terça-feira, 1 de julho de 2014

POESIA SEMPRE!

Leia na íntegra o poema ''Sobre imagens e fantasmas'' da obra inédita Diário de Viagens de autoria do poeta ribamarense Fernando Atallaia

Sobre imagens e fantasmas

Numa fria pedra sobre lençóis separados

Uma voz se ergue do crânio esfacelado numa noite sob apuros

Onde muros e homens se misturam ao ainda convulso balé do passado

Um retrato sob véus  

 

A manhã gritando auroras desaparecidas nas muitas inúteis sagas do presente

Meu poente como prece na fachada desarma uma mão que cai sem paredes

Sem o Ser do sentir que extravasa

É mesmo uma asa essa mesa de copos esvaziados na ébria tarde de sempre?  

 


Perfurando a consciência uma folha convence a todos de uma rala humanidade

Uma miserável lauda

Aqui nascem almas corpos e alguns lamentos  

 

Ao voar dos pássaros na tempestade sabemos todos que o mundo tem suas Próprias palavras

Sua parca sintaxe necessária e demente 

O homem em seu silêncio de cigarros no retrato acima desbotado já foi um menino

Um horizonte

Um monte de coisas misturadas como num monte de coisas as coisas são

 

E agora a estrada guarda seu último mineral seus átomos suas fontes

Nada como antes, mas talvez a vida continue a verter seus frágeis girassóis

É o estar no mundo

É o estar em nós o que grita fundo

Rumo ao grito do universo- essas alavancas de metal

Os comboios de existência que batem à janela como se nela refletissem o escuro Que não cala

Os comboios de existência

Que batem à janela

Como se

Nela

Refletissem

 O

Escuro

Que

Não

Cala

Os comboios de

 Existência

Que

Batem

À janela

Como

Se

Nela

Refletissem

 O

Escuro

Que

Não

Cala.

O

Escuro

Que

Não

Cala.

 

 

Fernando Atallaia, São José de Ribamar, Junho de 2014.

HOMOLOGADA CANDIDATURA DE ZÉ INÁCIO À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA 
Durante convenção do Partido dos Trabalhadores, na última sexta-feira (27), Zé Inácio teve a sua candidatura como candidato a Deputado Estadual oficializado.  Zé Inácio é um dos dirigentes políticos dos mais influentes na defesa do Desenvolvimento Sustentável e da Agricultura Familiar no atual cenário maranhense.
A trajetória política do candidato a deputado estadual pelo PT, Zé Inácio é marcada pela luta, na defesa da melhoria da qualidade de vida do homem e da mulher do campo, por meio do acesso as políticas públicas de qualidade, voltadas para a redução das desigualdades de pobreza no Maranhão.
Candidatura de Zé Inácio foi homologada na última sexta-feira num ato que reuniu centenas de lideranças políticas e comunitárias do Maranhão 

Ainda muito jovem Zé Inácio iniciou sua militância política no movimento estudantil e como advogado atuou em defesa dos direitos humanos, dos trabalhadores e trabalhadoras rurais e da população negra nas seguintes instituições: Sociedade Maranhense de Direitos Humanos, Federação dos Trabalhadores (as) Rurais do Maranhão (FETAEMA), Comissão Pastoral da Terra (PT), Centro de Cultura Negra (CCN). Na Justiça Global atuou junto a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (OEA) tendo como destaque os seguintes processos: deslocamentos compulsórios das famílias quilombolas de Alcântara e o caso dos meninos emasculados. Atuou como membro da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MA).
Como Delegado do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) no Maranhão, Zé Inácio teve uma  atuação mais voltada para a implantação dos programas do governo Lula, tais como: os Territórios Rurais, o Programa Territórios da Cidadania, os Colegiados Territoriais, os Projetos de investimento para os Municípios rurais (casas familiar rural, agroindústrias, centros de comercialização, etc), Crédito para Agricultura Familiar, através do PRONAF, criação e apoio aos assentamentos rurais e outras ações de infra estrutura, sócio-econômica e produtiva.
O agora candidato foi ainda saudado por entusiastas do progresso do estado que veem nele a representatividade acertada na AL 
No período em que esteve Superintendente Regional do Incra no Maranhão, Zé Inácio fez uma gestão orientada para a reforma agrária, num dialogo permanente com as organizações da sociedade civil e órgãos executivos e judiciários, objetivando o  desenvolvimento das áreas de assentamentos, melhoria de vida e cidadania às famílias assentadas.
Em 2013, O Maranhão foi um dos Estados que teve mais áreas desapropriadas; Foi o Estado que criou o maior número de assentamentos no País, ficando  em primeiro lugar entre as Superintendências do Nordeste quanto à quantidade de famílias assentadas.
Durante a Convenção do PT – Na última sexta-feira (27), durante convenção do PT no Centro de Convenção Paulo Freire, na UFMA. O pré-candidato a deputado estadual Zé Inácio foi conclamado em sua chegada por centenas de lideranças de vários municípios Maranhenses. Estiveram presentes caravanas de Alcântara, Brejo, Bom Jardim, Bequimão, Chapadinha, Itapecuru, Itinga, Santa Rita, todas para dar apoio à candidatura de Zé Inácio (PT).
Da grande São Luís esteve presente, lideranças dos bairros do Anjo da guarda, Cidade Operária, Coroadinho, liberdade, Madre de Deus, Paço do Lumiar, Ribamar e Turu.

Marco Aurélio: STF precisa "resgatar valores" da sua chefia

Ministro mais antigo faz reparos à atuação de Barbosa


Luiz Orlando CarneiroJornal do Brasil 
O ministro Joaquim Barbosa não ficou até o fim da última sessão plenária da qual participou, na manhã desta terça-feira (1/6). Deixou a presidência dos trabalhos depois de proferir um voto-vista num recurso extraordinário. Assim, não ouviu a saudação feita ao atual vice-presidente, Ricardo Lewandowski, pelo ministro mais antigo, Marco Aurélio, que afirmou a certa altura: “Precisamos resgatar valores da liturgia dessa chefia. Vossa Excelência saiba que terá todo o apoio na coordenação dos trabalhos do Supremo Tribunal Federal, do Conselho Nacional de Justiça e da chefia do Poder Judiciário”.
A manifestação de Marco Aurélio foi entendida como referência indireta à gestão de Joaquim Barbosa na presidência do tribunal. Após a sessão, ele assim respondeu a uma pergunta dos repórteres sobre se ele se referia à liturgia do cargo, que não teria sido respeitada pelo presidente que pediu aposentadoria antes do fim do seu mandato:  “Há uma liturgia que precisa ser observada. As instituições crescem quando nós proclamamos valores. Quando nós observamos a necessidade de manter o alto nível. O grande público acompanhou os trabalhos do tribunal. E não preciso dar resposta a esse questionamento”.
O ministro Marco Aurélio: deflagração de momento crítico do Judiciário brasileiro 
Marco Aurélio admitiu, no entanto, que “precisamos voltar ao padrão anterior, que não é só o da Fifa, mas que deve ser também das instituições brasileiras “. E completou: “Esse padrão ficou arranhado na última gestão”.
Ainda sobre a gestão de Joaquim Barbosa na presidência do STF e a sua atuação como relator da Ação Penal 470, o segundo mais antigo ministro do Supremo, e ex-presidente da corte, afirmou:
“Reconheço que ele passa a historia como relator da ação penal 470. Mas a ação penal não foi julgada apenas pelo ministro Joaquim Barbosa. Ele poderia realmente demonstrar um apego maior ao oficio judicante permanecendo mais tempo no tribunal e até mesmo completando o biênio. Eu não me lembro de um outro presidente ter renunciado à própria presidência”.
Não é modelo
Fazendo-se um passeio por todos os municípios maranhenses, o que se vê é a mesma paisagem: populações inteiras insatisfeitas com os prefeitos que elegeram nas últimas eleições sob o pretexto do Desenvolvimento local. Em São José de Ribamar, a falácia já caiu por terra há tempos.

Por Fernando Atallaia
Editor de ANB Online
atallaia.baluarte@hotmail.com

‘’Se alguém quer saber se sua cidade está saudável, preste atenção na qualidade de sua música’’. Essa frase atribuída a Confúcio, ao que parece, nos dias atuais, não perdeu a vitalidade. Ao contrário, define perfeitamente, no campo político-administrativo a concepção dos prefeitos maranhenses para a gestão de seus municípios. São José de Ribamar, entre estes.

Por mais que as cidades do estado se diferenciem pelas características demográficas e peculiaridades culturais, se assemelham, por completo, na forma de administrar de seus gestores e, caminham juntas, nos sempre iguais erros de sempre. Ou o que é pior: em conceitos de gestão viciados e parecidos uns com os outros. O que acontece hoje em Paço do Lumiar em termos de abandono, descaso e improbidade é o mesmo que acontece em Pinheiro. A deterioração das vias e o péssimo tratamento dispensado às avenidas e ruas de São José de Ribamar não é nada estranho ao esfacelamento das vias e avenidas de Icatu. Ou vice-versa.

Gil Cutrim, chefe do Executivo de São José de Ribamar: invenção de Luis Fernando, ele reproduz o arcaico modelo político dos interesses familiares em detrimento do Bem Comum 

Essas relações de igualdade entre as administrações municipais partem de um único ponto: os prefeitos maranhenses, em sua maioria, não tem um conceito de Desenvolvimento para as cidades e, por essa razão, não fazem a diferença. Mais, mais que isso: pouco se importam, na realidade, com o crescimento econômico dos municípios que governam e, assim sendo, mostram desprezo pelas populações locais que vivem a gritar a insatisfação e a decepção com seus eleitos. Muitos deles, inclusive, nomes emergentes descompromissados com o bem-estar social e que representam, a bem da verdade, somente os interesses de suas famílias em detrimento do interesse público.

Em São José de Ribamar, o esforço direcionado e constante para negar o fato, encontra obstáculos no Real. Enquanto a prefeitura do município tenta desesperadamente criar uma ilusão, através dos releases oficiais, de que a cidade seria um modelo de gestão para o estado e até para o país, as comunidades ribamarenses vivem e sobrevivem na acentuada falta de políticas públicas, relegadas ao abandono e ao descaso ou à própria sorte. Um contraste que prova a verdadeira situação de lamúria pela qual passa a terceira maior cidade do Maranhão, atualmente. Mas nada indiferente aos demais municípios maranhenses, onde os gestores também se seguram em frágeis justificativas para forçar, por sua vez, a ideia de que as cidades geridas estão no caminho do desenvolvimento.

Luis Fernando Silva: único prefeito maranhense a tentar destoar da conduta de seus pares, ele ousou imprimir um modelo voltado para a dinamização e  modernização da Gestão Pública maranhense, mas esbarrou no medo, na afetação e na inveja dos mandatários de seu Grupo 
Um único prefeito que precariamente tentou mudar o conceito de gestão para uma suposta dinamização da Administração Pública no estado, Luis Fernando Silva em São José de Ribamar ousou fazer certa diferença. Vislumbrando a cidade sob uma perspectiva espacial, descentralizou obras da Sede e estendeu as ações para a chamada Região das Vilas. Um trabalho que animou aos setores de Gestão e, como consequência, o catapultou à pré-candidatura ao Governo do Estado. Luis Fernando, no entanto, vê sua história negada pelo seu sucessor e pupilo Gil Cutrim. O atual prefeito vem se encarregando nos últimos dois anos de exterminar a herança de Fernando Silva por meio de uma administração obscura que, pelo que se vê, deixará São José de Ribamar aos trapos para a posteridade. Mal auxiliado e inconsequente nas ações, Cutrim não pode ser de longe equiparado ou comparado a Luis Fernando.

Em Paço do Lumiar, o governo lastimável do policial Josemar, eleito sob o esforço de todas as forças partidárias e políticas do município, esbarrou em menos de dois anos numa gestão desastrosa para quem a população luminense hoje dá de ombros e vira as costas em repúdio. Josemar, que representaria a Mudança para a cidade, segue inequivocadamente o lugar-comum dos prefeitos maranhenses em sua totalidade: o enriquecimento de suas proles e a formação de pequenas- micro oligarquias compostas por familiares, animais de estimação, amigos, parentes e aderentes na cidade. Sem nenhuma visão de futuro, de modernização ou comprometimento social, este e os demais municípios já citados, coexistem na estrutura geopolítica do Maranhão como quintais, feudos ou bancas de negócios para políticos, empresários, gente do Judiciário e abastados. Categorias que, empenhadas em eleger os prefeitos em suas áreas de ‘’atuação’’, são determinantes à vitória desses modelos de exclusão nos municípios. Um grande negócio que beneficia a poucos. Daí resulta, a premente insatisfação popular, as muitas desigualdades, o quadro de insegurança e violência alarmante e os levantes de desespero das populações maranhenses surrupiadas em seus recursos, repasses e direitos. E é assim que é.  

Coluna do Fernando Atallaia
Política, Cultura e Realidade na Grande São Luís 

Por Fernando Atallaia
Editor da Agência Baluarte

Artistas de São José de Ribamar continuam a ser depreciados pela prefeitura

Os músicos, cantores, compositores, escritores, artistas plásticos e demais artistas de São José de Ribamar continuam a ser depreciados em seus direitos pela prefeitura da cidade. Tanto nas parcas programações da improdutiva pasta de Cultura do município, quanto na ausência da implantação de projetos culturais sistemáticos e consistentes por parte do Executivo municipal.

O prefeito de São José de Ribamar, Gil Cutrim: aversão ao fortalecimento da identidade cultural ribamarense e baladas internacionais 
Avesso ao fomento de iniciativas no campo da Arte e ao fortalecimento da identidade cultural ribamarense, o atual prefeito Gil Cutrim (PMDB) conserva a secretaria responsável pelo Setor em total obscurantismo.

Gil, que é mais afeito aos camarins das produções do eixo Rio-São Paulo-Brasília e um velho conhecido dos eventos internacionais, sempre que tem a oportunidade de fazer valer a gestão para Cultura em Ribamar, opta por atrações e bandas de outros centros como Ceará, Bahia ou Pará. Assim, a Secretaria de Cultura da prefeitura de São José de Ribamar é mais paraense, cearense, baiana que qualquer outra coisa. Os artistas locais sentem na ‘pele’ o tratamento dispensado pelo prefeito à Classe desde quando a gestão de Cutrim se iniciou até os atuais desdobramentos do sempre presente abandono do seguimento. ANB Online registra a triste realidade há anos.

População não suporta mais Clodomir prefeito de Raposa

Raposenses denunciam nas redes sociais e através de manifestações os desmandos do prefeito Clodomir Oliveira em Raposa, uma das cidades abandonadas da Grande São Luís. Mostrando grande descontentamento e insatisfação pela administração de Clodomir, os munícipes utilizam os meios que tem para enfrentar o descaso patrocinado pelo prefeito. Alegam ainda que o Ministério Público se calou diante da tragédia pública que é a gestão de Oliveira. Entregam também que a Câmara de Vereadores do município é conivente com os atos de improbidade do gestor de Raposa.  

O prefeito de Raposa, Clodomir Oliveira: impunidades legitimadas por Edinho? 
Noutro plano, nenhuma reação é esboçada pelo prefeito diante das denúncias. Segundo apurou a Coluna, Clodomir Oliveira se sente confiante com o apoio recebido do grupo político ao qual pertence. ‘’ Sou Lobão e acabou. Não tô nem aí pra ninguém’’, vocifera o gestor pelas ruas da cidade, referindo-se a Lobão Filho, candidato ao Governo do Maranhão. Tamanha força para legitimar a impunidade viria dele?

Grupo Câmara se fortalece e volta ao debate em São José de Ribamar

Segundo constatou a Coluna após amplas conversações com lideranças comunitárias e políticas de São José de Ribamar, o grupo Câmara capitaneado pelo filho do saudoso prefeito J. Câmara Roberto Câmara se fortaleceu nos últimos dois anos na cidade.

O saudoso prefeito de São José de  Ribamar J. Câmara: importância resgatada pelas lideranças da cidade 
Dezenas de lideranças partidárias e apartidárias do município foram unânimes em reconhecer a importância do legado do Grupo à terceira maior cidade do Maranhão. ‘’ Fizeram muito por São José de Ribamar, seu Câmara foi o responsável pela primeira eleição de Luis Fernando que trabalhou muito pela cidade, ele (J. Câmara) foi quem trouxe o Luis Fernando para Ribamar e este continuou o trabalho de Câmara, é um grupo muito importante’’, diz uma delas.

Em Paço do Lumiar, a moda de Josemar agora é perseguir a Imprensa

Mostrando total desconhecimento da importância e do valor da Imprensa enquanto instituição democrática, a ‘gestão policial’ do prefeito republicano Josemar Sobreiro vem ‘soltando os cachorros’ em cima da imprensa local. Josemar, que não suporta as justas críticas à duvidosa e péssima administração que faz, partiu para o confronto: os blogueiros do município são os que mais tem sentido a mão de ferro do prefeito-sorriso. Mas, conforme informou uma fonte à Coluna, todos os insurgentes poderão também ser ‘punidos’. E sem exceção.  

O prefeito autoritário de Paço do Lumiar, Josemar Sobreiro: confronto com a Imprensa 
Como num coro inquestionável, as muitas matérias, reportagens, artigos, postagens e publicações realizadas pelos profissionais de imprensa de Paço do Lumiar e ainda por outros meios de comunicação do estado ainda não cooptados, seguem a debulhar as mazelas do prefeito do município abandonado. Josemar, que nada tem como contraponto positivo a apresentar, lança mão das raivinhas rudimentares e juntamente com sua equipe incrementa as perseguições. Por outro lado, setores da Imprensa e, principalmente, a blogosfera mantém-se firme no propósito de esclarecer à opinião pública a verdade dos fatos da Administração que já segue apontada como uma das piores que Paço já teve na última década. Ou seja: as muitas realidades inquestionáveis da já tão adulterada gestão Josemar Sobreiro em Paço do Lumiar.

Vereadores de Ribamar começam a se sentir insatisfeitos com as imposições eleitoreiras do ‘Chefe’

Quem pensou que os vereadores de São José de Ribamar ficariam ao deus-dará nestas eleições, pode enganar-se em breve. Quase forçados a apoiar o irmão do prefeito Cutrim Glauber Cutrim a Deputado Estadual, mais da metade dos 17 parlamentares da Câmara promete dizer não à imposição curralista de Gil. E sem pestanejar.

Vereador Negão, o mais independente: apoio a J. Pinto por mais uma vez 
Segundo informou à Coluna uma fonte ligada à Câmara Municipal, os vereadores não estariam nem um pouco confortáveis em declarar apoio à candidatura do Cutrim caçula. Em debandada do projeto eleitoreiro de Gil, tudo indica que repetirão a façanha da  negação Negão (que apoiará por mais uma vez J. Pinto) e Henrique Queen (que provavelmente apoiará uma indicação do PDT de Júlio Matos, o Dr. Julinho). Já os demais ainda alimentam propositadamente a esperança do prefeito para adesão. Como que num golpe já quase anunciado até aqui. E que estaria preste a irromper.

Por onde andará Malheiros?

O ‘todo articulado’ ou quase articulador J. Malheiros, ex-presidente da Câmara de vereadores de São José de Ribamar e esposo da ex-vereadora Elisabeth Malheiros não dá as caras há muito na cidade balneária. Sem espaço nas hostes cutrinistas e observado com ressalvas pelo governo Gil, Malheiros sumiu do mapa. A equipe de reportagem da Coluna do Fernando Atallaia tentou exaustivamente nas últimas semanas contato com o ‘coordenador de campanha’, mas deu com os burros n´água.  Malheiros anda às escuras. Ou melhor, em estado do quase invisível.

Malheiros(foto): por onde ele andará? 
Informações dão conta de que Malheiros permaneceria nos bastidores da política ribamarense articulando o retorno de Elisabeth à Câmara Municipal no supetão. Já em face das eleições deste ano, como é de praxe, o também ex-vereador estaria em busca de um ‘novo’ candidato que venha representar seus interesses eleitoreiros no cenário da política local, uma vez que com J.Pinto Malheiros já não teria a mesma deferência recebida em épocas anteriores, principalmente agora quando o ex-prefeito Júlio Matos já entra no jogo em apoio ao republicano.

Ignorando Glauber e Fredson( a dobradinha de Gil Cutrim para Deputado Estadual e Federal, respectivamente), resta a Malheiros tão somente aparecer e sair da realidade fantasmagórica na qual estaria vivendo  trancafiado e onde se autoexilou. Em São José de Ribamar, correligionários, lideranças traídas e entusiastas do ex-presidente da Câmara ensaiam o coro: Volta Malheiros! Volta meu irmão! Volta!

Em São Luís, Edivaldo Holanda Júnior tenta superar indiferença de Roseana e espólio maldito de Castelo  

A vida não tem sido nada fácil para o prefeito de São Luis, Edivaldo Holanda Júnior. Cerceado pela indiferença da governadora do estado Roseana Sarney que já anunciou aos quatro cantos alimentar desdém e indiferença pela Capital maranhense e espoliado ainda pelo abandono conferido por seu antecessor João Castelo à cidade- patrimônio Edivaldo entra a cada dia numa ‘sinuca de bico’.

