.

Nº de visitas

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 9164 10 67

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores

Parceiros ANB