terça-feira, 28 de fevereiro de 2012
                              
   A esperança de uma população nos limites da ponte
    Vitorino Freire, município localizado na mesorregião do Oeste Maranhense, tem um dos piores IDHs do País e uma realidade sucateada, fruto da má administração pública municipal e dos descasos patrocinados pelo Governo da cidade
Por Fernando Atallaia
Da Agência Baluarte
 A manifestação ocorrida no último sábado (25), no povoado São João do Grajaú em Vitorino Freire trouxe à baila a indignação e revolta de uma população que vem sofrendo as agruras de um dos piores governos municipais do Estado do Maranhão. Sob o comando do prefeito José Ribamar Rodrigues do Partido Progressista (PP), a cidade padece na precariedade de prestação de serviços e falta de implementação de projetos para áreas como Saúde, Agricultura,  Educação e Infraestrutura, além do visível problema de trafegabilidade que atinge o direito de ir e vir daquela população, diariamente.
População de Vitorino Freire na comunidade São João do Grajaú: luta por construção de ponte e revolta generalizada; vitorinenses são atingidos nas próprias pernas  
As duas pontes responsáveis pela interligação do município às cidades vizinhas de Altamira do Maranhão e Brejo de Areia estão em total desalinhamento e em abandono. Rompidas ao meio, oferecem perigo de morte aos transeuntes locais desde 2008. O ato de protesto e reivindicação em prol das pontes, organizado pelo Sindicato dos Agricultores de Vitorino Freire e demais lideranças comunitárias mostrou a caótica realidade de um município vitimado pelos desmandos de uma gestão que usurpa da população os direitos mais básicos e essenciais. Em declaração à nossa reportagem, o pecuarista e comerciante Paulo Veríssimo da Costa, 56, afirmou ser a última iniciativa dentre tantas já formuladas em favor da construção das pontes e foi incisivo ao comentar o assunto. ’’ É um problema que já vem prejudicando o povo de Vitorino Freire há anos e também as comunidades de outros municípios vizinhos, pessoas já morreram fazendo a travessia arriscada  e o comércio sofre grandes perdas pelo isolamento proporcionado pela queda dessas pontes que são importantíssimas para o desenvolvimento social  da cidade, é uma vergonha o que estar acontecendo em Vitorino ’’, disse.
Ponte soterrada: desde 2008, os habitantes dos municípios de Vitorino Freire e de cidades como Brejo de Areia e Altamira do Maranhão fazem travessias arriscadas; ponte já ocasionou mortes e acidentes
O município, anteriormente um polo agrícola em ascenção, hoje sofre com a falta de incentivo e programas de fomento para a agricultura e o produtor local, sobrevivendo em péssimas e insustentáveis condições de abastecimento e manutenção dos produtos fornecidos aos habitantes da cidade. A triste realidade de Vitorino Freire nessa área pode ser sentida na estrutura física do matadouro municipal administrado pela prefeitura, onde a ausência de higiene, fiscalização e vigilância sanitária são uma constante. 
Vista interna do Matadouro Municipal de Vitorino Freire: animais são sacrificados no chão entre ratos e urubus; logo após carne é distribuída à população
Outro segmento da gestão pública que vem agonizando na cidade  abandonada é a Saúde. A dona de casa Raimunda Santana, 28, conhece de perto os dissabores e o sofrimento provenientes do descaso administrativo nessa área. Segurando ampolas e medicamentos no fatídico trajeto São Luís/Vitorino Freire, Raimunda viaja a capital rotineiramente em busca de atendimento médico e cura para doenças e enfermidades.’’ Aqui no Vitorino Freire não tem médico e nem remédio, a gente tem que ir pra capital quase toda semana e quando adoece tudo fica mais difícil, porque se não procurar recurso fora pode até morrer ’’, desabafou. Postos de saúde improvisados proliferam pela cidade sem, contudo oferecer tratamento ou mesmo ações paliativas às comunidades pertencentes ao município. Os moradores reclamam, mas não são atendidos e nem sequer ouvidos em suas reivindicações. Uma prova de que em Vitorino Freire a regra é o desdém ao social e a exceção seriam as melhorias e o progresso dos povoados e localidades que existem à míngua sob a jurisdição do Governo daquela cidade.
Posto de Saúde em Vitorino Freire: a imagem já diz tudo
Nossa reportagem também realizou uma incursão pelos bairros de Vitorino Freire e o que vimos foi uma paisagem uniforme em todas as localidades : miséria, ruas esfaceladas, falta de perspectiva, fome, pessoas ordeiras e amigas que vivem à mercê do esquecimento sendo ultrajadas e desrespeitadas pelo Executivo daquele município em todos os âmbitos. Chama a atenção a manifestação em favor das pontes, mas provoca ainda mais estupefação a forma com a qual  aquela população é atingida nos mais diversos aspectos e setores da administração pública. Desde a falta de emprego e programas de geração de renda aos passos titubeantes daqueles que nem andar livremente podem. Assim é Vitorino Freire no Maranhão.




MÁRLON REIS,  UM DOS AUTORES DO FICHA LIMPA, PARTICIPARÁ DE ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS

Por Joelma Nascimento
Da Ascom do TJ

O juiz da 2ª Vara da comarca de João Lisboa, Márlon Reis, participará, na Califórnia (EUA), no período de 23 de julho a 10 de agosto, de um encontro que reunirá lideranças emergentes de 25 países, comprometidas com o fortalecimento da democracia, transparência, justiça social e economia. No evento – uma promoção do Center on Democracy, Development and the Rule of Law (CDDRL) da Stanford University – serão discutidos temas importantes para o exercício da cidadania, direitos humanos e mobilização social.

Reis foi selecionado entre 460 líderes dos diversos continentes por sua luta em defesa da aprovação da Lei da Ficha Limpa e pela sua contribuição para mudanças nas instituições democráticas com a iniciativa, que trouxe visibilidade positiva ao Brasil, em todo o mundo.

O juiz foi um dos autores do projeto de lei que deu origem à Lei da Ficha Limpa e o responsável pela organização do livro ‘Ficha Limpa: Lei Complementar n° 135/10’, que contém 20 artigos de juristas e membros da sociedade civil organizada envolvidos na iniciativa popular, defensores da constitucionalidade da lei como instrumento de comunhão entre o Judiciário e os interesses do eleitor. A obra, que traz três artigos de Reis, conta ainda com textos dos juízes maranhenses Douglas Melo Martins e Delvan Oliveira.


Márlon Reis: juíz maranhense é um dos maiores nomes na luta contra a corrupção eleitoral no país
“O convite para participar de um evento internacional com essa envergadura demonstra que, mesmo trabalhando em uma pequena comarca, o magistrado pode agir de forma proativa e impactar a realidade com a qual se depara”, salienta Reis.Ficha Limpa - Nascida de um projeto de iniciativa popular com mais de um milhão de assinaturas, a Lei da Ficha Limpa ficou marcada como um instrumento ético e necessário à manutenção do modelo de democracia representativa. No dia 16 de fevereiro de 2012, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) concluíram o julgamento da legislação e foram amplamente favoráveis à regra que proíbe candidaturas de políticos que foram condenados por órgãos colegiados da Justiça.

Com a decisão, políticos com condenação judicial na segunda instância ficarão impedidos de apresentar candidatura no pleito eleitoral de 2012 e em futuras eleições. Aqueles que renunciaram aos seus mandatos para escapar de processos de cassação também serão alcançados pela lei.


Com informações de ANB Online.
quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012



Democratização das Transmissões Esportivas: é preciso valorizar o esporte no Maranhão

Por Nielsen Furtado

Alguns poderiam dizer que é uma utopia lutar pelo processo de democratização das transmissões esportivas no país. Entretanto, o processo de democratização do Brasil também teve essa incerteza em relação ao futuro. A reflexão posta aqui chama a atenção para uma discussão mais incisiva em relação ao tema.
A caminhada é longa? Digamos que muito além do que podemos imaginar, pois nas entrelinhas dessas “articulações” existem um emaranhado de interesses, que vão desde uma simples retribuição de favores até um complexo “xadrez” político.
As grandes mídias manobram e conduzem o esporte brasileiro de forma explicita e danosa, e arrastam cada vez mais para o capitalismo famigerado esportes com estruturas amadoras, que ficam a mercê de empresários mercenários, que tal qual vampiros, sugam as últimas gotas de “sangue verde” gerado pelo esporte nacional.
Estreitando esse contexto, podemos direcionar as nossas discussões para a falta de transmissão esportiva no Maranhão. Não sendo injusto, temos que glorificar as transmissões realizadas pelas Emissoras de Rádio, que de forma capenga ainda se equilibram, mesmo que com bastantes dificuldades nos estádios de futebol e ginásios esportivos.
Por diversas vezes tentaram ludibriar a sociedade maranhense com a transmissão dos jogos de futebol pela televisão. Entretanto, essa prática teve um fundo político. A emissora em questão, não lutava para que o esporte maranhense melhorasse ou tivesse maior visibilidade, mas tentava mostrar através das transmissões o esvaziamento dos estádios de futebol do Maranhão. Com isso, buscou chamar a atenção para a ingerência do esporte maranhense como um todo. O fato dava-se pelo governo não ser alinhado à linha editorial da emissora. Perguntamos; por que a dita emissora não proporciona novamente as transmissões esportivas do estado? Porque não mostra a falta de incentivo que os órgãos públicos dão ao desporto maranhense?
Podemos citar um fato concreto que faz uma reflexão para a mídia local e nacional: a Liga de Basquete Feminino vem acontecendo desde o final de 2011, e o Maranhão Basquete vem mostrando que o maranhense é apaixonado por esportes, sempre lotando e apoiando um time que todos sabem, não chegará às finais da competição, não por falta de talento, mas por falta de tempo para aprimorar jogadas e táticas.  A crítica nasce da seguinte reflexão: quantas vezes o recorde de público no ginásio maranhense foi notícia na mídia nacional? Quantas vezes o esporte nordestino, salve Pernambuco e Bahia, ganhou destaque positivo na mídia nacional? Há incentivo do esporte no Brasil? Se há, por que a Liga Feminina de Basquete ainda não teve uma transmissão ao vivo na mídia aberta do país?
São várias questões e muitas celeumas que compõem um balaio cada vez mais complexo e articulado, que tem como finalidade chupar o “sangue verde” do esporte nacional. Uma reflexão que iremos propor nesse canal diz respeito ao esporte maranhense. Caso o futebol maranhense fosse coeso e organizado, e dele emanasse a vontade do povo, em ter um campeonato forte e com times competitivos, será que o maranhense daria mais valor para o futebol do eixo Rio-São Paulo? Flamengo e Vasco teriam uma torcida maior que Moto e Sampaio?
Essa reflexão é posta com bastante propriedade se quisermos um dia ver o futebol maranhense sendo forte e tendo visão nacional. Cabe-nos encerrar esse texto parabenizando os profissionais do Rádio, que ainda são guerreiros e conseguem de forma milagrosa, trabalharem num meio poluído por traças que destroçam o esporte maranhense como um todo. Ao querido Biguá, deixo o reconhecimento de ter podido assistir pela televisão a inúmeras atividades do desporto amador maranhense, que mesmo com bastantes dificuldades fazia a alegria de muitos amantes do esporte nas manhãs de sábado da década de 90.

Nielsen Furtado é jornalista e comentarista oficial de ANB Online. 


Leia na íntegra a letra da nova canção do cantor e compositor maranhense Fernando Atallaia



Distante



Eu sei que você anda bebendo
Eu sei que você anda cheirando
Faz tudo isso pra estar longe do meu alcance
Tenta dormir e o meu nome gritando
Quando acorda estou ali
Como fugir de alguém que vive em seu pensamento?


Eu sei que você diz não a muitos caras toda semana
E imagino que não tem sido fácil pra você esquecer minhas canções
A cada esquina alguém me enxerga a seu lado e você estar sozinha
Disfarça intranquila por toda essa vida
Mas como fugir de alguém que vive em seu pensamento?
adriana-lima2
No imaginário: por mais que ela tente não consegue esquecê-lo um só dia
Eu sei que você anda pelos cantos na sarjeta recolhida
E não pede perdão por medo de sofrer novamente
Sei também que seria bem melhor não ter me conhecido
E que há uma frase no imaginário e romper dos seus dias
Como fugir de alguém que vive em seu pensamento?


Quando você me viu não imaginava o que seria o amor em seu caminho
E pensou que com os dedos podia prender a quem sonhava ao Seu redor
Todo início guarda em si o fim o recomeço espinhos e lamento
Então me diga querida
Como fugir de alguém que vive em seu pensamento?
quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

O Governo Cutrim e os foguetes da reeleição

Governo Municipal lança mão de antigas práticas de alienação eleitoral e abusa do espetáculo em inaugurações de obras solicitadas pela população há anos; a onda agora é soltar foguetes em meio a gritante indignação das comunidades do município

Por Fernando Atallaia
Da Agência Baluarte
    
A inauguração no último sábado (11), da escola Acto Juvêncio no bairro Tijupá Queimado em São José de Ribamar mostrou, mais uma vez, o interesse da prefeitura do município em fortalecer a imagem do Governo Municipal e, para este trabalhar em prol da reeleição do prefeito Cutrim em outubro próximo. E desta feita (pasmem!) com direito a fogos de artifício.
   
A escola que estava operando de forma clandestina, sem as mínimas condições de funcionamento, vinha sendo alvo de denúncias dos moradores locais e reportagens da imprensa desde 2005. Só agora foi reinaugurada. Ou seja: no ano em que as eleições para prefeito da cidade e para vereador irão acontecer. Pelo visto, o Governo ainda não se esforçou para afastar de si a tão conhecida politicalha que o acompanha quando o assunto é a promoção do titular da prefeitura visando vitória no próximo pleito.
      
Ocorreu o inverso. Os foguetes alardeados pelos funcionários da prefeitura e os carros de som propagandeiros das ‘inaugurações’ de Cutrim, em vez de propiciarem o que a prefeitura objetivava (adestrar o povo daquela comunidade) causaram ainda mais revolta e ojeriza às ações do Executivo. A comunidade do Tijupá Queimado (uma das mais antigas da cidade balneária) e várias outras de Ribamar sabem, que tanto a construção de escolas quanto a implantação de projetos e programas sociais, é uma obrigação da prefeitura e não um brinde (presente, benesse, dádiva) aos ribamarenses.
      
Mas o Governo Cutrim tenta negar essa verdade. E vai de encontro à legitimidade da aplicação dos recursos. Constrói o cordão do espetáculo. Solta foguetes. Faz a festa e a fanfarra, crendo que os ribamarenses são desavisados e, imaginando que não perceberão que o dinheiro posto ali nas obras inauguradas sai do bolso do contribuinte do município. Enfim, o dinheiro é do povo. Quais seriam, portanto os motivos da ‘alegria’ nos eventos promocionais das inaugurações? Para uma moradora antiga do Tijupá, ‘’eles da prefeitura acham que enganam a gente soltando foguete, eu ouvi dizer que o dinheiro da escola já tinha vindo faz tempo e eles desviaram por isso que demorou’’. Fato ou não, a moradora citada já vem lutando pela construção da escola há mais de sete anos.
Prefeito Gil Cutrim: soltando foguetes à esmo na tentativa de conter a revolta da população 
    
Contraditoriamente ridículo, é que os moradores daquela comunidade não soltaram foguetes demonstrando estarem satisfeitos com a administração de Cutrim ou mesmo sinalizando agradecimento. A parafernália comemorativa partiu da prefeitura e não dos supostos beneficiados (leia-se moradores do Tijupá Queimado), que numa coerência primal de seu posicionamento no decorrer dessa gestão, continuam buscando cotidianamente por melhorias e cumprimento da promessa feita pelo antigo prefeito Luís Fernando Silva, que afirmou que o bairro seria calçado em três fases, o que contemplaria as ruas do povoado com pavimentação asfáltica e drenagem. Balela: as ruas Nova II, Rua Principal, Nossa Senhora das Graças e mais outras seis ruas emblemáticas do Tijupá Queimado estão sendo literalmente destroçadas por buracos, lixo, água de esgotos e crateras. Este um dos porquês (dentre tantos) dos moradores do bairro não terem ao que brindar. E nem deveriam. Como se disse aqui (só para ratificar) o dinheiro é do povo e a obrigação é do Governo Municipal. Portanto, o que a gestão Cutrim e a prefeitura de Ribamar comemoram nas tais inaugurações o povo desconhece e, revoltado ignora.
    
Passando ao largo da postura do espetáculo praticada atualmente pela prefeitura, as inúmeras e diversificadas reclamações da população ribamarense não querem calar e se erigem frente ao engodo administrativo da atual gestão, numa demonstração cabal de que o prefeito e seu secretariado cogitam de fato é a permanência de seu grupo político na esfera do Executivo da cidade e não as tão sonhadas melhorias sociais. Para o povo de Ribamar, como se sabe, esta realidade estar mais que evidente. Soltar foguetes, patrocinar faniquitos, ovacionar Cutrim e fazer da coisa pública um grande carnaval só irá aumentar a revolta de toda uma população que espera mais de um governo que estar sendo menos e não consegue esconder sua real intencionalidade: a vitória na reeleição. E as ‘inaugurações’? Sim, elas devem continuar. Com altos investimentos em grandes quantidades de foguetes e com os aplausos dos cerimoniais da prefeitura. Menos da população ribamarense, é claro.
sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012


São José de Ribamar: panorama político

Curtas e Boas

Por Fernando Atallaia
Da Agência Baluarte

Na vanguarda ou na berlinda, ele ainda é senhor

O blog oficial da Agência de Notícias Baluarte-ANB Online, registrou nas últimas semanas mais de 300 reclamações vindas de bairros e localidades ribamarenses onde o descaso do Poder Público Municipal ainda impera em absoluto. Sugestões de pautas e reportagens para áreas como Educação,  Saúde e Infraestrutura mostram a insatisfação da grande maioria da população do município com a prestação de serviços da prefeitura nesses setores.
A explicação para a indignação dos moradores, segundo um funcionário da prefeitura que preferiu não ser identificado, residiria no fato de secretários do Governo Cutrim estarem mais preocupados em articular acordos para as eleições deste ano que atender às solicitações das comunidades, deixando assim para segundo plano o que deveria ser prioridade: a gestão pública. Pelo visto, o descaso em São José de Ribamar ainda é senhor.

Ostracismo de Luís Fernando pode refletir nas eleições de Ribamar

O ostracismo imposto pelos caciques do Grupo Sarney ao atual chefe da Casa Civil do Governo Roseana, Luís Fernando Silva, pode refletir nas eleições de Ribamar deste pleito. Silva, um dos nomes cotados para a sucessão roseanista teve os interesses podados por nomes como Lobão e Ricardo Murad, para quem o secretário não é a melhor indicação. O desfalque sofrido por Luís Fernando Silva vem ganhando as ruas da cidade balneária e já se populariza, mostrando que a tão difundida competência do ex-prefeito não encontra paralelos nos corredores do Palácio dos Leões.

Perdendo espaço, Eudes Sampaio alcança Luís Fernando Silva
O mesmo insólito e previsível caminho que vem sendo trilhado pelo chefe da Casa Civil também encontra similaridade com a condição política do secretário da Fazenda da prefeitura de Ribamar, Eudes Sampaio, que nos últimos meses, diante da visibilidade dada à indicação do vice-prefeito de Cutrim( Eudes era o principal nome ventilado nos bastidores) vem perdendo- sorrateiramente- espaço para o secretário de administração Rodrigo Valente. Em boa companhia: Luís Fernando Silva e Eudes Sampaio provam do revés de seu próprio grupo político. Agora é só tomar um cafezinho!

Câmara inicia trabalhos com prestação de contas reprovada
Informação chegada a nossa redação dá conta que o atual presidente da câmara de vereadores de São José de Ribamar, Manoel Albertin, teve a prestação de contas reprovadas pelo TCE. A reportagem tentou contatar o titular do Legislativo, mas nenhuma ligação foi atendida até o fechamento da coluna. A câmara de Ribamar tem um histórico de reprovação que remete a constatação de irregularidades gritantes nas gestões dos ex-presidentes Ribamar Dourado ( reprovado), Malheiros( reprovado), Lindoso ( reprovado), Chicão (reprovado)  e agora na atual presidência da casa com Manoel Albertin, também reprovado.

Expectativa em torno de Flávio das Vilas cresce entre bairros e localidades ribamarenses

O líder comunitário Flávio das Vilas, do bairro Vila Cafeteira, em contato recente com o repórter de Agência Baluarte, Édher Soares, confirmou que em breve estará realizando o pré-lançamento de sua candidatura ao Legislativo Municipal. O encontro deverá acontecer em sua comunidade ou em uma das localidades próximas ao seu bairro de origem. Flávio é um, dentre os muitos postulantes jovens da cidade que pretendem pleitear vaga a uma cadeira na câmara de Ribamar.

Oposição articula em surdina candidatura única às majoritárias
Dos pré-candidatos a prefeito de Ribamar para este pleito, somente um se fez ouvir até agora. Arnaldo Colaço tem se embrenhado em povoados e comunidades longínquas do município em busca de apoio e adesão a sua candidatura, dada como certa. O esforço do socialista emergente esbarra em sua falta de visibilidade e expressividade, o que os antigos nomes de ‘oposição’ em comparação a Colaço ainda detém mesmo que em escala menor. A possível união do PC do B com o PSB geraria chapa única às majoritárias onde o prefeitável já estaria sendo ventilado como vice do candidato comunista. Na incerteza do apoio de Flávio Dino às eleições de Ribamar deste ano, a sigla comunista caminha com o grupo do ex-prefeito Julinho, onde Júlio Filho poderá ser lançado oficialmente como candidato a prefeito da cidade. Nos bastidores, as articulações já giram em torno de uma candidatura única, mas é provável que outros nomes apareçam  como alternativas ou no intuito de causar rumores.
quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Prefeitura de Paço do Lumiar intensifica obras de infraestrutura

Por Lourival Oliveira 


A prefeitura de paço do lumiar no intuito de dirimir mais rápido possível os problemas de mobilidade dos moradores luminense intensificou os trabalhos de infraestrutura no que tange nas avenidas 07 e 08 do Maiobão e caminha a passos largos com a melhoria e recuperação da estrada do sitio grande.

A população que a muito tempo esperava por estes serviços hoje ver como, hoje vem essas obras sendo verdadeiramente efetivadas e já cuidam e garantem o bom estado das avenidas, impedindo até mesmo que ônibus e outros veículos pesados trafeguem por lá antes do acabamento final.
Além dessas obras que iniciaram a Prefeita Bia Venâncio já garantiu que obras de melhoria e revitalização de ruas e avenidas em todo município de paço do lumiar serão realizadas o mais breve possível.
É nesse ritmo de obras e trabalhos em todas as áreas que a gestão da prefeita Bia Venâncio vem se destacando no senário de politicas publicas estadual, mesmo com toda  perseguição politica sofrida os números são positivos.


Democratização das transmissões esportivas


Por Nielsen Furtado 


A vida nos traz novamente a sensação de renascimento e torna possível todos os sonhos que pensamos realizar neste ano que começa a florescer. Essa é a percepção de que um novo ciclo de vida se inícia com uma nova jornada de 365 dias. Partindo do princípio que é dessa forma que o futebol brasileiro se faz enxergar, então iremos nos encher de bons fluídos e torcer para que as coisas começem a mudar.

Nesse ano de 2012 os nossos artigos serão mais frequentes e mais incisivos na questão referente à democratização das transmissões esportivas realizadas pelas emissoras de TV's. É importante que venhamos a levantar essa discussão, principalmente para o bem do futebol brasileiro, que não pode ficar refém das grandes emissoras nacionais.

Para discutirmos sobre esse tema, teremos que abordar uma gama enorme de situações que vão desde acordos regionais até negociatas financeiras, que de alguma forma sustentam grandes clubes brasileiros.
A discussão que pretendemos colocar em voga, diz respeito à questão financeira como um todo. A grande mídia está cada vez mais detentora dos direitos de transmissão das atividades esportivas nacionais. Essas grandes empresas nos tendencionam a assistirmos a sua grade de programação esportiva sem ao menos nos apresentar uma outra alternativa.

O mais grave nesse contexto, é que as alternativas, ditas plausíveis, estão direcionadas a canais fechados de tv's. É corrigueiro termos dois canais de esportes nas quartas-feiras e domingos, transmitindo o mesmo evento esportivo, e isso é muito danoso para o público, pois há um despedício muito grande de informação. Isso mesmo, informação! Por que temos a convicção de que o esporte também é tratado como informação e há muito tempo deixou de ser apenas entreterimento.
A nossa sugestão nasce da necessidade de democratização das transmissões esportivas no Brasil. Ou seja, as emissoras de tv's teriam a concessão de transmissão de todas as atividades esportivas de forma igual, com o compromisso de proporcionar ao telespectador uma programação que tornasse acessível as mais diversas modalidades esportivas.

Em um grosso exemplo, podemos fazer essa simples reflexão: uma determinada rodada do Campeonato Brasileiro de 2012, na qual teriamos grandes jogos de interesse de grandes públicos, as empresas que detivessem a concessão dos direitos de transmissão teriam o compromisso de transmitirem jogos que não fossem repassados por outras emissoras. Essa poderia ser uma alternativa para que o torcedor fosse mais respeitado.

Entretanto, as medidas iriam muito além, pois as emissoras teriam um número pré-determinado de jogos de diferentes times programados para toda a temporada, o que iria permitir que um time tivesse seus jogos transmitidos por todas as emissoras de forma igual, proporcionando assim, mesmo que de forma tímida o processo de democratização nas transmissões esportivas no Brasil.

É uma questão que remete a várias discussões, por isso pretendemos buscar junto aos nossos leitores a fomentação desse novo processo de acesso à informação esportiva, vista através desse prisma democrático, evitando assim, que tenhamos o desprazer de observar dois canais de tv's aberta com a mesma programação. Em miúdos, teriamos a oportunidade de observar a evolução de outras praças esportivas, que não fossem as já batidas Rio-São Paulo.

Nielsen Furtado é jornalista e comentarista oficial de Esportes de ANB Online 

Sedagro realiza em Grajaú Seminário do Programa Geração Futura para jovens agricultores indígenas

O QUÊ: V Seminário Geração Futura da Agricultura Familiar em Grajaú para jovens agricultores indígenas das etnias Guajajara, Krikati e Gavião
QUANDO: 02, 03 e 04 de fevereiro às 15h
ONDE: Hotel Gramado – BR 135 - Grajaú - MA
CONTATO: Coordenação de Ação Social: Carmen Luce (98) 91277013; Jamilda Ribeiro (98) 91345819

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES:

O V Seminário do Programa Geração Futura da Agricultura Familiar, promovido pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (Sedagro) tem o objetivo de apresentar aos jovens agricultores indígenas da Região Guajajara e alunos da Escola Família Agrícola (EFA/Grajaú) o Programa Geração Futura da Agricultura Familiar, bem como conhecer a realidade em que estão inseridos, buscando delinear ações de capacitação para a elaboração de projetos agrícolas e não-agrícolas, legitimando as demandas dos jovens, para o exercício da sua cidadania.

Participam do seminário jovens agricultores indígenas de seis aldeias, localizadas em cinco municípios, além de alunos da EFA/Grajaú, que vão receber Projetos de Avicultura e Piscicultura, além do Projeto de Artesanato em Fio Cru que já está sendo implantado.
Municípios /Aldeias / Projetos:
Amarante: aldeia Juçaral, da etnia Guajajara – Projeto de Artesanato em Fio Cru; aldeia Rubiácea, da etnia Gavião – Projeto de Avicultura;
Montes Altos: aldeias São José, da etnia Krikati – Projeto de Piscicultura;
Grajaú: Escola Família Agrícola (EFA) - alunos da etnia Guajajara – Projeto de Piscicultura;
Barra do Corda: aldeia Sardinha, da etnia Guajajara – Projeto de Piscicultura;
Jenipapo dos Vieiras: aldeia São Pedro, da etnia Guajajara – Projeto de Piscicultura; aldeia Santa Maria, da etnia Guajajara – Projeto de Piscicultura.

Além da Sedagro, participam do evento as Prefeituras Municipais, a Fundação Nacional do Índio (Funai), Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura do Estado do Maranhão (Fetaema), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Secretaria Extraordinária de Igualdade Racial (Seir), o Instituto Terra e a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp).

Programação:
02.02.2012 – Quinta-feira
15:00h        Abertura Oficial do Evento com o secretário adjunto de Articulação Institucional da Sedagro, Jadson Lago;
15:30h        Apresentação do “Programa Geração Futura da  Agricultura Familiar” – Carmen Luce Aguiar Pereira –Coordenadora de Articulação Social da Sedagro;
16:00h        Palestra "Transição da Agricultura Familiar nas Áreas Indígenas - Sabina Corrêa Barros
18:00h        Encerramento do dia  com a apresentação Cultural do Grupo ZAPUY - Jovens da Aldeia Jussaral.

03.02.2012 – Sexta-feira
08:00h        Apresentação das Etnias (apresentação de vídeo sobre as culturas indígenas/ agricultura familiar);
09:00h        Oficina Temática “Como Somos?”  – Instituto Terra/Sedagro
13:30h        Oficina Temática  “Como queremos ser?”  – Instituto Terra/Sedagro
15:15h        Apresentação do vídeo (Avanços da Agricultura Familiar).
17:00h        Apresentação do grupo de capoeira da aldeia de Amarante

Dia 04/02/2012 - Sábado
8:30h Consolidação das Oficinas – Instituto Terra
9:30h Socialização em Plenária dos Resultados das Oficinas: Resultados da Oficina pelos Jovens.

IPVA 2017

Pesquisar em ANB

Nº de visitas

Central de Atendimento

FAÇA PARTE DA EQUIPE DA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BALUARTE

Denúncias, Sugestões, Pautas e Reclamações, ligue:
(98) 9 9164 10 67

E-mail:
agencia.baluarte@hotmail.com

atallaia.baluarte@hotmail.com


Sua participação é imprescindível!

Nossos Seguidores

Parceiros ANB