Edivaldo Holanda Júnior: indiferença de Roseana e espólio maldito de Castelo 
Não sabe se pensa em driblar os entraves de abandono de Castelão ou se dorme pensando em captar recursos na solidão do quarto. O fato é que o gestor, conforme apurou a Coluna, anda entre a cruz e a espada.

Tendo de reverter imbróglios incontáveis e sem poder contar com parcerias ou alianças na esfera estadual Edivaldo Holanda Júnior de Roseana só tem as benesses diárias do Sistema Mirante a lhe achincalhar em constante movimento. Como num mantra. Por outro lado, Castelo nem o conhecido abraço lhe deu como forma de encorajamento para enfrentar o caos construído pelo PSDB em São Luis na gestão passada. A situação do prefeito, ao que se ver, definitivamente não tem sido nada fácil. Não mesmo.

Conselhos Tutelares da Região Metropolitana ainda são alvo de denúncias e reclamações da população

Os conselhos tutelares das cidades da Região Metropolitana precisam entrar em cena e cair em campo. Pelo menos para a população das cidades da Grande Ilha. Nos últimos três dias, ANB Online recebeu 137 reclamações enviadas via e-mail dando conta de que os órgãos de defesa e proteção das crianças e adolescentes vivem em total inoperância e inércia nas cidades onde estão constituídos.

Funcionado com sede própria e aparelhamento necessário à execução de suas tarefas e  atribuições, operando com veículos novos e modernos sistemas de comunicação, os Conselhos não vem correspondendo às expectativas e demandas das populações de Paço, Ribamar, São Luis e Raposa. Os munícipes das cidades denunciam também que alguns conselheiros estariam utilizando os instrumentos de trabalho para finalidades de ordem pessoal  como idas a festas e baladas em grande estilo. Será?

Quem será o parlamentar mais votado na enquete ‘Qual o melhor vereador de São José de Ribamar?’

Começou o faniquito para eleger o ‘melhor’ vereador da terceira maior cidade do Maranhão’. A enquete que aponta os nomes dos 17 adis ribamarenses entrou no ar e vem causando frisson entre os eleitores do município que acompanham o crescimento de nomes como  Negão, Djalma, Valberlena e Marlene Monroe na ‘pesquisa’.

Os votantes ainda podem optar livremente pelos demais nomes que,  expostos na seleção, aguardam por ser selecionados pelos ribamarenses. Há quem diga que desta vez Henrique Queen poderá ser batido por Lister na disputa. Já os mais esperançosos creem que Artuzinho ultrapassará Lázaro na corrida. Agora é votar e ficar atento ao resultado.

Onda de assassinatos na Grande São Luis não para  e caminha para sacralização da violência

A banalização da vida de esquina em esquina na cruel onda de assassinatos que se arrasta na Grande São Luis sem recuar e sem intimidar-se vem tentando pintar um novo cenário e impor um novo estilo de vida aos habitantes da Região que agora tem de conviver com a violência diária no seu dia a dia como num filme de ação onde os muitos homicídios fazem parte da trama. 

O delegado Marcos Afonso Júnior, titular da SSP: nada a declarar?  
Atordoados, temerosos e em estado constante de pavor e medo, os maranhenses da Grande São Luis perderam a confiança na Secretaria de Segurança Pública-SSP de Marcos Afonso e na Justiça como um todo. A pasta responsável pela área continua a não mostrar resultados positivos mesmo com todo aparato (novas viaturas, motocicletas, novas nomeações, aumento de contingente, etc.) adquirido com dinheiro público pelo Governo do Estado nos últimos meses. Especialistas afirmam que uma das medidas eficazes de combate à violência e aos assassinatos seria detectar os focos de concentração dos bandidos, contra-atacando e desta forma se chegando à prevenção das ações criminosas.

Já a população, que é a que mais sofre com a instabilidade da vulnerável Segurança Pública sugere que as polícias (Militar, Civil e Federal) trabalhem em conjunto no sentido de coibir a atuação dos criminosos que estaria diretamente ligada ao tráfico de drogas e suas consequências.  Entre uma e outra sugestão o que fica, em suma, é a certeza de que os números de mortes violentas só crescem nas cidades e que a Grande São Luis segue como manchete nacional sendo uma das áreas mais violentas hoje no Brasil e no Mundo. Por hoje é só. Tenham uma boa tarde e que Deus nos abençoe a todos!

Nº de visitas

Confira a Hora Certa!

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 8767-7101

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores