terça-feira, 7 de maio de 2013

Codevasf investirá R$ 8,3 milhões em coleta, tratamento e destinação de resíduos sólidos
 

A implantação de sistemas públicos de coleta, tratamento e destinação final de resíduos é uma das prioridades da Codevasf. A ação faz parte do Programa de  Revitalização das Bacias Hidrográficas do São Francisco e do Parnaíba. Em 2013, a empresa deverá investir cerca de R$ 8,3 milhões com recursos oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Os Investimentos serão utilizados na instalação de aterros sanitários e elaboração de projetos para manejo e disposição adequadas de resíduos, encerramento de lixões e aquisição de equipamentos para operação adequada de aterros.
 

Cento e oito municípios serão beneficiados em Alagoas, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Maranhão. O objetivo da ação é aumentar a qualidade da água das bacias dos rios São Francisco e Parnaíba, por meio da erradicação de focos poluidores. Entre os aterros sanitários já implantados pela Codevasf estão o de Ibimirim, em Pernambuco; e os de Janaúba, Curvelo e Conselheiro Lafaiete, em Minas Gerais. Na Bahia, também foram concluídos os serviços de remediação ambiental do lixão de Juazeiro e em Alagoas, está em execução um aterro regional em Olho d'água das Flores.
 

Além da instalação de aterros sanitários, os investimentos também são direcionados para aquisição de equipamentos para uso nesses locais; construção de aterros para resíduos de construção e demolição; implantação de unidades de compostagem e triagem, bem como ações de remediação e encerramento de lixões.





Matéria enviada por Assessoria de Comunicação da Codevasf-Governo Federal. 
 

Alunos de São José de Ribamar perdem uma a cada cinco horas/aula‏



Por Camila Rocha
Do Maranhão da Gente

Para cumprir lei que determina que 1/3 da jornada dos professores seja destinada a atividades extraclasse, prefeitura de Ribamar reduz tempo de alunos em classe.
A carga horária dos alunos da Educação Infantil (1º ao 4º ano) está sendo reduzida em aproximadamente 18%, desde que a prefeitura de São José de Ribamar começou a cumprir a Lei 11.738/2008. Com isso, alunos perdem em média uma em cada cinco horas/aula por ano.

A prefeitura de São José de Ribamar desvirtuou os ditames da lei para dar mais tempo fora de classe aos professores. Como os educadores precisam dedicar um terço do tempo às atividades extraclasse, os alunos do primeiro ao quarto ano da rede municipal estão tendo, por semana, 3 horas e 45 minutos da carga horária subtraída.

Isso significa que os alunos matriculados no turno matutino, todos os dias, encerram as atividades às 10h45 e os do turno vespertino concluem as aulas às 16h45, quando deveriam te
A Lei do Piso instituiu um valor mínimo nacional para os salários dos profissionais do magistério público da Educação Básica e definiu um limite máximo (dois terços da carga horária) para as atividades de sala de aula. O outro terço do tempo deveria ser pago pela rede municipal para que os educadores pudessem aperfeiçoar a sua formação.

No dia-a-dia, atividades como formação continuada, correção de provas, reflexão coletiva sobre o trabalho docente, reuniões com pais e planejamento de aulas são questões fundamentais para o desenvolvimento das atividades dos docentes.

Para que o tempo de formação em serviço seja útil, é necessário planejá-lo corretamente para que cada uma das tarefas ocupe um espaço adequado na rotina dos educadores.
Ilza Maria Moraes, coordenadora do Núcleo Municipal de São José de Ribamar (Sinproesemma) informou que o sindicato já protocolou uma denúncia formal junto ao Ministério Público e a Câmara Municipal de Ribamar.
“Quem ficava 30 horas com o aluno agora fica 26 horas. Essas 4h restantes deveriam ser atribuídas a outro professor para completar as 30 horas com o aluno, que não pode ter prejuízo na sua carga horária. M
A secretária de Finanças do Núcleo de São José de Ribamar do Sinproesemma, Arlete Sales, acusou que em vez de traçar planos objetivos e eficientes para reorganizar as contas e o uso do tempo, de forma a fazer valer o horário de trabalho pedagógico coletivo (HTPC), a hora-atividade, a reunião pedagógica, a atividade extraclasse, a prefeitura optou por subtrair horas-aulas dos alunos da rede municipal.

“Ao que parece, a prefeitura anda mais preocupada em manter intocável o orçamento e os organogramas das secretarias e das escolas, a realmente atender ao cumprimento da lei, sem prejudicar a carga horária dos alunos”, denunciou.
O Outro lado
O Maranhão da Gente tentou contato oito vezes com a prefeitura de São José de Ribamar através do sitehttp://www.saojosederibamar.ma.gov.br/ e pelo telefone (98) 3224-7150, mas não obteve resposta.





Matéria enviada para publicação. 

Justiça acolhe pedido do MPMA e determina normalização de fornecimento de água no município 

 

A Justiça determinou liminarmente prazo de 60 dias para que a Prefeitura de Raposa (a 28 km de São Luís) e o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAEE) do município viabilizem o fornecimento de água potável por, pelo menos, 18 horas diárias a todos os consumidores.


A liminar é resultado de Ação Civil Pública de Obrigação de Fazer com Pedido de Liminar, ajuizada em 11 de março, pelo promotor de justiça da Comarca, Reinaldo Campos Castro Júnior.


Na manifestação ministerial que resultou na liminar, deferida pela juíza Rafaella de Oliveira Saif Rodrigues, o representante do MPMA demonstrou que moradores de, pelo menos, dez bairros da cidade enfrentam constantemente problemas causados pela falta d'água resultante da ineficiência do serviço fornecido pelo SAEE.


De acordo com ele, nesses bairros, a falta de água potável dura, com frequência, até três dias seguidos e o fornecimento é interrompido constantemente sem motivo plausível.
Das 18 horas diárias do fornecimento da água potável aos consumidores do município, pelo menos, dez horas devem abranger o período das 7 às 20h. Outra determinação da liminar é que, em 120 dias, deve haver o fornecimento de água, durante 20 horas diárias, pelo menos, sendo 12 delas, no mínimo, entre 7h e 22h.


A multa diária por descumprimento foi estipulada em R$ 1 mil.




Redação: CCOM-MPMA

MÚSICO FOI ENCONTRADO COM CINTO ENVOLTO AO PESCOÇO 



DO TV PLAY MÚSICA 



Foi revelada a causa da morte do músico Pedro Sergio Santos Maia de Sousa, conhecido como Peu Sousa, ao que tudo indica o guitarrista se suicidou.
 

De acordo com a Polícia Civil da Bahia, Pedro e sua esposa, Monique Ferrari, discutiram neste domingo (5) e após a discussão ela deixou a casa com os dois filhos. Ao retornar por volta das 23 horas Monique encontrou o corpo já sem vida do marido, enforcado com um cinto, no quarto do casal. Para concluir o caso a polícia irá aguardar o resultado da perícia que deve sair dentro de 30 dias.

O músico Peu Sousa: suicídio

O músico ficou conhecido por trabalhar com a cantora Pitty e ter ajudado a compôr alguns de seus sucessos como as músicas Equalize e Deja Vú. A cantora comentou sem seu Twitter sobre o falecimento do guitarrista e amigo: “Tanta história partilhada desde a adolescência. Fica na memória o músico incrível que ele sempre foi. Sem palavras pra expressar o quanto estou sentida. Nunca pensei que teria que escrever isso um dia... descanse em paz, Peu”.
 

O corpo de Peu Sousa foi liberado na manhã desta segunda-feira (6) do Instituto Médico Legal (IML) e foi encaminhado para o Cemitério Bosque da Paz, na capital baiana. O enterro está marcado para 11h30 de terça-feira (7).

Nº de visitas

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 8767-7101

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores

Parceiros ANB