quinta-feira, 6 de dezembro de 2012




Letras e Canções


Leia na íntegra a letra da canção inédita ‘Sonha’ de autoria do cantor e compositor ribamarense Fernando Atallaia

 
 
Sonha (Fernando Atallaia)



Sonha há quanto não te vejo

Você esqueceu algum desejo entre os lençóis

O que havia entre nós não passou de uma lembrança?

Você queria uma aliança pra nunca mais sofrer




Sozinha, você na sua

Eu, na minha

O amor é uma menina

E o que mais acontecer 


 


Você pediu pra eu te dar uma chance, Sonha  

Você cuspiu no prato do romance

 E agora quer perdão?

 
 

Querida tudo bem, segure a minha mão

Baila comigo essa noite

Sonha comigo essa noite




A minha pele é um açoite e você tenta fugir

Você tenta fugir

Mas saiba que você precisa amar

E é por isso que estou aqui





Saiba que você precisa amar

E é  pra isso que estou aqui
 
Ministros do STF rejeitam redução de penas do mensalão
 
 
 
Por Ana Flor
 
 
 
BRASÍLIA, 5 Dez (Reuters) - Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitaram a proposta de Marco Aurélio Mello de rever a pena de 16 dos 25 condenados na ação penal do mensalão com base no princípio da continuidade delitiva.
 
Caso fosse aprovada, a mudança reduziria de 40 para 10 anos e 10 meses a pena do empresário Marcos Valério, operador do esquema, e levaria o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) ao regime aberto.
 
Apenas o revisor do processo, Ricardo Lewandowski, acompanhou Marco Aurélio no voto, deixando o placar final de sete votos contrários e apenas dois a favor. Com a decisão, ficam muito pequenas as chances de mudança nas penas indicadas aos condenados.
Nesta quinta-feira, os ministros devem analisar dois temas: uma proposta de Lewandowski para revisar as multas impostas aos réus condenados e a perda ou não de mandato dos parlamentares condenados.
Ministro Marco Aurélio: proposta rejeitada
 
Segundo o ministro Celso de Mello, ministro que está há mais tempo na Corte, há ainda outra questão constitucional a ser definida pela, além da perda de mandato, que é a prisão imediata dos réus. Ele não acredita que o julgamento, iniciado em 2 de agosto, se encerre nesta semana.
 
Durante seu voto pela redução das penas, Marco Aurélio chamou a pena dada a Valério de "estratosférica" em um caso de dolo material. Ele citou ainda fala recente do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que afirmou que "mais importante que a pena aplicada é a condenação".
 
O ministro defendeu a aplicação do princípio da continuidade delitiva, que pode ser aceito quando um réu comete crimes de natureza semelhante contra o mesmo bem, neste caso a administração pública. Quando ela é aceita, se utiliza o crime de pena mais alta e se acrescenta dois terços da pena para os demais crimes.
 
"Nestes 34 anos de magistratura eu tenho buscado ter coerência... Meu voto tem coerência. Não se pode ter o autor intelectual condenado a 10 anos e o instrumento condenado a 40", disse Marco Aurélio, comparando as penas do ex-ministro José Dirceu, apontado como chefe da quadrilha, e de Valério.
 
Segundo Lewandowski, que apoiou a posição de Marco Aurélio, há "penas aberrantes" no processo.
 
Joaquim Barbosa, relator da ação e presidente da corte, disse que não se podia fazer uma revisão do julgamento neste ponto.
"Não estamos aqui para reabrir o julgamento", disse.
 
Entre os votos contrários à continuidade delitiva, Gilmar Mendes chegou a dizer que houve "corrupção com recibo" no esquema de compra de apoio político no Congresso no início do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
 
A proposta de Marco Aurélio deixava de fora nove réus condenados por formação de quadrilha e corrupção, por considerar que o crime de quadrilha atenta contra a paz pública. Ficaram de fora, por exemplo, os membros do núcleo político: além de Dirceu, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e o ex-presidente da sigla José Genoino.
 
 
EXECUÇÃO PENAL
 
 
Ao final da sessão, Celso de Mello enfatizou a jornalistas que a execução das penas --determinar onde os réus irão cumprir pena e até mesmo decisões ao longo do cumprimento delas, como a progressão e indultos-- deve ficar a cargo do relator do caso, isto é, Joaquim Barbosa.
 
Segundo ele, este tema não precisa ser debatido em plenário, porque está explicitado na Constituição e regimento do STF.
 
Arquiteto Oscar Niemeyer morre aos 104 anos
 
 
 
Agência Estado
 
 
 
O arquiteto Oscar Niemeyer morreu às 21h55 desta quarta-feira, 5 de dezembro, no Rio de Janeiro aos 104 anos. Com a saúde debilitada, ele estava internado no Hospital Samaritano desde o começo de novembro devido a uma infecção renal. Inicialmente vítima de desidratação, ele também teve problemas nos rins e era submetido a hemodiálise, além de fisioterapia respiratória. Pela manhã, Niemeyer sofreu uma parada cardíaca e sua respiração passou a ser mantida por aparelhos em decorrência de uma infecção respiratória. Somente neste ano, o arquiteto foi internado ao menos três vezes.
 
 
Reconhecido mundialmente como um expoente da arquitetura moderna, Niemeyer era o mais famoso arquiteto brasileiro e deixou um legado de grandes obras espalhadas pelo país e em cidades dos EUA, Europa e África.
Oscar Niemeyer: ele foi chamado pelo arquiteto do Universo
 
 
Na década de 50, foi convidado pelo então presidente da República, Juscelino Kubitschek, para projetar a nova capital do Brasil e foi encarregado de organizar o concurso para escolha do plano-piloto de Brasília. A capital federal coleciona hoje as principais obras-primas do arquiteto. 
 
 
Outras obras marcaram sua carreira, como o projeto do edifício Copan, cartão-postal de São Paulo, e o complexo da Pampulha, em Minas Gerais.
 
 
Homem de vida pública, Niemeyer sempre apoiou a política esquerdista e mantinha amizade com líderes socialistas, como o cubano Fidel Castro.
 
 
Mesmo com a idade avançada, o arquiteto manteve sua rotina de trabalho até 2009, quando ia diariamente ao seu escritório em Copacabana, na capital fluminense. 
 
 
Niemeyer foi casado duas vezes e teve apenas uma filha, já falecida. O arquiteto deixa mulher, cinco netos, treze bisnetos e quatro trinetos. Ele completaria 105 anos no próximo dia 15 de dezembro.

Nº de visitas

Confira a hora certa!

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 8767-7101

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores