Repórter se emociona e dá as próprias meias para uma criança durante matéria do “SPTV”

Por FAMOSIDADES
 
SÃO PAULO - Ananda Apple foi pautada para cobrir o atraso na entrega de uniformes escolares na cidade de Santo André, São Paulo, e não conseguiu se manter imparcial. A matéria foi exibida na última quarta-feira (16) pelo “SPTV”, da Globo.

Na ocasião, a jornalista explicou que chegou a uma escola na região por volta das 6h e encontrou uma criança passando frio. “Hoje cedo, a gente viu chegar aqui, umas 6 e pouco, por volta de 12, 13 graus, uma menininha só de sandálias”, contou.
Ex-pegador, José Mayer retorna à TV como gay enrustido: "Espero ser aceito" - 1 (© Claudio Andrade e Thyago Andrade Foto Rio News)
As próprias meias...
“Eu cheguei a dar minhas meias para ela, porque eu tenho duas menininhas e sei o que é isso. Não dá para acontecer esse tipo de coisa. É uma questão de respeito. Como você espera que uma criança aprenda, passando frio na sala de aula?”, continuou.

A repórter estava ficou com a voz embargada e não escondeu a emoção. “A mãe não tem de onde tirar. Então, é uma questão de respeito do Poder Público com essas crianças”, completou.

Mesmo em recesso branco, Congresso Nacional custa quase R$ 1 milhão por hora aos cofres públicos

Secretário-geral da ONG Contas Abertas critica pagamento integral de salário a parlamentares em período sem sessões plenárias na Câmara e no Senado

Por
RIO - Mesmo em recesso branco, o Congresso Nacional custa aos cofres da União cerca de R$ 1 milhão por hora. Dispensados das sessões deliberativas até o dia 31 de julho pelo acordo, os parlamentares continuarão recebendo integralmente os seus salários de R$ 26.723,13 mesmo sem apresentar projetos ou participar de votações nas Casas. Isto porque a ausência de sessões faz com que os dias não trabalhados não sejam interpretados como falta.

O cálculo feito pela ONG Contas Abertas para obter o custo-hora dos deputados federais e senadores - dos demais serviços prestados ao Legislativo -, estando eles em exercício parlamentar ou não, levou em conta a soma do orçamento da Câmara e do Senado, chegando-se ao montante aproximado de R$ 23,9 milhões por dia. Um "valor exorbitante" na avalição do fundador e secretário-geral da ONG, Gil Castello Branco, "a ser pago pelos contribuintes" para "um ano de baixa produtividade" dos representantes eleitos.

- Este ano tivemos um primeiro semestre com muitos feriados que prolongaram os finais de semana e ainda a realização da Copa do Mundo no país. Parlamentar entrar agora de férias para se dedicar à campanha eleitoral, quando sequer foi votada a Lei de Diretrizes Orçamentárias, é um disparate. Não tenho a menor dúvida que 2014 será um ano com a menor produção legislativa em décadas - arriscou Castello Branco. 

As cadeiras vazias custam

R$ 1 milhão por hora aos cofres públicos


Na avaliação dele, o fato de boa parte dos legisladores estarem disputando a reeleição aos cargos atrapalha as atividades nas Casas e ainda torna desleal a corrida eleitoral. 

- Não há como comprovar se um encontro com um prefeito no interior de um estado é um compromisso de mandato ou de campanha, logo as atividades são constantemente confundidas. O fato deles poderem concorrer a reeleição estando no compromisso do mandato não torna igual a disputa. Aqueles que concorrem não estando eleitos não contam com as verbas indenizatórias, com verbas para impressos, para transportes daqueles que já ocupam o poder. Evidentemente eles levam vantagem e tendem a se perpetuar, o que prejudica a renovação e a boa percepção dos eleitores - argumentou ele, acrescentando: 

- Fica a pergunta sobre o por que de alguns servidores públicos terem de se afastar, de renunciar aos cargos para concorrer a uma vaga enquanto outros não. É um questionamento que deve ser levado em conta. O lógico e certo deveria ser outro a assumir o cargo para que as campanhas não paralisem o Congresso. É o segundo ano seguido que se entra de recesso branco sem que a LDO, que dita as regras orcamentárias, seja votada. É uma situação exdrúxula em que se vota LDO e, ao mesmo tempo, o orçamento, e pela segunda vez consecutiva.
Na avaliação do secretário-geral do Contas Abertas, o quadro é ainda mais preocupante por ser o recesso branco um recurso usado sistematicamente num curto espaço de tempo:

-Todo ano de eleição eles lançam mão disso. Nas eleições gerais, há o interesse direto, que é trabalhar pela manutenção no cargo. Nas municipais, as atividades na Câmara e no Senado ficam prejudicadas por ser do interesse deles trabalhar a base eleitoral, costurar o apoio nas cidades, para ser eleito novamente dois anos depois. Ou seja, o mandato de quatro anos tem dois deles comprometidos. Já o professor aposentado de Ciência Política da Universidade de Brasília, Otaciano Nogueira, vê o uso do recesso branco como recurso apaziguador válido na gestão de crises. 

- O recesso branco existe desde a criação do Congresso Nacional e frutificou no Brasil. É um recurso que deve ser utilizado para épocas em que não há assuntos predominantes, mas o Brasil vive numa gangorra em inúmeras questões. Seu uso é válido e legal, e evita conflitos. Sem atividades no legislativo, não há os embates inerentes aos cargos - avalia Nogueira, que não considera o comparativo da realidade política brasileira com a de outros países um bom termômetro. 

- Num pais desenvolvido, que tem estabilidade econômica, isso não ocorre porque não há o que ser apaziguado - concluiu.

POESIA SEMPRE!

Leia na íntegra o poema ‘As Matinês’ da obra inédita Ode Triste para Amores Inacabados de autoria do poeta e jornalista maranhense Fernando Atallaia 

As matinês

Matinê nas veias e pés descalços
Música verdadeira aos onze anos
Correria de quintais e tramas incólumes
Inocência. Lua entre os girassóis (caídos no futuro em reticências farpadas)
Antes do Cola e do Queimado as mães esperavam pelos dois, ansiosas
Mas a Aristóteles coube o anúncio de ambos serem perfurados pelo gozo
E eis que o amor não consegue a exatidão

Puros como o sol das manhãs virgens
Das não nascidas manhãs
Inimigos que são da noite e do declive
O amor embrenha os jovens nos vulcões dos espelhos
Das revistas
Como atrizes que se doam ao quarto
Firmes na imaginação do macho a lhes espreitar os hormônios 


As Matinês são solitárias
E os jovens de motoca perseguem as donzelas das janelas à portaria
Tentando respirar fundo em suas narinas
Para mais tarde socar o tenro de suas carnes no mel de suas línguas
Mas é assim que o leopardo caminha (...) sem a pressa da raposa angustiada 
Hão de levantar-se e os sofás os escondem sem o intimidar-se
Vem a presa vai a caça
As Matinês tem suas próprias asas tardes e almofadas
São estradas para lindos animais viçosos de alegria
Da rigidez das árvores à memória dos rebentos nem ao relento devem alguma Explicação
Nem à realidade aquilo que lhes é fantasia
Nem à realidade aquilo que lhes é fantasia.




Fernando Atallaia, São José de Ribamar, Janeiro de 1997. 

Maranhão Avante!

Pesquisar em ANB

Nº de visitas

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 9164 10 67

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores

Parceiros ANB