quinta-feira, 29 de março de 2012



Futebol brasileiro imerso na insanidade



Por Nielsen Furtado



As insanidades sempre foram uma constante na vida social da humanidade. As atrocidades cometidas pelo homem o levaram a viver por muitos anos em um estado de pura barbárie. Guerras já produziram sanguinários que foram capazes de torturas execráveis e genocídios que até hoje chocam a sensibilidade daqueles que ainda não se furtaram ao direito de ter compaixão com o próximo.

Muitas mentes em conflitos constantes com a realidade já produziram cenas inimagináveis, que o diga Vlad III, ou Vlad Drácula, Rei da Valáquia, atual Romênia. Vlad Drácula, era conhecido como “O Empalador”, por introduzir pela via anal estacas de madeiras até que seus inimigos sucumbissem à morte. Sua fama de brutal e sanguinário se espalhou pela Europa Antiga e foi fonte de inspiração para o romance “Drácula”, do inglês Brom Stoker.

Vlad Drácula era objeto do meio em que vivia e da barbárie que eles mesmo produzia com os seus semelhantes. Infelizmente ele não foi o único. Adolf Hitler, provou ao mundo que a insanidade e o poder podem ser molas catalisadoras de grandes destruições. Hitler foi o causador direto do extermínio de milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial. Ele, que sonhava ser um grande artista plástico, mostrou ao mundo a arte do horror e da perturbação de uma pessoa frustrada com as suas próprias convicções.

Na década de 1990 o mundo assistiu atônito ao massacre produzido por Slobodan Milosevic, contra muçulmanos bósnios. Milosevic tinha a convicção da impunidade e por muitas vezes debochou freneticamente da Corte Internacional de Haia, que o julgou por genocídio. Milosevic morreu sem ter uma condenação condizente com os crimes que cometeu e a humanidade mais uma vez assistiu a atos insanos produzidos pela junção “insanidade e poder”.

Futebol dilacerado:a violência urbana das torcidas organizadas na visão histórica do colunista

Fazendo uma leitura contextual desses pontos supracitados, leva-se em conta a celebre frase de Thomas Hobbes, “O homem é o lobo do homem”. Assim, iremos visualizar a humanidade como sendo produto do meio em que vive. Essa teoria encaixa-se diretamente nas “Torcidas Marginais Organizadas” do Brasil. Essas facções vêm manchando de sangue a paixão nacional: o Futebol. Irresponsáveis travestidos de torcedores conseguiram colocar o Brasil na liderança do ranking de países que mais ceifa a vida de pessoas que vão aos estádios de futebol.

É bem verdade que poucas vítimas eram realmente inocentes. Em muitos casos foi ratificado o envolvimento desses delinquentes com as “Torcidas Marginais Organizadas”. É insano e deplorável qualquer ato de violência onde deveria caber apenas alegria. O esporte foi criado para trazer prazer e não dor. É necessário que essas facções de marginais possam ter essa compreensão. As autoridades têm a obrigação de punir de forma exemplar todos esses marginais que de uma forma ou de outra cometem crimes em nome de uma “paixão” inexplicável.

As “Torcidas Marginais Organizadas” devem ser extirpadas por completo. Não basta impedir o acesso aos estádios em dias de jogos, é necessário demolir por completo as estruturas físicas e administrativas de toda e qualquer associação organizada ligada a times de futebol. O Brasil está sendo a trincheira de uma guerra que vem ceifando vidas há décadas. Assassinatos em massa estão acontecendo e os culpados vivem na mais doce impunidade.

Policial no ataque: confronto entre policiais e torcidas organizadas são constantes na grande maioria dos estádios brasileiros

Falar de uma grande matança em massa pode soar como exagero. Entretanto, não podemos esquecer que o Brasil é o país onde mais torcedores são mortos. Ou as autoridades fazem alguma coisa para o bem geral da sociedade, ou a barbárie vai continuar e consequentemente iremos ter o desprazer de ver (re)surgir novos Vlad’s, Hitler’s ou Milosevic’s.

Pelo bem do futebol brasileiro fazemos aqui um apelo às autoridades: implodam todas as “Torcidas Marginais Organizadas” e punam os marginais travestidos de torcedores. A sociedade agradece o bem estar que será oferecido com essa medida.




Nielsen Furtado é jornalista e comentarista oficial de Futebol de ANB Online.






              
Quero posar nu

O humorista Millôr Fernandes fala de sexo, preconceito e política e, aos 80 anos, se diz otimista

Por Luís Antônio Giron

Da ÉPOCA

O humorista, jornalista e artista plástico carioca Millôr Fernandes nega-se a completar 80 anos no próximo dia 16 de agosto. Como diz em um dos muitos currículos que escreveu, ele sempre se recusou a dançar conforme a música - ou conforme o tempo. Por insistência dos amigos e interessados em se consagrar com seus elogios, Millôr resolveu encerrar o assunto publicando, no início de julho, o livro Apresentações (Record, 256 páginas, R$ 34,90). Na coletânea, há elogios a poetas, diretores de teatro, atores, cantores, ilustradores e humoristas, inclusive ele próprio. 'É o fim da minha carreira de apresentador', jura a ÉPOCA, em seu apartamento de cobertura em Ipanema, bairro que ajudou a consagrar, nos anos 60, como meca da inteligência tropical. Um dos mestres da verve brasileira, Millôr ataca amigos, inimigos, revela seus planos e critica todos os governos, mas acredita que o humor tem função no Universo. O sarcástico antipensador enxerga o mundo com otimismo.


ÉPOCA - Em seu novo livro, você está mais bonzinho do que nunca. Por quê?
Millôr Fernandes -
Quero me livrar da obrigação de apresentar os amigos. Se eu levar esse tipo de coisa a sério, não faço outra coisa na vida. O pessoal acha que sou gênio, que é só começar que saem frases fantásticas. Ganho minha vida com isso. O novo livro interessa porque atravessa 500 anos de História e não há ali pessoas que eu não conheça bastante. Sou tão antigo que nunca conheci ninguém famoso.

ÉPOCA - É possível citar alguns anônimos célebres?
Millôr -
Há muitas celebridades obscuras. Manso de Paiva, por exemplo, o único regicida do Brasil. Manso matou com a faca o Pinheiro Machado, candidato à Presidência da República. Ele tinha uns 30 anos quando o conheci: ficava ali, esperando ser atendido, descascando tangerina. A maioria dos famosos desaparece com ou sem razão. O meu amigo fraterno Sérgio Porto é exceção. Ele ficou famoso com o 'Samba do Crioulo Doido', com as crônicas depois republicadas. Ele tinha talento, era bonito, agradável e mulherengo. Mas há muita gente de talento que desapareceu.

ÉPOCA - Como você virou celebridade?
Millôr -
De repente, todo o mundo que trabalhava no Cruzeiro ficou famoso. Depois da fama, continuei: fiz teatro, cinema, televisão e show no palco. Trabalhei até no show do Zimbo Trio com a Elizeth Cardoso no auge. Intitulava-se Do Fundo do Azul do Mundo. Eu entrava diante de mil pessoas no teatro Sacre Coeur, sem experiência, começava a falar. Eu imitava o Magalhães Pinto cantando.

ÉPOCA - A carreira na TV foi mais promissora?
MilIôr -
Apresentei Treze Lições de um Ignorante, primeiro em Belo Horizonte, depois no Rio. Aí o grande liberal Juscelino Kubitschek mandou censurar o programa. Desagradei porque li a notícia do dia: 'A primeira- dama do país voltou de Paris depois de seis meses e foi condecorada com a Ordem do Mérito do Trabalho'. Fui conversar com o censor, o que nunca tinha feito antes, porque acho que a censura se exerce pela violência. De qualquer forma prometi ler a notícia sem entonação. Mas ele disse que não adiantava. JK nunca voltou atrás.

''Os governos me assustam pela falta de raciocínio. O que o Fernando Henrique Cardoso já escreveu de besteira é incrível. Os livros dele são os de um bobo. Ele é tão tolo quanto o José Sarney, só que mais barroco''

ÉPOCA - Você se projetou nos tempos de censura. Como você compara o humor da ditadura com o de hoje?
Millôr -
Não tenho preocupação com mudanças. A vida é rica e o humor continua. Você me dá o governo mais democrático e eu percebo que estou vivendo dentro de uma ditadura. Nunca houve governo democrático em lugar nenhum. No Brasil, não existe mesmo. O que é diferente em uma democracia é você combinar que aquele que foi eleito vai ficar quatro anos no posto. No Brasil, o medíocre do José Sarney aumentou seu mandato para cinco anos. O nobre Fernando Henrique Cardoso aumentou para oito. Jango foi cortado pela ditadura. O Itamar disse que queria o Fusca, ele o teve no dia seguinte, coisa que nem o Hitler havia conseguido na Alemanha.


Millôr Fernandes: genial e incomparável, o escritor reiventou o País nas artes e na sátira política  


ÉPOCA - E Lula?
Millôr -
Lula é um autocrata. Esse negócio da bebedeira dele foi ridículo. Ele disse que decidiu expulsar o jornalista para servir de exemplo. Para quê? Para que todo o mundo fique com medo de escrever coisas negativas sobre ele? Amanhã eu não vou poder nem dizer que ele tomou umas e outras. O lugar-tenente Aldo Rebelo está me processando porque eu fui contra o projeto dele de proibir termos estrangeiros na língua portuguesa. É a mesma coisa o papa proibir que as mulheres dêem. Sua Santidade exigiu isso a vida inteira e as mulheres continuaram dando. A língua se transforma. Senão, estaríamos falando latim ou guarani. Escrevi que o Rebelo cometia uma idioletice. Ora, idioleto é um termo técnico para língua individual. Mas ele achou que eu o estava chamando de idiota. Veja bem: eu estava, mas ninguém pode me condenar. Ele me processou e está cobrando R$ 50 mil. Isso é intimidação para os jornalistas. Lula não tem um plano de coibir a liberdade de expressão. O problema é que ele acha que está sendo liberal. Os governos me assustam pela falta de raciocínio. O que FHC já escreveu de besteira é incrível. Os livros dele são os de um bobo. É tão tolo quanto o Sarney, só que mais barroco.

ÉPOCA - Como você vê a condição do negro hoje?
Millôr -
É um processo irreversível. A gente adquiriu uma consciência e o negro se valoriza. No Brasil, onde tudo é mais lento, o pessoal do pagode ficou mais bem alimentado e hoje as meninas querem dar para o crioulinho que elas acham bacana. Eu, como sou o rei de perceber as coisas e mudar, já fiz alterações nas frases clássicas: 'Atrás de todo grande homem tem sempre um negão'. A outra: 'À noite, todos os pardos são gatos'. É a verdade atual. É preciso abrir a escola e a sociedade para os negros. Negritude é chique.

ÉPOCA - Você e sua turma eram libertários sexuais ou aquele discurso servia para seduzir as garotas?
Millôr -
Minha turma era ligada ao elemento feminino. Nós éramos libertos mesmo. Não tem tu, vai tu mesmo. Éramos livres com todos os entraves. Mulher era para o prazer mesmo. Meus amigos Sérgio Porto e Antônio Maria morreram de amor. Hoje isso está cada vez mais difícil. Homem e mulher têm medo de se entregar por temor de processo.

ÉPOCA - Há diferença entre a liberação sexual de seu tempo e a atual?
Millôr -
Comigo não tem diferença, porque não saio para conquistar menininhas nas boates. Minha vida é reclusa e você tem relações que algumas vezes se tornam mais íntimas. O fato é que a relação atual entre homens e mulheres é tão complexa que ninguém pode dizer mais nada. Há liberação, mas também setores conservadores de gente jovem. Não é assim nem assado. Houve uma liberação absoluta. Se a gente diz para uma menina de 15 anos que a virgindade era uma coisa sagrada para a mulher, ela não vai acreditar. Hoje a menina pode dormir com quem quiser.
ÉPOCA - Você ainda acha que o humor gay é impossível?
Millôr -
Atualmente há muita mulher comediante, mas poucas escrevendo algo que valha a pena. Quero que você me mostre um Ivan Lessa ou mesmo um Sérgio Porto gay. O programa Saia Justa não é humor, é uma excrescência, esculhambação. As apresentadoras interrompem o programa dizendo que estão com regras. Casseta e Planeta envolve superprodução para sustentar trocadilhos agressivos.

ÉPOCA - O humor está mais escatológico?
Millôr -
Tem de tudo. As coisas explodiram de tal maneira que não é mais possível chegar a uma conclusão.

ÉPOCA - Ao longo destes 70 anos, seus textos não foram ficando menos prolixos e mais concisos?
Millôr -
Não sei. A língua serve para você ser claro ou obscuro quando quiser. A profissão me fez eclético. Aprendi inglês quando traduzi histórias em quadrinhos. Eu fazia dez seções na revista, mas nunca deixei de ir à praia namorar as moças. Tenho preconceito com o cara que é fanático por trabalho e com o sujeito que é monógamo. A vida desse jeito fica muito limitada.

ÉPOCA - Por que você resiste a ser entrevistado?
Millôr -
Não gosto de dar entrevista, porque é natural que o entrevistador faça uma interpretação. Uma das formas de interpretar é extrair da entrevista o que você disse de mais agressivo e botar em destaque. Aí você parece um cão danado. Chegou um tempo em que eu perguntava quanto pagavam pela entrevista, porque sou um profissional. Por que vou dar a minha cara à televisão de graça? Quero ganhar é a minha gaita. Tudo o que fiz na vida foi a pedido, exceto duas coisas: a exposição que fiz no Museu de Arte Moderna, em 1957, e depois uma peça excepcional, Flávia, Cabeça, Tronco e Membros.

ÉPOCA - Por que você implica com Machado de Assis?
Millôr -
Machado de Assis é um bobo, mas todo o mundo o coloca no céu. É difícil a pessoa recuar naquilo que absorve na juventude. Minha cabeça funciona o tempo todo. A questão da Capitu em Dom Casmurro, por exemplo. Fica todo o mundo preocupado se a Capitu deu ou não para o Escobar. Ora, é evidente que sim. O livro diz que o filho da Capitu tem a cara do Escobar. Demonstro com evidências que Capitu traiu. Bentinho descreve de tal maneira Escobar que ele parece mesmo apaixonado pelo amigo. Peguei trechos sintomáticos do Bentinho no livro. Escobar se afasta no ônibus e Bentinho fica triste porque ele não lhe dá adeus. Eles ficavam de mãos dadas no colégio de padres e os padres achavam aquilo estranho. Não era normal. Dom Casmurro é um livro fraco.

ÉPOCA - Qual é o seu ideal de vida?
Millôr -
O meu é ficar pensando, sem fazer nada. Sempre vi essas beldades das revistas falando aquele clichê: 'Não quero ser reconhecida apenas pela beleza física'. Eu também não quero ser reconhecido apenas pelo meu talento. Eu quero posar nu!

ÉPOCA - Há alguma vantagem em chegar aos 80 anos?
Millôr -
O problema é que querem comemorar a data. Tinha o meu plano de não passar dos 80. Nunca tive problema com 20, 40, 50 anos. Agora estão me jogando contra a parede. Estou fazendo força para não ser mais engraçadinho. Porque sou muito engraçadinho. Com 80, você não pode mais fazer graça.

ÉPOCA - Você é otimista?
Millôr -
Vivo no melhor dos tempos. Mesmo a violência é resultado da melhoria da vida humana. A automação está provocando a demissão de todo o mundo. As pessoas são obrigadas a sair às ruas. Nesse momento, em 20 ou 50 anos, ou você socializa os benefícios básicos, ou o mundo vai explodir. Quando a gente liga a TV, percebe que o mundo está explodindo. Mesmo hoje, com essa possibilidade de ver tudo, Bush e Blair contaram mentiras para provocar a guerra e torturaram presos. Há 20 mil anos, Nabucodonosor torturava prisioneiros e ninguém sabia. Nosso tempo é admirável. Não adianta querer recuar. No século XIX, você não tinha nada. As pessoas eram sujas e nojentas. Pode-se dizer que elas não sentiam isso. Mas hoje a vida é muito melhor. Sou um otimista: com 6 bilhões de pessoas no planeta, devem existir por aí pelo menos 10 mil gênios.




Millôr Fernandes nasceu no Rio de Janeiro em 16 de agosto de 1923. Foi um cartunista, humorista, dramaturgo, escritor e tradutor brasileiro.

Com passagem marcante pelos veículos impressos mais importantes do Brasil, como O Cruzeiro, O Pasquim, Veja e Jornal do Brasil, entre vários outros, Millôr é considerado uma das principais figuras da imprensa brasileira no século XX.Multifacetado, obteve sucesso de crítica e de público em todas os gêneros em que se aventurou, como em seus trabalhos de ilustração, tradução e dramaturgia, sendo várias vezes premiado.Além das realizações nas áreas literária e artística, ficou conhecido também por ter sido um dos idealizadores do frescobol.

Com a saúde fragilizada após um acidente vascular cerebral no começo de 2011, veio a morrer em 27 de março deste ano, aos 88 anos.



Com informações de Fernando Atallaia.
O governo Dilma e a Nova Classe Rica

Por Luciano Suassuna

O fenômeno foi mensurado pela pesquisa “De Volta ao País do Futuro”, do Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas: proporcionalmente, até 2014 as classes A e B somadas irão crescer quase três vezes mais que o ritmo de expansão da classe C. Nos próximos dois anos, nada menos do que 6,5 milhões de brasileiros, uma população equivalente a do Paraguai, alcançarão as faixas mais altas da pirâmide social.

Isso significa que eles terão renda familiar acima de R$ 6.220, carro para passear e vários eletrônicos e eletrodomésticos (tevê, geladeira, máquina de lavar, computador) equipando a casa. A maioria será formada em universidades, terá um plano de saúde para usar médicos e hospitais particulares e deverá viajar de férias uma vez por ano. Quase todos terão televisão por assinatura e banda larga doméstica. A Nova Classe Rica, portanto, deverá entrar para a história do governo Dilma Rousseff assim como a Nova Classe Média, a incorporação de 35 milhões de pessoas ao mercado consumidor, esteve para o governo Lula.

Do ponto de vista econômico, trata-se de uma equação já desenhada: mantido o atual ritmo de crescimento do PIB e de aumento da renda média, o Brasil assistirá, em algum momento dos próximos 18 meses, a um evento inédito. Pela primeira vez na sua história, haverá mais gente no cume da pirâmide social do que na base – até a eleição presidencial de outubro de 2014, deveremos contar cerca de 30 milhões de brasileiros ricos contra 20 milhões de brasileiros miseráveis.

Getty Image

Eike Batista: sorrindo com o vento, ele tem meros US$ 30 bilhões guardados no colchão

Do ponto de vista político, a antiga mentalidade verá na expansão da Nova Classe Rica quase a
contradição de um governo que fez do “Brasil sem Miséria” sua bandeira social. Muitos brasileiros ainda se indignam mais com a riqueza do que com a pobreza, mas nesse caso a leitura social é exatamente a oposta. O estudo da FGV mostra que o Brasil sepultou definitivamente o ciclo de concentração de renda das décadas de 1970 e 1980. E o objetivo final do programa de Dilma Rousseff nunca foi o de manter uma massa de excluídos, mas de justamente extingui-la. Aos poucos, um pedaço crescente do Brasil perde a vergonha de celebrar a a adição de seis novos bilionários na lista da revista Forbes (agora são 36) ou a assunção de quase duas dezenas de novos milionários por dia (agora são quase 150 mil brasileiros com mais de um milhão de dólares em investimentos de liquidez imediata).

A grande questão que a Nova Classe Rica suscita, para ela e para o futuro do país, está ligada ao retrato que fará de si mesma. Se herdar o comportamento individualista, patrimonialista e autoritário da velha elite, o Brasil será uma caricatura de país desenvolvido. Mas se essa nova força estiver baseada em igualdade de direitos e oportunidades, em progresso pelo esforço de cada um, no cuidado com os espaços coletivos, no aprimoramento intelectual e no refinamento do gosto, essa Nova Classe Rica mudará o patamar do Brasil uma segunda vez.




Luciano Suassuna, 46 anos, é diretor de Jornalismo do Portal iG. Tem dois prêmios Esso de Reportagem, um prêmio Jabuti de livro-reportagem e três livros publicados. Na Editora Três, foi chefe da sucursal de Brasília e redator-chefe da revista IstoÉ, lançou a revista IstoÉ Gente e, como diretor editorial adjunto, participou da modernizaBraziliense.ção de oito revistas da editora. Foi correspondente em Paris do jornal Zero Hora, editor-executivo do Estado de S. Paulo e editor-assistente da revista Veja e repórter dos jornais Folha de S. Paulo, O Globo e Correio Brasiliense.

Nº de visitas

Confira a hora certa!

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 8767-7101

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores