terça-feira, 6 de agosto de 2013

Ninja, um novo modelo de jornalismo


Carlos Castilho


A mesmice da imprensa convencional no Brasil começa a ser sacudida pelo fenômeno Ninja, sigla de Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação (no imaginário popular, está associada aos invencíveis guerreiros nipônicos), que pode sinalizar novos rumos para o debate sobre o futuro do jornalismo no país. Isso ficou bastante claro após o programa Roda Viva(5/8), quando dois fundadores do grupo foram intensamente questionados por alguns dos mais experientes jornalistas da imprensa convencional.

As respostas de Bruno Torturra e Pablo Capilé, durante o programa, e as declarações dadas à BBC, dois dias antes, mostraram que os ninjas, como foram batizados os integrantes do grupo Mídia Ninja, partem de uma mudança radical no conceito de notícia, o que altera a forma de praticar o jornalismo e se reflete diretamente no modelo de sustentabilidade do projeto.

A proposta é muito mais consistente do que estava sendo divulgado, justamente porque até agora a abordagem do fenômeno Ninja passava pelo filtro da mídia convencional, que tendia a mostrá-los como um modismo. No Roda Viva, deu para perceber que, para os ninjas, a notícia não é uma mercadoria, com valor de troca. Depois da internet e do surgimento do fenômeno da massa de mídias (o oposto do conceito de mídia de massa), o valor de uso da notícia se tornou muito mais importante do que sua capacidade de ser monetizada. [O conceito de massa de mídias reflete a variedade e quantidade de plataformas e de conteúdos disponibilizados pela internet por meio da avalancha informativa. A ideia de mídias de massa reflete a preocupação de cada veículo de comunicação atingir a maior audiência possível.]

A fluidez da notícia no ambiente digital caracterizado pela interatividade e recombinação num ambiente de abundância informativa faz com que o seu valor de uso também se torne altamente mutável. A notícia que é importante para mim agora, pode não ser daqui a alguns minutos, quando outra notícia passa a me interessar mais, ou seja, ter mais valor de uso.

Ao ganhar valor de uso, a notícia dá origem a dois outros processos: a colaboração e o escambo. A colaboração é a troca do conteúdo da notícia, onde ela ganha mais valor ou relevância na medida que incorporar mais elementos como causas, consequências, beneficiados e prejudicados. Esses elementos permitem ampliar o interesse direto de uma notícia para pessoas e comunidades, bem como consolidam a sua credibilidade.

A necessidade da colaboração cria as condições para um jornalismo não competitivo e não exclusivista, voltado mais para a produção de conhecimento numa forma estruturada do que para a produção industrial de uma commodity com valor comercial. A colaboração ainda é vista por muita gente como algo teórico, fruto da imaginação vanguardista de alguns gurus da era digital. Mas os ninjas estão mostrando que a nova lógica da notícia com valor de uso também funciona na prática.

A parte mais controvertida do projeto Ninja não é se eles são a favor ou contra o vandalismo em protestos de rua e nem se são uma linha auxiliar do PT, mas o seu modelo de sustentabilidade. O vandalismo e a partidarização do movimento são quase uma obsessão para os jornalões e para a TV Globo, ainda profundamente impregnados pela dicotomia clássica que organiza o mundo apenas pela forma simplista do a favor ou contra, do bem contra o mal, do legal contra o ilegal, quando todo mundo sabe que a realidade se mostra cada vez mais complexa.

Vários entrevistadores tentaram encurralar os entrevistados dentro da lógica do a favor ou contra, mas Torturra e Capilé foram rápidos no gatilho e desmontaram a falsa isenção da mídia convencional ao comentar o contraste entre classificar como quadrilha os envolvidos no escândalo mensalão e de cartel, os acusados de fraudar concorrências na construção do metrô de São Paulo. A roubalheira foi igual, a diferença de termos ficou por conta dos vínculos partidários dos acusados.

O modelo de sustentabilidade do movimento Ninjase apoia nos coletivos cuja existência se baseia na troca de bens e serviços como forma de organizar a sobrevivência do projeto. É claro que ele também precisa de dinheiro porque não vivemos numa sociedade socializada – e o X da questão está justamente em como conciliar estas duas lógicas: a do dinheiro (associado ao valor de troca) com a do escambo/colaboração (associada ao valor de uso). No programa Roda Viva, Pablo Capilé tentou explicar o modelo mas não foi feliz. O tempo era curto demais para sintetizar ideias e propostas que são complexas porque não estão baseadas em modelos prontos.

Mas talvez nesse ponto esteja a principal contribuição que os ninjas podem dar para o debate sobre o futuro do jornalismo, porque a sustentabilidade é o grande dilema da profissão. O modelo convencional de negócios não pode funcionar mais porque está baseado na notícia com valor de troca, algo que está desaparecendo rapidamente como padrão hegemônico. A notícia como valor de troca precisa permanecer estática durante um tempo mínimo para ser comercializada com ganho para quem a produz, coisa que se tornou inviável no ritmo frenético da internet.

Na busca da sustentabilidade no jornalismo, os ninjas ainda vão ter que queimar muitos neurônios, bem como suportar muitos retrocessos nesse esforço. Mas eles estão fazendo muito mais pelo futuro da profissão do que a mídia convencional, ainda paralisada pela obsessão em obstruir a continuidade do PT no Palácio do Planalto.





Carlos Castilho é jornalista e colaborador do portal Observatório da Imprensa.
 
Galeria Trapiche: Convite
 
 
Exposição Coletiva “Guarda-Volumes”
 
 
Com: Didi Muniz, Afonso Brandão, Cláudio Vasconcelos, Carlos Martins, Janete Fialho, Thiago Azevedo, Binho Dushinka, Cláudio Ferro, Paulo César, Romana Maria, Cyro Falcão, Auro Juriciê, Isabel Matos, Alain Moreira Lima, Adriana Karlem, Marcelo Lobato, Cristina Gomes, Uimar Junior, Uiran de Oliveira, dentre outros.
 
Data: Sexta-feira, dia 9 de agosto
Hora: 19 horas
Local: Galeria Trapiche Santo Ângelo (Avenida Vitorino Freire, s/nº - Praia Grande, defronte do Circo da Cidade).
 
Performance poética: Ana Duarte interpreta poemas de Rosemary Rego, acompanhada pelo gaitista Danilo Araújo.
 
Entrada franca.
 
 
 
Convite enviado por Paulo Melo Sousa, curador e diretor  da Galeria Trapiche.
 
Moradores das Vilas discutem elaboração do novo PPA de Ribamar
 
 
Audiência Pública reuniu representantes dos mais variados segmentos da região mais populosa do município de São José de Ribamar.

 
Moradores das Vilas de São José de Ribamar, região mais populosa do município, participaram na noite da última segunda-feira (02) da segunda audiência para discussão e elaboração das políticas públicas que irão compor o Plano Plurianual da cidade para o quadriênio 2014/17.

A audiência foi realizada na Escola Municipal Gonçalves Dias, no Jardim Tropical, e reuniu representantes dos mais variados segmentos de bairros como Vila Flamengo, Vila Operária, Maiobinha, Santa Terezinha, Vila Kiola, Vila Cafeteira, Tropical I e II, Mata, Matinha, Cidade Alta, Recanto da Paz, Vila São Luís, Sarney Filho I e II, Vila Jota Lima, dentre outras localidades.
 
O jovem prefeito Gil Cutrim tem o desafio de comandar pela segunda vez a terceira maior cidade maranhense (KARLOS GEROMY/OIMP/DAPRESS)
Gil Cutrim quer a população de São José de Ribamar participando do debate social
A exemplo do que aconteceu na Sede do município, quando foi promovida a primeira audiência pública no mês passado, os moradores das Vilas, distribuídos em oficinas temáticas que abordam todos os setores da administração pública, puderam opinar sobre as novas políticas públicas que irão compor o PPA e que deverão ser executadas pelo governo municipal nos próximos quatro anos.
 
“Administração participativa se faz assim, promovendo eventos como este no qual o povo, que é a figura que mais sabe o que está acontecendo nas comunidades, pode dar a sua opinião. O governo do prefeito Gil está dando exemplo de gestão compartilhada”, avaliou o motorista Arnaldo Abreu, morador da Operária.
 

Gil Cutrim elogiou a participação massiva dos moradores na audiência. Disse que, a exemplo do que vem acontecendo desde 2005, o PPA 2014/17 será construído pelo povo, que irá opinar e sugerir sobre as políticas públicas que o governo municipal executará. O prefeito participou da audiência acompanhado do vice-prefeito Eudes Sampaio; dos vereadores César Vieira, Marlene Monroe, Jô Viana, Antônio Augusto, Nonato Lima e Jota Lindoso; além de todos os secretários municipais.
 

O PPA, é um instrumento de planejamento governamental de médio prazo, previsto no artigo 165 da Constituição Federal, e que estabelece diretrizes, objetivos e metas da Administração Pública para um período de quatro anos, organizando as ações do governo em programas que resultem em bens e serviços para a população. 
 

A próxima audiência pública para construção do Plano ribamarense acontece no dia 12 deste mês, a partir das 18h30, na Escola Municipal Liceu Ribamarense II, no Parque Jair.





Matéria enviada por Assessoria de Imprensa da PSJR.

Chacina em SP: vítimas foram mortas enquanto dormiam, diz delegado


Jornal do Brasil


O policial militar Luis Marcelo Pesseghini, 40 anos, Benedita Oliveira Bovo, 65 anos, e Bernardete Oliveira da Silva, 55 anos, três dos familiares vítimas da chacina na Brasilândia, zona norte de São Paulo, foram mortos enquanto dormiam, afirmou nesta terça-feira o delegado Itagiba Franco, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil de São Paulo.

Segundo a polícia, é “praticamente certa” a hipótese de que o filho de Pesseghini, Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, 13 anos, tenha cometido os crimes e se suicidado. O delegado garantiu não ter "dúvida nenhuma" de que as vítimas estavam dormindo, à exceção da mãe de Marcelo, Andreia Regina Bovo Pesseghini, 35 anos, que foi encontrada de joelhos.


O garoto Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini(à direita) teria efetuado os disparos da Chacina em São Paulo
"Isso tudo nos chamou a atenção. Não tinha sinais de reação dos PMs. Tudo se resumiu a algo particular, familiar", disse Franco. Segundo o delegado, desde o início havia indícios de que não se tratava de um ataque externo à residência, após análise inicial de uma equipe especializada em chacinas. "Desde o primeiro momento, senti que algo não estava batendo. Não era um homicídio usual. Se envolvesse facções criminosas, (as vítimas) teriam acordado, teria sinais de submissão. E nada disso havia na cena do crime", explicou.

Conforme Franco, os corpos do casal e do adolescente foram encontrados no final da tarde de segunda-feira na sala da residência, enquanto a avó e a tia-avó de Marcelo estavam em um imóvel anexo. O PM e as idosas aparentavam tranquilidade, enquanto o menino foi encontrado deitado de lado, sobre uma arma empunhada em sua mão esquerda, e a mãe foi encontrada de joelhos.


Nº de visitas

Confira a hora certa!

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 8767-7101

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores